25 crianças de diferentes países são fotografadas com o que comem em uma semana

Por , em 1.07.2019

O fotógrafo Gregg Segal viajou para nove países durante três anos fotografando o que crianças de diferentes culturas comem – como são suas alimentações semanais? Do que elas são compostas?

O resultado, além de muito belo e artístico, foi publicado no livro “Daily Bread: What Kids Eat Around the World”, recém-publicado e ainda sem versão em português.

Nesta obra, o leitor pode apreciar imagens de crianças dos EUA, Índia, Malásia, Alemanha, França, Itália, Senegal, Emirados Árabes Unidos e Brasil ao lado daquilo que ingerem semanalmente.

E por que crianças? “Eu me concentrei nas crianças porque os hábitos alimentares começam cedo e se você não fizer certo quando tiver 9 ou 10 anos, será muito mais difícil quando você for mais velho”, o artista contou ao portal The Bored Panda. Você concorda?

Segal explica ainda que a ideia veio depois que ele completou outro projeto chamado “7 Days of Garbage” (em tradução literal, “7 dias de lixo”), no qual ele fotografou indivíduos com o lixo que eles acumularam por uma semana. O objetivo era olhar para todos aqueles resíduos e embalagens e refletir sobre o aumento do desperdício na sociedade atual.

“Comecei a me perguntar: ‘como nossas dietas são impactadas por essa revolução na maneira como a comida é produzida e consumida?’ Pareceu-me que não pensamos o suficiente no que está em nossa comida, porque não somos nós que a produzimos! Nós terceirizamos o ingrediente mais vital da vida, o tecido conectivo das famílias e da cultura. Pensei: ‘E se nós mantivermos um diário de tudo o que comemos e bebemos por uma semana para trazer nosso foco para a dieta e nos apropriarmos dos alimentos que comemos?’”, explicou.

Segal começou fotografando sua família e os filhos de amigos, e depois decidiu que o trabalho ficaria mais interessante se tivesse um escopo global. As dificuldades foram muitas: a linguagem, os produtores com quem teve que trabalhar em diferentes países, os estúdios com a altura certa para o equipamento fotográfico, o local para cozinhar as refeições, o fato de ter que confiar nas anotações da alimentação semanal das crianças e, é claro, dinheiro – Segal financiou a maior parte do projeto do seu próprio bolso.

No total, 60 crianças participaram do projeto, 52 das quais foram incluídas no livro. Confira algumas delas:

Brasil

Kawakanih

No Brasil, Segal fotografou Kawakanih Yawalapiti, de 9 anos, que vive no Alto Xingu, uma terra indígena no Mato Grosso. Kawakanih é membro da tribo Yawalapiti. A sessão de fotos ocorreu em 19 de agosto de 2018 em Brasília. Para chegar ao estúdio, Kawakanih e sua mãe viajaram 31 horas a partir de sua aldeia usando barco, ônibus e carro.

A dieta de Kawakanih é bastante simples: é composta principalmente de peixe, tapioca, frutas e nozes.

Segundo a cultura indígena da garotinha, a tinta vermelha que cobre parte de seu corpo na imagem, feita de sementes de urucum, é uma forma de protegê-la de maus espíritos. Kawakanih ainda é uma das 7 pessoas restantes no mundo que falam Arawaki, uma língua em vias de desparecer – ela é a primeira criança criada por sua mãe para falar o idioma nativamente desde a década de 1940. Agora, cabe a ela e seus irmãos mantê-lo vivo. Ela também sabe conversar em português e no dialeto de seu pai.

Davi

Mais uma criança brasileira fotografada foi Davi Ribeiro de Jesus, 12 anos, de Brasília. Ele vive com seu pai, madrasta e três irmãos na favela Chácara Santa Luzia, próximo ao Lixão do Jóquei, o maior lixão a céu aberto da América Latina, em uma residência de apenas um quarto.

A dieta de Davi, de responsabilidade de sua madrasta, é variada: ele come de tudo, menos legumes amargos. Normalmente, há arroz e feijão, às vezes carne de porco. Davi também sabe cozinhar: ovo frito, mingau e macarrão. Ele nunca passa fome, mas sobremesas são menos frequentes: de vez em quando, tem pipoca doce.

