Alguns cérebros são melhores do que outros para aprender idiomas?

Por , em 22.03.2012

Em seu tempo livre, um garoto americano de 16 anos aprendeu sozinho hebraico, árabe, russo, suaíli (uma das línguas oficiais do Quênia), e uma dúzia de outros idiomas.

Teria Timoty Doner alguma capacidade especial? Mesmo que não esteja totalmente claro o nível de fluência do garoto em qualquer das línguas estudadas, poliglotas como ele certamente parecem diferentes da maioria das pessoas, que fala uma, talvez duas línguas.

Existe algo único em certos cérebros, que permite que algumas pessoas falem e entendem mais línguas do que o resto de nós? Segundo os especialistas, a resposta pode ser “sim”, “não” e “é complicado”.

Algumas pesquisas apontam que, para certas pessoas, os genes podem “preparar” o cérebro para ser bom em aprendizagem de línguas. Os estudos estão começando a identificar algumas regiões do cérebro que são um pouco maiores ou mais eficientes em pessoas que se destacam em línguas.

Para outros cientistas, porém, é mais uma questão de ser determinado e motivado o suficiente para aguentar o estudo puxado necessário para aprender novas formas de comunicação.

“As crianças fazem bem o que elas gostam”, disse Michael Paradis, um neurolinguista da Universidade McGill, em Montreal, que comparou aprender uma nova língua a aprender a tocar piano, praticar esportes ou qualquer outra coisa que requer disciplina. “Pessoas que amam matemática são boas em matemática. Timoty ama línguas e está indo bem em línguas”.

Segundo Paradis, este é apenas um caso extremo de um princípio geral. “Se você praticar e ter uma grande dose de motivação para um determinado domínio, você vai ser capaz de melhorar nesse domínio para além dos limites normais”, disse.

Crianças muito jovens são muito boas em aprender várias línguas ao mesmo tempo. Elas serão melhores em pronunciação porque podem desenvolver vários “sotaques” na língua. E daí, na idade adulta, todas as línguas aprendidas ficam “no seu próprio canto” no cérebro, sem interferir umas com as outras – ao contrário de alunos mais velhos que podem ter problemas em se lembrar de uma segunda língua quando começaram a aprender uma terceira.

A idade e os idiomas

Com a idade, porém, não só fica mais difícil aprender novas línguas, como pode até haver estágios de desenvolvimento para além do qual certas nuances da língua simplesmente se tornam inacessíveis.

Com a idade de 9 a 12 meses, por exemplo, os bebês começam a perder a capacidade de distinguir entre sons que não são usados em sua língua nativa. Após cerca de 4 anos de idade, a maioria das pessoas nunca vai ganhar uma compreensão verdadeiramente profunda sobre a morfologia de uma segunda língua, que se refere às regras que determinam como as palavras são formadas a partir de unidades linguísticas.

Após 7 anos de idade ou mais, o cérebro começa a prestar mais atenção ao que está aprendendo, o que afeta o tipo de memória que as crianças usam para entender línguas.

E para além da puberdade, torna-se improvável que alguém seja capaz de falar um novo idioma sem ter um sotaque estrangeiro (embora Doner seja impressionante nesse campo, o que pode refletir um cérebro que demorou mais para amadurecer). Não parece haver nenhum ponto de corte para a aprendizagem de vocabulário.

Linguagem e cérebro

Por mais de um século, os cientistas sabem que existem áreas-chave do cérebro, no córtex exterior do hemisfério esquerdo, conhecidas como área de Broca e área de Wernicke, que são críticas para aprender a falar e compreender a fala. Há também muitas outras áreas em todo o cérebro que processam a linguagem.

Genes, neurotransmissores e regiões cerebrais envolvidas em memória de longo prazo também desempenham um papel. E um número de diferentes estruturas provavelmente entra em jogo quando as pessoas falam uma segunda língua quando comparado a falar sua primeira língua.

Isso explicaria por que os danos cerebrais do mal de Parkinson, Alzheimer ou outros distúrbios que afetam áreas específicas do cérebro podem prejudicar apenas a língua nativa, ou apenas uma língua que foi aprendida mais tarde na vida, deixando a outra intacta. O envelhecimento também pode destacar um sotaque que antes era imperceptível.

Somente nos últimos anos os cientistas começaram a se concentrar em regiões do cérebro que parecem importar mais em ajudar poliglotas a desenvolver suas habilidades impressionantes.

