Adolescentes que “respondem” e brigam pela sua opinião são menos propensos a cair em pressões sociais

Por , em 22.12.2011

Segundo um novo estudo, adolescentes que “respondem” para a mãe, e costumam expressar seus pontos de vista, são menos propensos a serem influenciados pela pressão dos colegas e acabar “indo com a maré” e fazendo coisas que normalmente não fariam.

Este tipo de argumentação produtiva – no qual o adolescente tenta convencer sua mãe ou pai com argumentos fundamentados -, em vez de fazer pressão, choramingar ou insultar, parece influenciar as interações do adolescente com os seus colegas também.

“A autonomia saudável estabelecida em casa parece transitar nos relacionamentos com os colegas”, disse o pesquisador do estudo, Joseph Allen.

Mesmo que a mãe e o adolescente discordem, o forte apoio da mãe também é de importância fundamental para que o adolescente resista à pressão dos colegas.

“Pode ser que os adolescentes que tenham capacidade de se apoiar em suas mães quando estressados sejam menos propensos a acabar se sentindo excessivamente dependentes de seus amigos mais próximos, e, portanto, menos propensos a serem influenciados pelo comportamento desses amigos, quando este é negativo”, comentou Allen.

Os pesquisadores entrevistaram 184 alunos de sétima e oitava séries do ensino fundamental de populações urbanas e suburbanas nos EUA.

Os adolescentes responderam a perguntas sobre uso de drogas e álcool, amizades e aceitação social. Também discutiram ou argumentaram com suas mães sobre um assunto que levou a desacordo, sendo observados em laboratório. As discussões envolveram coisas como dinheiro, notas e regras da casa.

Os pesquisadores analisaram os dados para ver quais características de um adolescente o tornavam mais ou menos capazes de resistir a pressão dos colegas.

A autonomia dos adolescentes, ou o quanto eles eram independentes e o quanto seus pais confiavam neles para tomar suas próprias decisões, pareceu desempenhar um papel importante na forma como eles reagiram quando lhes ofereceram drogas.

Se um adolescente tinha experiências em casa em que ele ou ela tinha apresentado autonomia com sucesso (independência e capacidade de manter seus valores se alguém os desafia) e se sentia apoiado por sua mãe, era mais propenso a relatar resistência a pressão dos colegas.

Os amigos também influenciavam. Se os melhores amigos de um adolescente usavam drogas e/ou álcool, um particularmente sem muita autonomia era mais propenso a adquirir o hábito, especialmente de um amigo que era popular.

“Os adolescentes carentes de tais habilidades são mais propensos a mudar o seu nível de uso de substância ao longo do tempo de acordo com o nível de seu amigo mais próximo”, explicam os pesquisadores.

Segundo os cientistas, não podemos subestimar a importância da influência dos grupos sem contar com a probabilidade de que ela é mais forte e mais aplicável a alguns adolescentes do que a outros.

A boa notícia é que a influência ocorre dos dois lados: se o amigo de um adolescente suscetível usa pouca droga ou álcool, esse adolescente é menos propenso a aumentar seu nível de consumo ao longo do tempo. Adolescentes suscetíveis podem ser tão suscetíveis a influências positivas de seus amigos, quanto influências negativas.[LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

13 comentários

  • Sofia:

    È obvio que quem tem uma personalidade questionadora, e que sabe se impor perante a socieade, não aceita as coisas passivamente e não se torna um(a)‘Maria vai com as outras’.Pena que os pais autoritarios, não aceitam que os filhos defendam suas ideias, opondo-se contra a opinião deles,e isso não é ser respondão, simplesmente temos o direito de exercitar nossa liberdade de expressão, mas da maneira certa com educação e respeito perante os nossos pais.