Davi adotou cinco cachorros de rua – Lassie, Beethoven, Tchutchuquinha, Belinha e Piloto – e também tem uma galinha. Adora pipas e quer ser policial um dia, porque é melhor ser policial do que ladrão.

Ademilson

Outro brasileiro fotografado foi Ademilson Francisco dos Santos, de 11 anos, de Vão de Almas, Goiás, no Cerrado brasileiro. Ademilson vai à escola, mas enfrenta uma longa jornada para isto – horas de caminhada. Sua comunidade fica a 200 quilômetros de distância da cidade mais próxima, e não há eletricidade ou água encanada. Antes de visitar Brasília para o ensaio fotográfico, Ademilson nunca tinha comido pizza ou cachorro-quente (e detestou o último, por sinal).

A família do garoto (da qual ele é um de 7 filhos) tem várias plantações – arroz, mandioca, batata doce, abóbora, feijão, pepino, quiabo, jiló, laranja, limão, melancia, milho, café e cana de açúcar -, além de colher várias frutas nativas, como buriti, mangaba, manga, jatobá, pequi, caju, e coco de palmeira-indaiá. Eles produzem óleo de coco e de mamona, gergelim e paçoca (Ademilson ama paçoca, e manga também).

Pilar da dieta do Cerrado, Ademilson segura um buriti na fotografia, planta cuja madeira é usada para a construção e artesanato, as folhas são usadas para cobrir casas, as fibras são usadas para fazer tecidos, a polpa para comida, e as sementes para se proteger do sol e aliviar músculos doloridos.

Henrico

Henrico Valias Sant’anna de Souza Dantas, de 10 anos, mora em um bairro fino de Brasília e, como os demais brasileiros, também foi fotografado em 2018.

São sua mãe, avó e empregada da casa que fazem a maior parte da comida que ele consome. Sua refeição preferida é feijoada, com arroz branco, farofa e couve. Henrico também ama doces, incluindo mousse de chocolate, Toblerone, Talento, Nutella, brigadeiro e sobremesas que ele e sua família inventam, como torrada com manteiga e Nescau.

Henrico não tem ideia do que quer fazer quando crescer. Não falta nada em sua vida e ele é muito feliz.

Índia

Anchal

A pequena Anchal Sahani, de 10 anos, foi a estrela da sessão realizada em Chembur, Mumbai, na Índia, em 11 de março de 2017.

É a mãe de Anchal que cozinha para ela, coisas como curry de quiabo e couve-flor, lentilhas e um pão indiano conhecido como roti. Essa é a dieta que a família pode ter com o salário de menos de US$ 5 por dia do pai de Anchal (no câmbio atual, cerca de 20 reais).

Anchal vive em um pequeno barraco feito de latão no subúrbio de Mumbai, com seus pais e dois irmãos. Ela não vai à escola porque precisa cuidar da casa e de seu irmão mais novo, um bebezinho. Nas horas livres, gosta de fazer caminhadas e colecionar embalagens brilhantes que encontra perto de lojas de doces e conveniências.

Adveeta

Já Adveeta Venkatesh, de 10 anos, vive em Deonar, também no subúrbio de Mumbai, perto de um lixão, o mais antigo e maior da Índia. Seus pais são cientistas pesquisadores e trabalham para o governo indiano.

Adveeta é vegetariana e é sua avó que cozinha a maior parte dos alimentos que ela consome. Ela adora a culinária do sul da Índia, particularmente dosas (panquecas de arroz fermentado e lentilhas) com molho chutney picante e iogurte. Adveeta tem melhorado seu paladar e comido uma variedade maior de alimentos, mas também mais porcarias e doces – o que surpreendeu seu pai quando viu as imagens feitas por Segal pela primeira vez.

A garota gosta de drama e dança clássica indiana, e gostaria de ser veterinária e doar dinheiro para orfanatos e canis de animais no futuro.

Senegal

Meissa

Meissa Ndiaye, 11 anos, foi fotografado em Dakar, no Senegal, no dia 30 de agosto de 2017. Ele mora com seus pais e um irmão em um subúrbio numa casa de um quarto.

