Células imortais coletadas em 1951 são usadas até hoje

Por , em 28.01.2010

celulas imortais henrietta
Clique para ampliar

Em 1951 uma negra estadunidense chamada Henrietta Lacks foi até o Hospital Johns Hopkins para receber tratamento para seu câncer cervical. Sem que ela soubesse, células de sua biópsia se tornaram disponíveis para pesquisas.

Henrietta morreu naquele mesmo ano, mas suas células continuam vivas até hoje. O material ajudou em várias pesquisas e uma cientista chamada Rebecca Skloot escreveu um livro sobre o impacto que as células daquela mulher tiveram na ciência. Para ver os detalhes dos avanços que as células de HeLa permitiram clique no infográfico acima (em inglês).

As células de Henrietta não são as únicas a terem uma vida incrivelmente prolongada. Abaixo você vê que as segundas colocadas são células de um embrião de rato, que já têm 35 anos. E o terceiro lugar vai para as células de uma mulher idosa, que sobreviveram até 15 anos após sua retirada.

Eu gostaria que ela pudesse saber dos grandes avanços que trouxe para a ciência. [Wired]

celulas imortais
Número de artigos científicos publicados

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 5,00 de 5)

11 comentários

  • Alberto Carvalhal Campos:

    Acho tudo válido em favor da ciência. Quando eu morrer, quero que usem meus restos, se possível, para experimentos diversos ou mesmo como alimento para outros animais. Quanto ao uso de células em vida, sou a favor que usem células, descartadas, minhas para experimentos. Afinal, o que são células? Nada tão importante. Graças a esta experiência adquirimos bons conhecimentos. Porque quando morremos enterramos o cadáver para apodrecer? Somos o único animal que não alimenta nenhum outro e nos alimentamos destes outros? Isto é um pensamento meio macabro, reconheço, mas dá para pensar nesta possibilidade. Se se convencionassem que a cremação era pecado? Seria lógico.

  • michel:

    e como é q até hj ainda usam as celulas dessa mulher??

    como assim, fizeram um estoque ou ficam esperando elas crescerem pra depois distribuir? mini-fazenda de celulas humanas??

    nem sei oq pensar…

  • Cesar:

    Gray, comparação horrível e desproporcionada. Não se compara retirar algumas células para biópsia e, depois da biópsia, em vez de descartar as células, utilizar as mesmas para experimentos científicos de injetar cimento no útero de meninas ou no escroto de meninos para estudar os efeitos da esterilidade, e outros experimentos horrendos feitos pelos médicos nazistas.

    É um despropósito a comparação, e um desrespeito com as vítimas do nazismo.

  • Gray:

    1951… Não foi muito depois da alemanha usar judeus de cobaias sem o consentimento deles, e ainda vivos

  • Cesar:

    Quando você faz uma biópsia para diagnóstico de um tumor, você se preocupa com as células que perdeu?

    Mas o questionamento é interessante, muitos estudantes de medicina aprendem a fazer medicina em cima de cadáveres de mendigos, que são depois solenemente ignorados depois do juramento de Hipócrates.

    É meio complicado indenizar os familiares da Henrietta por uma coisa que eles não fizeram, mas acho que as empresas farmacêuticas estão em débito moral com aquela mulher.

  • pessoa:

    coitados dos highlanders cancerígenos: iam sofre o tempo todo com perebas pelo corpo, mas nunca seriam curados pela morte…

    isso é triste, cara… ainda bem ki só são células!

  • Daniel:

    A ciência avançou, mas de uma maneira totalmente anti-ética. Henrietta Lacks morreu sem saber que serviu de cobaia.

  • Kelly:

    A família Henrietta Lacks só ficou sabendo do uso de suas células em 1975, e apesar das diferentes aplicações e inclusive da comercialização de alguns métodos celulares que envolvem o uso de células HeLa, nunca receberam um centavo….

  • César:

    Uma geração de highlanders cancerigenos \o/

  • Wesley:

    Denis Lima, isso não seria muito saudável pois as células removidas são de um câncer.

  • Denis Lima:

    Que tal usar o material genético da célula para fazer um clone?
    Uma raça de highlanders XD

Deixe seu comentário!