10 atividades físicas “esquisitas” que podem substituir a entediante esteira

Por , em 3.10.2013

Em 1818, o engenheiro William Cubitt visitou uma prisão britânica, onde ele ficou horrorizado ao descobrir que os prisioneiros não faziam nada o dia todo. Cubitt resolveu criar uma máquina para mantê-los ocupados, e acabou inventando um dispositivo que exigia que eles pisassem em lâminas rotativas, que por sua vez moeriam milho ou liberariam água.

Os carcereiros gostaram da ideia dos presos trabalharem de uma maneira tão monótona e degradante. Logo, este dispositivo estava presente em todas as prisões. E hoje, também se encontra em todas as academias do mundo.

Cubitt é creditado com a introdução da primeira esteira ergométrica, embora seu design tenha sido refinado ao longo dos anos. Se você, por sua vez, está cansado de correr e não chegar a lugar algum, que tal conferir exercícios mais interessantes e inovadores?

10. Para maiores de idade

10
Apesar do que você pode pensar sobre classes chamadas “Cardio Striptease”, as mulheres não precisam ficar de lingerie, nem fazem as aulas para aprender a “agradar seu homem”. Embora sejam inspiradas em strip-tease ou ensinadas por strippers, as mulheres apenas executam rotinas projetadas para fazê-las se sentir confortáveis com seus corpos. Essas classes não só dão às mulheres mais autoconfiança, como são uma excelente malhação – seus movimentos avançados exigem muita força.

9. Fugindo com o circo

9
Hoje em dia, não é preciso aguentar o cheiro de elefantes ou palhaços assustadores para obter um sabor da vida no circo. Em vez disso, você só precisa encontrar um lugar que ofereça treinos inspirados no circo.

Muitas academias proporcionam aulas que incluem uma mistura de malabarismo e treino no trapézio. Também existe um treino aprovado pelo Cirque du Soleil e chamado Jukari Fit to Fly, que foi desenvolvido em conjunto com a Reebok e é oferecido pela Equinox. Com equipamentos modificados de modo que sejam simples e seguros para não profissionais, as pessoas podem se divertir voando em um trapézio enquanto ficam mais saudáveis.

8. Soltando a voz

8
É possível fazer uma aula de spinning onde você não só exercita seu corpo, mas também suas cordas vocais. Junto com a bicicleta vem uma tela de televisão, que funciona como um karaokê.

Exercícios intensos não são ideais para cantar, afinal, instrutores contam com música eletrônica alta para manter seus alunos no ritmo acelerado. Sendo assim, para garantir que os participantes se concentrem no treino e não em ganhar a versão “American Idol” da aula de ginástica, os instrutores geralmente só abrem algumas músicas para a participação do público.

E se músicas pop não forem suas preferidas, saiba que existem aulas de spinning com música gospel, além de treinos de dança que simulam um ensaio musical da Broadway.

7. Ensaio de passarela

7
Se podólogos fossem escutados, as mulheres provavelmente nunca mais usariam salto alto, pois este tipo de calçado pode levar a uma série de problemas de saúde, incluindo joanetes e dor nas articulações. No entanto, é totalmente improvável que elas abandonem os 15 centímetros a mais.

Se você é mulher e está determinada a usar saltos altos, pelo menos pode aprender a usá-los da maneira correta em uma aula de treino de salto alto. Nestas aulas, às vezes lideradas por podólogos ou dançarinas profissionais, as mulheres realizam uma série de exercícios para fortalecer a sua parte inferior do corpo, e depois obtêm instruções sobre como andar de salto. O salto desloca nosso centro de gravidade para a frente, por isso as aulas ajudam as mulheres a corrigir sua postura a fim de não causar danos aos pés ou às costas. Além disso, a postura correta faz você parecer mais magra. Por fim, as mulheres reforçam sua perna e músculos do pé, de modo que há menos dor e tensão após um longo dia no “alto”.