Meissa é muçulmano e adora carne de cabra e alimentos doces como mingau. No entanto, durante a semana que anotou o que comia, suas refeições foram compostas de muito pão francês recheado com (sim, você leu certo) espaguete, ervilhas ou batatas fritas, e pouca carne. Às vezes, a família pede comida ao invés de cozinhar.

Meissa ama futebol e gostaria de ser um craque como Messi ou Cristiano Ronaldo. Ele também gostaria que sua família imigrasse para a França para ganhar mais dinheiro.

Sira

Outra criança fotografada no Senegal foi Sira Cissokho, de 11 anos, originalmente de Tambacounda, cerca de 7 horas ao norte de Dakar.

Sira, que tem 8 irmãos, nem sempre tem o suficiente para comer. Em ocasiões especiais, sua mãe faz sua refeição preferida, frango. Muitos dos alimentos consumidos por sua família são cultivados em seu jardim, incluindo milho-miúdo e amendoim.

Sira sabe fazer Ngalakh, um mingau de milho tradicional de seu país. Se tivesse mais dinheiro, a garotinha gostaria de levar sua família em uma viagem à Meca.

Frank

Frank Fadel Agbomenou, 8 anos, também vive em Dakar com seu irmão mais velho e seu pai. Seus pais são separados e ele gostaria que voltassem, mas não acha que isso vai acontecer.

Frank gosta de comer de tudo, especialmente peixe, que a cozinheira da família sabe preparar muito bem. Ele também come bastante amendoim da árvore que possui em seu terraço.

No futuro, Frank sonha em ter um carro esportivo, visitar Paris e ser um ginecologista.

EUA

Hank

Gregg fotografou seu filho Hank Segal, de 8 anos, em 30 de janeiro de 2016. Hank, Gregg e sua mulher vivem perto do sopé das Montanhas San Gabriel, a nordeste de Los Angeles, na Califórnia.

A família cultiva uma diversidade de alimentos, incluindo tomate-cereja, alcachofra, abobrinha, espinafre, romã, inhame, ervilha, agrião, alecrim, tomilho, manjericão, pimenta Serrano, amora, uva, framboesa, ruibarbo e melancia.

Hank tem um paladar muito tolerante, comendo até olho de peixe em restaurante libanês. Seus heróis são Albert Einstein, Teddy Roosevelt e Abraham Lincoln, porque ele acabou com a escravidão e tem uma barba legal. Quando crescer, Hank sonha em ser engenheiro mecânico da NASA.

Leona

Em Glendale, na Califórnia, Segal fotografou Leona Del Grosso Sands, de 6 anos.

Em um apartamento onde mora com sua mãe e uma gata, a pequena é obrigada a comer vegetais e ter uma dieta colorida. Ela sabe fazer aveia e panquecas, e é louca por doces. Além disso, a família tem um pé de tomate.

As pessoas que Leona admira incluem sua mãe, seus professores e Joan Jett.

Cooper

Cooper Norman, 10 anos quando foi fotografado em Altadena, na Califórnia, em 30 de janeiro de 2016, planta várias frutas e vegetais na sua escola, a Odyssey Charter School.

Ele se considera um “aventureiro” no quesito comida, disposto a experimentar de tudo. Comida tailandesa, o país natal de sua mãe, é a sua favorita. Ele adora vestir ternos e sabe tocar violão.

No futuro, Cooper quer ser um neurocirurgião e comprar um “teletransportador”, para visitar sua família na Tailândia mais vezes.

Isaiah

Isaiah Dedrick vive em Long Beach, na Califórnia, e tinha 16 anos no momento do seu ensaio fotográfico com Segal, em 2016.

Sua comida favorita é frango com laranja e arroz frito. Ele também ama o cheiro de maçã com canela. Sua mãe e avó fazem a maior parte de suas refeições, e refrigerantes não são permitidos.

Isaiah sonha que ninguém passe fome no mundo, e gostaria de ser tão engraçado quanto Eddie Murphy ou Tyler Perry e de voar como o Super-Homem.

Alexandra e Jessica

Alexandra Lewis, 9, e Jessica Lewis, 8, moram em Altadena, Califórnia, com seus dois pais que são engenheiros no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA.

