A evolução pode se reverter?

Por , em 4.10.2009

Há muito tempo biólogos se perguntam se é possível que as proteínas presentes em nossos corpos voltem às suas antigas formas e funções, abandonadas há milhões de anos. Ao examinar a evolução de uma proteína, uma equipe de cientistas afirma que a resposta a essa questão é não, pois novas mutações tornam uma “involução” praticamente impossível.

O primeiro cientista a levantar esta questão foi o belga Louis Dollo, que em 1905 afirmou que um organismo nunca retorna a seu estado anterior. Para confirmar se Dollo estava certo, Joseph Tornton e sua equipe da Universidade de Oregon, nos Estados Unidos, fizeram um experimento para analisar a possibilidade da evolução reversa em um nível molecular.

A pesquisa foi feita com base em proteínas chamadas de receptores de glicocorticóides , que ajudam humanos e praticamente todos os vertebrados a lidar com o stress ao utilizar um hormônio chamado de cortisol e “ligando” os genes de defesa contra o stress. Comparando o receptor a outras proteínas semelhantes, os cientistas reconstruíram a história dos receptores de glicocorticóides.

Há aproximadamente 450 milhões de anos, ele existia em um formato diferente, que permitia que ele pegasse vários hormônios, mas era fraco para pegar o cortisol. Durante 40 milhões de anos, o receptor mudou de formato, tornando-se muito sensível ao cortisol e insensível a outros hormônios.

Durante esses 40 milhões de anos, o receptor mudou em 37 pontos, sendo que apenas dois fizeram com que ele ficasse sensível ao costisol. Outros cinco passaram a impedir que ele se agarrasse a outros hormônios. Quando o receptor sofreu estas sete alterações, ele se tornou igual receptor de glicocorticóides que existe atualmente.

Thornton ponderou que, revertendo esta ação, ele poderia transformar o receptor atual em um ancestral, porém, para sua surpresa, o experimento de reversão falhou. Depois da primeira experiência, os cientistas perceberam que as moléculas haviam sofrido mais cinco alterações que não tinham sido percebidas antes.

De acordo com o pesquisador, as mutações nas moléculas devem ter ocorrido em duas fases, na primeira adquirindo as sete mutações que as tornaram sensível ao cortisol, e na segunda adicionando reentrâncias na estrutura dos receptores de glicocorticóides, mutação chamada pelo pesquisador como “alterações restritivas”.

Quando os cientistas tentaram trazer a molécula de volta à sua forma ancestral, essas modificações de sua estrutura impediram o processo. Thornton acredita que, com as mutações restritivas, ficou praticamente impossível que o receptor retornasse à sua forma anterior.

Ainda não há certeza se as proteínas têm tamanha dificuldade em evoluir de volta ao seu estado anterior, mas Thornton afirma acreditar que sim. Porém, o pesquisador também não descarta a possibilidade de uma involução em organismos que sofreram mutações simples. Quando os novos traços são formados por mutações mais conectadas, a complexidade é maior, e extingue a possibilidade de uma evolução reversa, de acordo com o biólogo. [NY Times]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

8 comentários

  • natan thiery:

    “o belga Louis Dollo, que em 1905 afirmou que um organismo nunca retorna a seu estado anterior” ok , e a água não pode ser transformada em gelo de pois água depois vapor ??? será mesmo q a reversão da evolução é impossível ???

  • Naaliel:

    É…Darwin é o criador da teoria da evolução. Vou repetir “TEORIA” da evolução. Vários cientistas já concluiram que não há relação entre o homem e o animal, que desmascara essa falsa teoria. Deus não precisaria de criar um animal irracional pra dele surgir o racional. Aliás, não precisaria de criar nada antes pra dali surgir o homem. Se eu perguntar a um naturalista quem criou o macaco, ele vai dizer que o macaco veio de uma coisa. Se eu perguntar de onde veio essa coisa, vai dezer que veio de outra coisa, e dessa outra e outra e outra. Vai terminar no Bigbang. Se eu perguntar de onde veio o bigbang também vai dizer que veio dali, acolá. Vai chegar uma hora que vai ficar sem resposta e vai dizer que foi Deus. Deus tem o poder suficiente de criar uma coisa aqui pra depois em 12 trilhões de anos daquela coisa surgir o homem. Mas a maioria dos registros históricos datam a criação do homem no máximo oito a dez mil anos atrás. Graças a Deus, a Bíblia, sua palavra é a principal literatura que ratifica a existência do homem nesse período.

