5 formas de reduzir exposição à toxinas em casa

Por , em 16.06.2011

É pai ou mãe de primeira viagem? Não se preocupe. Sabemos que você precisa de conselhos práticos para ajudá-lo a proteger seus filhos dos riscos de saúde desse mundo, muitas vezes ligados a substâncias químicas tóxicas encontradas dentro e ao redor de sua casa.

Especialistas ambientais e de saúde canadenses emitiram hoje uma lista das melhores maneiras de reduzir cinco fontes comuns de toxinas associadas com riscos para a saúde de crianças. Confira:

1 – Se livre do pó

“A poeira doméstica é a principal fonte de exposição da criança a substâncias tóxicas como chumbo, que, mesmo em níveis muito baixos, é conhecido por ser prejudicial ao cérebro em desenvolvimento”, disse Bruce Lanphear, especialista em saúde ambiental.

A poeira doméstica pode ser mantida à distância com um aspirador ou pano úmido, que têm que ser passados semanalmente na casa. É recomendado limpeza duas vezes por semana se você tiver uma criança engatinhando. Apenas varrer não é muito aconselhável porque circula o pó de volta para o ar.

Além disso, tirar seus sapatos na porta irá minimizar a quantidade de sujeira e produtos químicos potencialmente perigosos que você traz da rua. Livrar-se da desorganização e armazenar brinquedos em recipientes fechados também ajuda a reduzir os níveis de poeira.

2 – Produtos de limpeza ecológicos

Os especialistas recomendam que você mude para produtos de limpeza simples e não tóxicos. Bicarbonato de sódio pode ser usado para esfregar pias e banheiras, enquanto vinagre misturado com água funciona bem para a maioria das superfícies, incluindo janelas e pisos.

Os pesquisadores afirmam que água sanitária não é necessária para a maioria das tarefas de limpeza, e que purificadores de ar devem ser evitados. Para roupa, escolha detergentes sem perfume e evite usar secador, porque as fragrâncias dos produtos podem conter substâncias químicas potencialmente prejudiciais. Se quiser fazer “lavagem a seco”, procure um local que use métodos não tóxicos.

3 – Mantenha reformas sob controle

Projetos de renovação representam uma ameaça para crianças e mulheres grávidas, com poeira contaminante e vapores tóxicos de tintas, colas e etc., que podem causar danos neurológicos.

Todas as áreas de reforma devem ser isoladas do resto da casa através de plástico e fita adesiva, e aberturas de aquecimento e arrefecimento devem ser fechadas. Controlar a poeira é especialmente importante em casas construídas antes de 1978, porque sua poeira de reforma pode conter níveis elevados de chumbo.

As crianças e mulheres grávidas devem ficar longe de qualquer área de reforma para evitar a exposição a substâncias potencialmente nocivas. Se você está pintando, selecione tintas menos tóxicas, o mesmo para acabamentos e colas, comprando produtos rotulados como “sem VOC” ou com “baixo VOC”.

4 – Cuidado com plástico

Ignore rótulos que dizem que eles podem ir para o micro-ondas. Nunca coloque recipientes de plástico ou filme plástico no micro-ondas, pois eles podem passar substâncias químicas nocivas para alimentos e bebidas.

Os alimentos devem ser armazenados em recipientes de vidro ou de cerâmica ao invés de plástico, e os consumidores devem tentar comer alimentos frescos e congelados sempre que possível, para reduzir sua exposição ao bisfenol-A (BPA), produto químico usado em latas de comida e bebida. O BPA tem sido associado a uma ampla gama de potenciais efeitos na saúde, incluindo efeitos sobre o cérebro em desenvolvimento e perturbações das funções hormonais.

Também evite a compra de brinquedos, babadores, cortinas de chuveiro e outros itens que contenham PVC, um tipo de plástico macio comumente conhecido como vinil. Esses itens podem conter substâncias químicas nocivas, que foram proibidas de serem utilizadas em brinquedos em junho desse ano. Os especialistas aconselham o descarte de brinquedos velhos e mordedores feitos desse plástico.

5 – Diminua o mercúrio

O mercúrio, um metal que é tóxico para o cérebro, é encontrado em determinados tipos de peixe e marisco, incluindo atum e espadarte. Especialistas recomendam a escolha de peixes com pouco mercúrio, tais como cavala, arenque, truta-arco-íris, salmão (tanto selvagem quanto enlatado) e tilápia. As variedades de atum em conserva são mais baixas em mercúrio do que albacora ou atum-branco.

O Departamento de Agricultura dos EUA afirma que mulheres grávidas, mulheres que podem ficar grávidas, mulheres amamentando e crianças pequenas podem comer até 373 gramas de peixes com pouco mercúrio por semana.
Especialistas recomendam que você pergunte as autoridades locais se é seguro comer peixes capturados pela sua família e amigos em lagos, rios e zonas costeiras.[LiveScience]

CONTINUA EM “8 SUBSTÂNCIAS CANCERÍGENAS DO SEU DIA-A-DIA”

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

5 comentários

  • gloria:

    É o q digo sempre, prolonga=se a vida , mas, sem saúde!Mesmo porque somos meio de vida para funcionarios da saúde pública sem escrúpulos q trabalham cometendo todo tipo de contravenção no Sus roubando o dinheiro dos impostos, tirando nosso direito maior, a saúde. Que vivam muito os doentes! P\ q os tais possam ficar cada vez mais ricos!Nosso planeta está doente!Quem pode, viverá em uma redoma de vidro à prova de contaminação ,e quem ñ pode, q morra!Depois de sofrer bastante!

  • pablo:

    baboseira…
    daki a um tempo viveremos dentro de um ambiente de vidro, livre de qq bacteria, sem poder sair.
    pow vamos viver a vida sem mta frescura!

  • Ezio José:

    Alguém certa vez postou um belo pensamento nos espaços para comentários deste site que jamais esquecerei:

    Cientistas da organização mundial de saude advertem: viver pode trazer sérios problemas de saúde. Viver é tão tóxico que vai levar o usuario indúbitavelmente a morte.

    Bom! Não deixaria de comer carne vermelha em substituição ao peixe ou à ave. Não que não venha comer comer os dois últimos, porém, jamais fazer substituição. Para seguir todas as inúmeras regras de excessões criadas diuturnamente, nem se alimentado apenas da luz solar eu conseguiria, pois, também tem seus malefícios.

  • Jéssica:

    poxa…sempre esquento a mamadeira no micro-ondas…. =/

  • Yuri:

    Imperdoável! A crase representa que a preposição ‘a’ está unida a outro ‘a’. No caso de “5 formas de reduzir exposição à toxinas em casa” o segundo a seria um artigo que concordaria com o substantivo ‘toxinas’ em número, gênero e grau. Assim seria ‘às toxinas’ (preposição a+ artigo as)ou simplesmente ‘a toxinas’ (preposição a sem nenhum artigo). Deixar de colocar uma crase é um erro que pode ser confundido com distração, mas colocá-la onde não existe é imperdoável.

Deixe seu comentário!