No quintal de casa, a família cultiva amora, uva, figo, pêssego, romã, goiaba, banana e outros. Também criam galinhas e comem seus ovos quase todos os dias.

Entre as comidas preferidas de Jessica estão doces e pizza com presunto. Já Alex faz Hot Pockets (hambúrgueres processados que vem prontos para serem colocados no micro-ondas), pizzas e quesadillas sozinha, mas seu prato favorito é macarrão com queijo.

Depois da sessão de fotos, as meninas levaram comidinhas de volta para casa para alimentar suas galinhas.

Daria

Daria Joy Cullen, 6 anos no dia do seu ensaio em Pasadena, na Califórnia, em 21 de fevereiro de 2016, ama bacon, macarrão, pipoca com manteiga, achocolatado e doces, especialmente sorvete de menta com raspas de chocolate.

Seu pediatra e sua família se preocupam porque ela se recusa a comer frutas e vegetais, desde pequena. Mesmo quando bebê, não gostava de purê de banana ou maçã.

Daria quer ser uma adestradora de cães quando crescer. Se tivesse dinheiro, compraria um cavalo e um Pug.

Malásia

Beryl

Na Malásia, Segal fez uma bela foto de Beryl Oh Jynn, 8 anos, de Kuala Lumpur, em 25 de março de 2017.

O pai da garota é engenheiro, e sua mãe gerencia uma creche. Suas memórias afetivas mais antigas relacionadas à comida são mingau e bolo. Seu prato favorito, no entanto, é espaguete à carbonara.

Na varanda de sua residência em um condomínio, a família de Beryl cultiva bok choy (uma espécie de acelga chinesa) e espinafre. Refrigerantes são proibidos, e a menina se recusa a comer gengibre. No futuro, gostaria de ser líder de torcida.

Tharkish e Mierra

Tharkish Sri Ganesh, de 10 anos, e Mierra Sri Varrsha, de 8, também foram fotografados no subúrbio de Kuala Lumpur em março. Eles vivem com os pais em um bloco habitacional público em Bukit Jalil.

É a mãe que faz a maior parte das refeições das crianças, embora eles comam fast-food nos fins de semanas, como KFC e Pizza Hut. Mierra não gosta de carne e do sabor de sangue e prefere doces. A comida que lhe traz memórias afetivas é o mingau de arroz. Já Tharkish não gosta de cebolas, e seu prato favorito é o Puttu, uma espécie de arroz com coco coberto com bananas e açúcar de palma. Sua primeira lembrança de comida é uma espécie de mingau chamado de Urad Dal, comida comum para bebês na Índia feita de dal (um alimento à base de cereais, geralmente lentilha), arroz, coco, cardamomo e seiva de tamareira concentrada.

Mierra gostaria de ser médica no futuro, enquanto Tharkish se vê como um engenheiro de tecnologia da informação.

Siti

Siti Khaliesah Nataliea Muhamad Khairizal, de 9 anos, também vive em um subúrbio de Kuala Lumpur, com seus pais e 4 irmãos.

O momento de comer é cheio de regras: sua mãe cozinha e exige que ela recite a Du’a (oração muçulmana) e não beba água antes das refeições. Seu prato preferido é espaguete à carbonara e ela adora o cheiro de macarrão instantâneo frito.

Siti aprende mandarim em sua escola chinesa, além de tocar acordeão e praticar Taekwando.

França

Rosalie Durand, de 10 anos, foi fotografada em Nice no dia 18 de agosto de 2017. Seus pais são separados, e ela passa metade do tempo com cada um, às vezes próxima ao mar mediterrâneo e às vezes aos alpes franceses.

Sua dieta é variada, especialmente porque seu pai é dono de um restaurante. Ela come bastante peixe, como sardinha, e sabe fazer crepes, saladas e lentilha com linguiça (sendo esta última sua refeição favorita). Rosalie não gosta de ratatouille (um prato francês típico, recheado de legumes cozidos), espinafre e pepino.

A menina é fã de kickboxing, escalada, ginástica e truques de mágica, e gostaria de visitar a Hollywood Boulevard um dia.

