Solitários se confortam com personagens de TV

Publicado em 4.05.2009

assistindo tv

Não se sinta mal em assistir TV em busca de conforto – uma nova pesquisa mostra que pessoas criam relacionamentos fictícios com personagens de TV para buscar consolo e afastar a tristeza.

Os voluntários dos estudos, que se sentiam infelizes por relembrarem momentos em que foram rejeitados socialmente, se animavam enquanto escreviam sobre seus personagens preferidos dos programas que assistiam. Isso apóia a hipótese da substituição social, na qual a tecnologia fornece aos solitários um senso de pertencimento social quando, na verdade, as relações formadas não são reais.

“A rejeição tem um efeito horrível sobre qualquer um de nós, porque somos uma espécie social” explica a psicóloga Shira Gabriel, da Universidade de Bufallo, que conduziu os estudos. “Mas, quando estamos vendo nossos programas favoritos de TV, não ficamos mais tristes”.

A maioria das pesquisas nesse campo foram baseados em relatórios que alunos universitários faziam de si mesmos. Quando unidos, esses estudos mostram que relacionamentos com personagens fictícios afetam as pessoas de maneiras realmente fortes (quem nunca viu aquelas manchetes de atores que interpretam vilões sendo espancados por noveleiros?).

No livro “Fahrenheit 451”, de Ray Bradbury, há uma personagem que prefere passar seu tempo com uma família fictícia, que aparece em telas de TV, do que com seu próprio marido.

E, para perceber como até os livros podem afetar nossas vidas, basta dar uma olhada nos fandoms (domínios dos fãs) na internet de livros como “Crepúsculo”, “Harry Potter”, “Senhor dos Anéis” e até os clássicos como “Orgulho e Preconceito”.

Shira e seus colegas já começaram a realizar mais pesquisas para descobrir como esse meio de satisfação social afeta as emoções do mundo real. Eles buscam fazer a conexão entre redes sociais existentes e ilusórias para explicar melhor o comportamento de indivíduos.

“Algumas vezes nem os mais ‘noveleiros’ conseguem acreditar em como são ligados às histórias que acompanham” declara Shira. “Há pessoas que não acreditam em nossa pesquisa. Pensam que pegam um livro qualquer, lêem e sabem diferenciar muito bem o real do imaginário. Mas é aí que a empatia humana entra em cena”. [Live Science]

Autor: Sergio de Souza

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

1 comentário

Envie um comentário

Leia o post anterior:
cheque-celular-grande
É possível depositar cheques pelo celular?

O APTRA Passport exi...

Fechar