    • Igor:

      Primeiramente eh impossível afirmar que o homo sapiens não tem relação alguma com os outros animais, pelo simples fato de que nos SOMOS ANIMAIS, oq vc tem que um chimpanzé não tem?Olhos, boca ouvidos, coração, intestinos, órgão genitais, cérebro, o fato de ambos se desenvolverem no útero de suas mães, e serem amamentados após o nascimento… e vc ainda tem a a coragem de afirmar que não existe relação NENHUMA entre sua especie e a dele?Eh engraçado vc se dizer um ser supostamente ”RACIONAL”, quando na verdade acredita em coisas que não vê, e ninguém nunca viu, pela mais pura simples e IRRACIONAL ”fe”, sinceramente acho que o macaco deve ter mais racionalidade que vc, pois não perde tempo rezando pra um ser invisível, ao invés disso ele cuida de seus filhotes e da sua família, deus e o retrato do egocentrismo humano, o deus da igreja que dizia que a terra era o ”CENTRO DO UNIVERSO”, que clama que o homem e feito a ”IMAGEM E SEMELHANÇA DE DEUS”, sempre pondo o humano num pedestal, aprendam oq a própria bíblia ensina, HUMILDADE, parem de querer ser o centro de tudo, a ”CRIAÇÃO DE DEUS” e vejam oq vcs realmente são, vírus incrustados num grão de areia, em meio a praia que chamamos de universo…

    • Walter Bigoni:

      O Comentário é uma resposta a Naaliel acho que se querer coloquei a resposta ao Igor desculpa ai viu mano..

      Ai minha nossa senhora das bicicletas ,tu vais acabar regredindo na escala da evolução pra aprender e voltar quem sabe menos doutrinado pela religião ..Cara nem mais teoria deveria ser rotulada e sim EVOLUÇÃO.Entendeu ou quer que eu pinte ? Ciência não tem todas as verdades por isto se chama Ciência, até que se provem o contrario,você vem postar se ancorando num conto de fadas,acorde estamos em outros tempos ,religiões já fizeram sua parte no teatro da humanidade alias péssimo desempenho,fica frio põe uma bolsa de gelo na massa cinzenta se é que você tem ,e pare de escrever abobrinhas num tópico de cunho cientifico.Oras bolas…

  • Juka:

    Lisandro, um raciocínio bem simples: procure dados sobre genética e voçê verá que todos os humanos, mesmo os dos lugares mais longínquos, tem diferênças de DNA menores do que 0,5% (isso falando por cima, porque a diferênça pode ser ainda menor…); partindo daí, pode-se concluir que se as desigualdades como cor da pele, tipo de cabelo, etc, interferem minimamente no nosso DNA, logo elas NÃO criariam novas espécies, ja que somos uma ÚNICA espécie (sem aqule papo “bonitinho” de “somos todos iguais”, é apenas uma constatação científica, ok?). Se pegarmos uma gota de sangue sua e de um japonês e um africano o “conteúdo genético” vai ser igual, portanto não tem como, sob hipótese alguma, surgir uma nova espécie. Abs.

  • Pedro Silva:

    Perante a prespectiva de Terence Mackenna o que levou ao desenvolvimento do cerebro ao ponto de duplicar o seu tamanho num milênio foi a mudança climatica que os levou (macacos) a descer das arvores e assim também consumir os chamados cogumelos mágicos, que no clima da época eram bastante prosporos. O consumo do alcool diz ele fazer o contrario daí o retrocesso que estamos vivendo. Passando de uma especie que intoxicavase em DMT para uma especie que se intoxica com alcool.
    Existem muitos outros promenores, espero não ter desfamado as palavras de Mackenna.

  • Londrina:

    Lisandro, “formação de novas espécies”? A não ser que a pessoa se case e reproduza com um camelo do Saara não vejo como humanos, mesmo de etnias diferentes, formariam uma nova espécie ao se reproduzirem. “No way Jose”

  • Bruno FV:

    Já está se revertendo á séculos.

Deixe seu comentário!