50% de eficácia: vacina para malária muito próxima da realidade

Uma vacina experimental da GlaxoSmithKline reduziu pela metade o risco de crianças africanas contraírem malária, e pode se tornar a primeira vacina do mundo contra a doença mortal.

Os dados finais de um grande ensaio clínico foram divulgados na terça-feira e mostraram que a vacina protegeu crianças de cinco a 17 meses de idade na África contra a malária clínica e grave.

Os novos dados são os primeiros de uma fase final de testes clínicos realizados em 11 locais de sete países subsaarianos. O estudo ainda está em andamento, mas os pesquisadores que analisaram dados de 6.000 crianças descobriram que após 12 meses, três doses da vacina conhecida como RTS, S ou Mosquirix reduziram o risco de crianças contraírem malária clínica e grave por 56% e 47%, respectivamente.

Resultados em bebês com idades entre seis a 12 semanas são esperados no prazo de um ano e, se tudo correr bem, a GSK acredita que a vacina pode chegar ao mercado em 2015.

Na África, a doença transmitida por mosquitos mata centenas de milhares de crianças por ano. A redução pela metade desse número seria muito importante.

Embora saudando uma conquista sem precedentes, cientistas e especialistas em saúde mundial ressaltam que a vacina não é uma solução rápida para a erradicação da malária.

A nova vacina é menos eficaz contra a doença do que outras vacinas são contra infecções comuns, como a poliomielite e sarampo.

“Gostaríamos de poder eliminá-la, mas acho que a vacina vai contribuir para o controle da doença, em vez de destruí-la”, disse Tsiri Agbenyega, pesquisador principal nos ensaios de RTS, S, em Gana.

A malária é causada por um parasita na saliva de mosquitos. A vacina RTS, S é projetada para ativar quando o parasita entra na corrente sanguínea humana após uma picada de mosquito. Ao estimular uma resposta imune, pode impedir que o parasita amadureça e se multiplique no fígado.

Sem a resposta imune, o parasita volta para a corrente sanguínea e infecta as células vermelhas do sangue, levando a febre, dores no corpo e em alguns casos, morte.

A malária é uma doença endêmica em cerca de 100 países e matou cerca de 781.000 pessoas em 2009, segundo a Organização Mundial de Saúde.

Medidas de controle tais como mosquiteiros tratados com inseticida, pulverização e uso de combinação de medicamentos antimalária têm ajudado a reduzir significativamente o número de casos e mortes da doença nos últimos anos, mas os especialistas disseram que uma vacina eficaz é vital para completar a luta contra a malária.

Mas para oferecer RTS, S para crianças africanas que ainda precisam é necessário um esforço de financiadores internacionais como a Fundação Gates, que ajudou a pagar para essa pesquisa. Especialistas em saúde disseram que a vacina deve ser barata o suficiente para ser rentável, ou seja, de um preço tão baixo quanto possível.

A empresa já havia dito que iria cobrar apenas o custo de fabricação mais 5%, que seriam reinvestidos em pesquisa de doenças tropicais, pois eles não desejam fazer dinheiro com esse projeto. No entanto, as ações de Agenus, pequeno parceiro de biotecnologia da GSK, subiram mais de 40% após a notícia do resultado do ensaio clínico.[Reuters]

Por: Natasha RomanzotiEm: 19.10.2011 | Em Bem-estar, Principal  | Tags: , , ,  
Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Curta no Facebook:

Deixe uma resposta