10 escolas NADA tradicionais espalhadas pelo mundo

Por , em 14.01.2015

Ao invés de carteiras, quadros-negros e professores de óculos, as escolas abaixo possuem particularidades que as destacam e diferenciam das tradicionais. Conheça um pouco sobre essas instituições incomuns espalhadas pelo mundo:

10. Dongzhong Mid-Cave Primary School

escolas incomuns 10
A Escola Primária Dongzhong está localizada em uma caverna na aldeia montanhosa de Miao, na província de Guizhou, na China. Dongzhong significa “na caverna”. Guizhou é uma das províncias mais pobres do país e recebe muito pouco apoio do governo. Em vez de utilizar seus recursos para construir um prédio escolar, então, a comunidade começou a escola na caverna em 1984, com oito professores e 186 alunos. Alguns levam até seis horas diárias ir e voltar da escola em busca de conhecimento, mas os moradores tinham preocupações de que ela fosse fechada pelo governo. Seus temores se concretizaram 23 anos após sua abertura, quando autoridades chinesas reclamaram que a mudança era necessária porque a China não era uma “sociedade de homens das cavernas”.

9. As escolas-barco de Bangladesh

escolas incomuns 9
Duas vezes por ano, Bangladesh sofre inundações que deixam milhões de seus cidadãos sem acesso à água potável, eletricidade e outras necessidades. Fica difícil para as crianças frequentar escolas, e mesmo para as escolas manter suas portas abertas. Para combater os desafios causados por essas inundações, uma organização sem fins lucrativos chamada Shidhulai Swanirvar Sangstha teve uma ideia brilhante: construiu casas, centros de saúde e escolas que flutuam. A organização opera quase 100 escolas-barco. Cada uma dessas escolas é movida a energia solar e equipada com um computador portátil, acesso à internet e uma pequena biblioteca. Sempre que há uma inundação e todos os outros serviços não funcionam, as escolas flutuantes passam pegar seus alunos em docas e ribeiras para estudar. Após as aulas, retornam os alunos para as suas casas. Cerca de 70 mil crianças foram beneficiadas por esses barcos desde sua criação, em 2002.

8. As escolas nas plataformas de trem da Índia

Inderjit Khurana sempre tomava o trem para o trabalho e encontrava várias crianças pedindo esmola aos passageiros em vez de ir para a escola. Khurana era professora em Orissa, na Índia, e tinha certeza de que essas crianças precisavam de ajuda. Como era quase impossível levá-las para a escola, ela decidiu levar a escola para as crianças. Foi criada a Ruchika School Social Service Organization (Organização de Serviço Social Escola Ruchika), que deu luz ao projeto Escola na Plataforma de Trem em 1985. Khurana iniciou com apenas uma instituição, mas mais de 4.000 alunos estão sendo formados em torno da Índia através do programa. Suas escolas atendem às necessidades das crianças de rua, crianças trabalhadoras e crianças de famílias pobres. Elas se reúnem entre paradas de trem para aprender a ler e escrever, bem como fazer uso de viagens de campo, cartões, canções, teatro, música e fantoches para estudar. Os pequenos são autorizados a deixar o programa ou retomar sempre que quiserem. Khurana também percebeu que seria difícil educar os filhos sem satisfazer as necessidades de suas famílias inteiras, de modo que a organização também fornece alimentos e medicamentos.

7. Escola Primária Abo

escolas incomuns 7
Abo Elementary School é a primeira escola subterrânea nos Estados Unidos. No auge da Guerra Fria, o presidente John F. Kennedy jurou que iria estabelecer estruturas públicas e privadas que poderiam servir como abrigos nucleares. Artesia, uma cidade no Novo México, sentiu que poderia ser atacada devido à sua proximidade com o Campo de Teste de Mísseis de White Sands e a agora abandonada Base Aérea de Walker. Assim, decidiram construir uma escola que também funcionasse como um abrigo na região. A instituição é completamente subterrânea. Um parque infantil foi construído em seu telhado. A escola tem três entradas diferentes, cada uma protegida por uma porta de segurança de aço de 800 kg. Também é equipada com chuveiros de descontaminação. O prédio é declaradamente capaz de resistir a radiação e a uma explosão de 20 megatons. No seu tempo, tinha um necrotério, um gerador, um poço, o seu próprio sistema de ventilação e estoques de alimentos e medicamentos. Apesar de tudo isto, muitos de seus alunos não tinham ideia de que frequentavam uma escola em um abrigo antiaéreo. Felizmente, Abo Elementary School nunca foi utilizada como asilo. Foi fechada em 1995 por causa do aumento dos custos de manutenção.

6. Escola Primária Gulu

escolas incomuns 6
Gulu é uma vila localizada na montanhosa Hanyuan, província de Sichuan, China. A única maneira de chegar à aldeia é através da Luoma Way, estrada cheia de curvas em ziguezague, passagens estreitas entre as paredes de pedra e pontes frágeis. Escondida em uma das montanhas fica a Escola Primária Gulu. A escola existe desde o final dos anos 80 e é gerida por um único professor, Shen Qijun. Qijun chegou a Gulu quando tinha 18 anos de idade. Naquela época, a escola estava em uma condição deplorável e nem sequer tinha encanamento. Shen reuniu os moradores depois que um estudante caiu e se feriu em uma tentativa de chegar a um vaso sanitário em outro lugar na montanha, e eles coletivamente renovaram o local e acrescentaram um banheiro ao prédio. A renovação incluiu também uma quadra de basquete, feita com quadro-negro não utilizado. Os alunos precisam ter cuidado ao utilizá-la, no entanto, caso acidentalmente lancem a bola montanha abaixo.