6. A rua é uma academia

6
Revistas de fitness nos lembram todos os dias de que não precisamos ir para a academia para se exercitar. Em vez disso, é possível treinar em qualquer lugar, pulando corda em um quarto de hotel ou subindo lances de escadas em nosso escritório. Talvez o exemplo mais puro desse tipo de atividade é o treino demonstrado em “Thug Workout: Fitness From the Streets”, produzido pelo grupo de hip-hop Ruff Ryders. O vídeo mostra como transformar brinquedos de playground, mesas de piquenique, placas de rua e andaimes em sua própria academia privada. Brinquedos de playground e andaimes de construção são ideais para flexões, enquanto uma mesa de piquenique é um bom local para trabalhar o tríceps. A música hip-hop e a linguagem “de rua” do vídeo podem não ser para todos, mas a mensagem é certamente universal.

5. Voltando à infância

5
O bambolê está aparecendo cada vez mais em academias como uma forma de queimar calorias e tonificar a barriga. De acordo com um instrutor, girar um bambolê por 30 minutos contínuos é o equivalente a 500 abdominais. E você não precisa descartar este tipo de exercício se teve problemas com o brinquedo quando criança. Os bambolês infantis são muitas vezes pequenos e leves demais para se controlar corretamente, mas se você estiver trabalhando com um feito para um adulto, a habilidade pode ser dominada em pouco tempo.

4. Vamos pular!

4
Muitos exercícios aeróbicos, como corrida, podem ser difíceis para os joelhos. Se você resolver treinar em um pula-pula, porém, vai experimentar 34% menos impacto e ainda obter um bom treino aeróbico. Outro tipo exercício de salto sem impacto é realizado em trampolins. Enquanto apenas pular estupidamente como uma criança faz já é um bom exercício, o treino concentrado de movimentos intencionais o força a envolver seus principais músculos abdominais. Você pode trabalhar o seu corpo superior também, usando pesos nas mãos.

3. Libere seu lado rebelde

3
Música e exercício andam de mãos dadas, mas se você não gosta de hits pop ou de música eletrônica, as academias podem ser lugares torturantes. Se o seu negócio for punk, você pode romper com o “regime de fitness fascista” e se exercitar nos mesmos clubes onde shows punks são realizados à noite, com odor de cerveja e cigarros e tudo o mais.

Só porque essas pessoas são contra a cultura, não significa que são contra malhar também. Uma hora de aula de aeróbica vigorosa ao som dos maiores sucessos punks pode até incluir uma sessão de levantamento de peso com tijolos pixados com spray.

2. Ioga + qualquer coisa

2
Ioga é uma prática espiritual antiga. Mas, o que antes era uma forma de preparar o corpo para horas de meditação, hoje tornou-se uma maneira de tonificar os abdominais e definir os ombros.

Há uma proliferação de aulas de ioga fundidas com outra coisa, como pilates, boxe, spinning ou corrida. Existem até aulas de kickboxing ioga. Outra forma estranha de treino ganhando as manchetes é o “ioga antigravidade”. Nesta aula, praticantes fazem poses invertidas com a ajuda de uma rede de tecido pendurada no teto.

1. Ganhando uma mãozinha, ou melhor, uma patinha

1
A maioria dos cães se exercita perseguindo brinquedos no quintal ou em caminhadas regulares com seus donos. Se você quiser aumentar essa carga de atividades, pode enviar seu cãozinho a um acampamento de treinamento. Lá, os donos acabam se exercitando também, já que eles têm de fazer 10 flexões cada vez que seus cães não obedecerem.

Se seu cão é mais “relaxado”, ao invés de agitado, então vocês podem desfrutar de “doga”, que é ioga para cães. Humanos também precisam suar: em algumas poses, os cães ajudam seus donos a se alongar, e em outras, são os humanos que ajudam seus cães. As aulas também incluem massagens para cães, destinadas a melhorar sua digestão.

Pode parecer “demais” levar seu cão a uma classe de ioga, mas passar tempo com seu animal de estimação pode realmente te ajudar a se exercitar, de diversas maneiras. Além disso, a companhia do bichinho libera hormônios antiestresse com o poder de te relaxar. [HowStuffWorks]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

2 comentários

  • Dinho01:

    O problema dessas “novidades” é que geralmente elas se restringem aos grandes centros,custam caro e necessitam do acompanhamento de um profissional sério. O que nem sempre é fácil de conseguir.

  • Guilherme Ferreira:

    Eu adoro matérias com conteúdo discriminatório… 🙂

Deixe seu comentário!