Alemanha

June

June Grosser, 8 anos, foi fotografada em Hamburgo, na Alemanha, no dia 11 de março de 2017.

Sua refeição favorita é schnitzel (uma espécie de bife empanado). Ela não curte muito curry e trufas, e só agora começou a gostar de brócolis.

June adora seus cabelos, seus cílios longos e sua imaginação. Um de seus sonhos é ir para a lua, embora ela prefira focar em desejos que podem ser mais facilmente realizados. Ela quer ter um cachorro, mas seus pais não deixam.

Greta

Greta Moeller, 7 anos, também mora em Hamburgo com sua mãe e uma irmã mais nova.

Sua refeição favorita é peixe frito com purê de batata e de maçã. Ela detesta arroz doce. No caminho para a casa de seus avós, gosta de pegar castanhas que caem das árvores no outono.

John

John Hintze, de 7 anos, vive com os pais em um bairro muito calmo de Hamburgo.

Ele se descreve como um onívoro. Seu café da manhã usual é um cereal chamado musli e torradas. Entre suas refeições preferidas, estão a carne assada de sua avó e curry chinês com castanha de caju. John ama Fanta laranja, mas só pode tomar o refrigerante de fim de semana.

John gosta de colecionar minerais, nadar e velejar, e está aprendendo kickboxing. No futuro, quer ser um arqueólogo subaquático.

Itália

Andrea

Em Catania, na Itália, um dos modelos de Segal foi Andrea Testa, de 9 anos. O ensaio ocorreu em 23 de agosto de 2017.

Andrea vive com seus pais e sua irmã mais nova. É a mãe que cozinha suas refeições, e seu prato preferido é macarrão à carbonara com muito bacon. Ele detesta couve-flor.

Se tivesse dinheiro, Andrea compraria um drone e um cachorrinho. Quando crescer, quer ser médico porque eles ganham muito dinheiro.

Paolo

Paolo Mendolaro, de 9 anos, foi fotografado na Sicília em agosto de 2017 também. Sua família vive em uma pequena vila medieval chamada Belpasso.

É a mãe de Paolo que faz a maior parte da comida que ele consome, incluindo pratos sicilianos tradicionais, como espaguete alla Norma e cannoli. Uma vez por semana, a família encomenda frango assado ou sai para comer pizza, a refeição favorita de Paolo.

O avô do garoto tinha um jardim no qual ele ajudava a colher berinjela, abobrinha, pimentão, azeitona, morango, pêssego, tomate, ervilha e fava.

Durante a semana em que Paolo manteve seu diário de refeições, a família estava na praia, de forma que não seguiu um cardápio muito saudável, recorrendo várias vezes ao fast-food.

Se tivesse dinheiro, Paolo gostaria de ter um Play Station 4, um conjunto gigante de LEGO e fazer uma viagem de pelo menos uma semana com toda a família.

Emirados Árabes Unidos

Yusuf Abdullah Al Muhairi, 9 anos, foi fotografado em Dubai em 12 de agosto de 2018. Seus pais são separados. Sua mãe é na verdade irlandesa e conheceu seu pai quando foi para os Emirados Árabes Unidos para trabalhar como doceira.

Yusuf adora a comida de sua mãe. Também sabe fazer ovos mexidos e torradas sozinho.

Yusuf quer que sua mãe se case novamente e que ele tenha irmãos. Quando crescer, deseja ser piloto ou policial. Se tivesse dinheiro, compraria uma Ferrari.

Mais sobre “Daily Bread”

Uma das descobertas mais interessantes do projeto, como foi possível observar pela dieta e o histórico dessas 25 crianças, é que as crianças mais pobres costumam comer de forma mais saudável que as mais ricas, principalmente devido à uma dieta forte em legumes, frutas, sementes, grãos e peixe, com pouca carne vermelha e alimentos processados.

Além disso, Segal crê que as dietas têm ficado mais parecidas, mais “processadas” na maioria dos continentes. Por exemplo, no passado, uma dieta italiana teria sido mais diferente da americana.

Para saber mais sobre o projeto, acesse o website de Gregg Segal, sua página no Instagram ou compre seu livro. [TheBoredPanda]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (32 votos, média: 4,84 de 5)

Deixe seu comentário!