5. Ensino Médio Harvey Milk

escolas incomuns 5
Harvey Milk High School, em Nova York (EUA), é uma escola nomeada em homenagem ao famoso ativista de direitos gays e político Harvey Milk. Foi construída para atender às necessidades de estudantes lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros, além de quaisquer alunos susceptíveis de serem marginalizados e discriminados em escolas regulares. A Harvey Milk afirma que as suas portas estão abertas para qualquer um, independentemente de sua orientação sexual ou identidade. A escola começou a ajudar fugitivos e outros adolescentes em situação de risco em 1985, e oficialmente começou a conceder diplomas do ensino médio em 2003. Recebeu fortes críticas por parte do público anti-gay nesse ano, e os estudantes enfrentaram gritos de “Morra, bichas!” e outras crueldades por manifestantes na entrada da escola quando as aulas se iniciaram. A instituição até já enfrentou ações judiciais pedindo um fim do financiamento do governo ao local.

4. Trabajo Ya

escolas incomuns 4
A prostituição é legal na Espanha. Existem entre 200 mil e 400 mil prostitutas no país hoje. Para ajudar esses trabalhadores, a escola chamada Trabajo Ya, que significa “trabalho já”, foi inaugurada em Valência e oferece um “curso básico de prostituição profissional com a máxima discrição”. Eles criaram um anúncio convocando as pessoas a se candidatar a suas aulas, uma vez que a profissão é rentável e oferece emprego imediato para ambos os sexos. A formação tem a duração de uma semana e envolve aulas de teoria e prática. Por € 100 (cerca de R$ 310), os alunos aprendem sobre a história e evolução da prostituição e negócios, além de sessões diárias de duas horas de habilidades práticas, durante as quais se familiarizam com brinquedos sexuais e o Kama Sutra. Sem surpresa, a escola sofreu uma ação judicial por pessoas que se opuseram às suas práticas. Felizmente para a Trabajo Ya, o local continua a funcionar.

3. A Escola do Futuro

escolas incomuns 3
The West Philadelphia School of the Future foi inaugurada em 2006. A escola não exige que os alunos tenham livros. Em vez disso, eles usam computadores. Matemática é ensinada com o OneNote, um aplicativo de anotações, e os professores usam placas inteligentes informatizadas em vez de tradicionais quadros-negros. Os alunos usam armários digitais que se abrem com um cartão. A escola enfrentou vários desafios logo após a sua abertura. Houve problemas de liderança. Os alunos também ainda não estavam tecnicamente eficientes o suficiente para fazerem tudo de forma digital. Os professores tiveram problemas para incorporar o nível desejado de tecnologia em sala de aula e a escola não cumpria os padrões educacionais e de avaliação exigidos pelo governo local. Hoje, no entanto, a escola é considerada um sucesso. Estudantes possuem notas altas em matemática e leitura, e a escola futurista é muito procurada. A familiaridade com o Microsoft Office e outros programas dá aos alunos uma maior chance de emprego após a formatura. A carga horária da escola vai das 09:00 às 16:00 para replicar um dia normal de trabalho, em vez de um dia típico na escola.

2. Escola Livre do Brooklyn

escolas incomuns 2
A Brooklyn Free School é dividida em duas: uma escola superior para crianças entre as idades de 11 e 18, e a menor para estudantes com idades entre 4 e 11. Os alunos podem escolher qualquer classe que quiserem e não levam falta. São eles que fazem as regras da escola. Alguns podem decidir ficar sozinhos e realizar estudos independentes, o que poderia durar anos. Alguns podem decidir brincar, passear ou apenas tirar uma soneca. Há classes como “The Wire e Estudos Urbanos”, onde os alunos assistem e, em seguida, discutem o programa de TV The Wire. Em outra aula, os alunos comparam restaurantes ao redor da cidade antes de ir comer nos mesmos. Toda semana, são realizadas reuniões para decidir como a escola funciona, e como os alunos devem ser admitidos nela. Não há provas, trabalhos de casa ou graus. Se um aluno quiser, pode convocar uma reunião e discutir ideias com toda a escola. As aulas são feitas pelos próprios alunos, enquanto os professores atuam como moderadores. De acordo com o diretor, a escola espera que cada pessoa encontre o seu próprio caminho. O modelo, no entanto, tem sido criticado por causa de sua falta de currículo.

1. Escola de Bruxas

escolas incomuns 1
A Witch School ensina feitiçaria para “bruxas” em todo o mundo. Enquanto a maioria dos seus 40 mil alunos fazem seus cursos online, há um local físico onde eles também podem assistir aulas em pessoa. O prédio da escola era inicialmente localizado em Roseville, Chicago (EUA), onde permaneceu por dois anos antes de se mudar para Salem, em Massachusetts, a mesma cidade onde cerca de 200 pessoas acusadas de bruxaria enfrentaram julgamento entre 1692 e 1693. A mudança de Roseville para Salem tornou-se necessária porque cristãos organizavam protestos e jogavam água benta nas rodas dos carros conduzidos pelas bruxas em Chicago. Salem foi escolhida porque tem a sua própria comunidade de bruxas e geralmente é amigável a essas pessoas. [Listverse]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

3 comentários

  • Alex DoktorClub:

    Comentário preconceituoso.
    Considerando que a prostituição é uma profissão legalizada na Espanha tal escola não seria diferente do SENAI.

  • Ozon Grishnackh:

    Gostei da ideia da escola do futuro e da escola livre, já essa de escola de prostituição…. pfff

    • Joao Mendes:

      Imagino com ficaria a resposta à pergunta: “Qual a sua formação? Ah, eu sou acadêmica de Prostituição de Valência.”

Deixe seu comentário!