  • Thiago moreira:

    Adolescentes que questionam e debatem com pais e amigos, quando adultos se tornam muito mais criticos e sao mais preparados para a vida la fora, e dificilmente voce vai ver eles sendo influenciados por outras pessoas e os verdadeiros amigos e os proprios pais os admiram por isso. Expor o seu ponto de vista e defender ele sem desrespeitar o outro é sempre um negocio saudavel.

  • Thiago moreira:

    Adolescentes que questionam e debatem com pais e amigos, quando adultos se tornam muito mais criticos ao sistema e a sociedade e sao mais preparados para a vida la fora, e dificilmente voce vai ver eles sendo influenciados por outras pessoas e os verdadeiros amigos e os proprios pais os admiram por isso.

  • angélica:

    ninguém te leva para o mal caminho,as amizades de hoje em dia são assim se vc fizer isso vc é meu amigo se nao fizer nao é mais meu amigo, isso é ridiculo,nao respondo minha mãe eu argumento é diferente as vezes ela concorda comigo e aceita a minha opinião,sei respeitar e sempre tive opinião própria

  • Allan:

    Não sou de responder minha mãe mas quando discordo dela e tendo eu a razão vou até o fim mesmo se ela não aceitar… não dou muito valor a amigos, pra mim tanto faz ter ou não ter, sou daqueles que conservo a relação mas se não der certo não vou morrer por causa disso… já dizia a Bíblia: “as más conversações, corrompem bons costumes…” Se meus colegas quiserem me propor algo de errado jamais concordarei e sim me afastarei deles, não perdendo a amizade, mas sim não me envolvendo mais com eles.
    Sabemos o certo e o errado, não sejamos influenciados por babacas alheios por ai….

  • Ezio José:

    Enquanto um filho estiver sob o teto de uma família recebendo o que comer, beber, vestir e estudar deve respeito e deve guardar seus questionamentos para suas meditações e pô-lo em prática fora donde seu ninho lhe assegura sua sobreviência.
    Quando quiser encontrar a sua liberdade de expresão ilimitada, então, procure lebertar-se de todas dependências materiais que lhe aaseguram as condições em que vive. Vá morar sòzinho ou numa república e custear a própria vida. Al, sim, seu mundo é mais amplo.

  • Milena Karla:

    Eu sou muito decidida,mas não respondo minha mãe não. Respondo meu pai e amigos quando eles não tem razão. E realmente nunca vou pela cabeça de ninguém. E sempre me lembro do texto da bíblia que diz que más companhias estragam hábitos úteis.

  • Gustavo Augusto:

    Excelente estudo, é mais do que evidente que as pessoas mais questionadoras não se comformam com os valores estabelecidos da sociedade.
    Moralismo e bons costumes é quase sempre desculpa pra controlar a opnião e a liberdade de pensamento das pessoas.

  • MIG10:

    Não se deixem enganar: “As más companhias corrompem os bons costumes” 1Co 15:33
    Tudo é uma questão de visão…

    • aline:

      não concordo. pessoas influenciáveis e de carater fraco podem ser influenciadas por mas companias. pessoas firmes em suas convicções não. meus colegam e minhas amigas bebem e eu não, minha mae fez historia, musica e pedagogia sem nunca experimentar maconha, meu namorado é o primeiro da familia a fazer faculdade (e não é apoiado para isso).
      A influencia das companias é uma tendência, mas não uma regra.

  • ALX:

    Acho que sou assim, então pura bobagem isso gente, acredite quem quizer. Se um colega me xama pra um lugar que eu num to afim não vou mesmo, agora se eu tiver afim no momento e for agradavel vou sem pensar. Acho que todos são assim!

  • CASTOR:

    meu pai me ensinou 3 coisas …

    1 – respeito é a lei

    2 – minha mãe me manda enternamente até a morte

    3 – 1 soco vale mais do que 1000 palavras

    eu acho que um adolescente criado assim não iria na cabeça de “amigo” fdp nenhum … eu nunca fui pelo menos

    • Rita:

      concordo acima de tudo!!! Verdade…

Deixe seu comentário!