Em um estudo de 2008, por exemplo, os pesquisadores descobriram melhores habilidades de aprendizagem de línguas em estudantes universitários com maior giro de Heschl, uma área do lado esquerdo do cérebro que processa afinação. Mas essa conclusão só se aplica a aprendizagem de línguas tonais como o mandarim.

Em outro estudo, publicado no ano passado, cientistas descobriram que os alunos bons de línguas tinham grande conectividade na substância branca do córtex auditivo, que faz parte da rede de linguagem.

No entanto, mesmo que pesquisas revelem indícios biológicos no cérebro de quem pode ser um melhor poliglota, ninguém está completamente fadado a ser bom ou falhar em línguas.

Nossa biologia pode simplesmente determinar qual a estratégia que devemos usar para aprender novos dialetos. Uma vez que as pesquisas encontram os preditores, as pessoas podem saber qual o tipo certo de programa de treinamento para si, para aprender novas línguas.

O campo de neurolinguística ainda é novo e, por enquanto, o processo de aprendizagem de línguas no cérebro permanece cheio de segredos.[MSN]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

22 comentários

  • Fernando Ferreira:

    Um português aprenderá espanhol ou italiano facilmente, não aprenderá russo, alemão e muito menos húngaro com a mesma facilidade.

  • fred perin:

    Para os que gostam de vários idiomas há o http://www.idiomafacil.com.br

  • Renan Oliveira:

    Dizem que o mandarim(Chinês) é o idioma mais difícil do mundo, mas não existe idioma fácil nem difícil. Depende da dedicação do estudante. Mesmo sendo o mandarim por exemplo: Uns vão pegar com mais facilidade, outros vão pegar com mais dificuldade, vai de pessoa pra pessoa.

  • Adilson Lombardi:

    Olha tenho que discordar de certos comentários…é possível sim aprender um idioma SUPER rápido. Aprendi o inglês em seis meses e em um ano e meio eu era FLUENTE. E falo mais 6 idiomas, e não é necessário ter um gene miraculoso. Quer um segredo: Tenha perseverança,CONSISTÊNCIA(constância nos estudos) ame o que esta fazendo, e mergulhe no idioma que está estudando. Aliás, sei do que estou falando sou Professor.

  • Igor.R:

    Aonde eu arrumo m material bom para estudar Hebraico, alemão, russo, arabe etc etc?

    Não me venham com essa hipocrisia de falar em vocação para línguas, não é todo lugar que existe alguem para te ensinar, ou até mesmo voce aprender uma língua dessas, a não ser que voce seja uma pessoa que só vive para estudar, e tem dinheiro para investir nisso.

    Fala-se em tempo, mas exige-se dedicação exclusiva para tal lingua? Eu por exemplo não acho difícil aprender uma língua por mês, desde que se tenha tempo disponível para isso.

    Fora o fator financeiro, o curso de alemão na minha cidade custa 150 ~200 reais o mais barato, agora me pergunto se existe tempo, dinheiro e disponbilidade para isso.

    É muito fácil dar uma explicação superficial sobre as coisas, é o que estão fazendo, justificando as facilidades de alguns poucos sem levar em consideração “n” fatores.

    • Tatiane Rodrigues Dos Santos:

      Tem um curso online que é busuu.com, ele é gratuito e muito bom!

  • Maya Samanta:

    É claro que tem haver com a estrutura do cérebro, tem pessoas que nem com reza aprendem matemática por exemplo, senão por dedicação e empenho um cachorro também aprenderia línguas ou de tanto ouvir os outros falarem como as criânças ¬¬

    Esforço conta, como diferêncial entre os mesmos tipos de talentosos, mas comparada a pessoas comuns é o talento que é o diferêncial

    KKKK mas eu nem acho que aprender línguas é crucial, é importante sim e essencial na sociedade, mas comparado a outras habilidades o brilho desta é fácilmente ofuscado ¬¬

  • gloria:

    Nada de esplendido no caso desse menino americano, ele aprendeu porque teve boa vontade e estudou p\ isso, minha filha estudou Linguistica , É doutora em Portugues, escreve traduz e fala Latim, tem dois livros lançados fala escreve, conversa e traduz Italiano corretamente, é professora de Ingles, tem conhecimento de Russo, grego , e espanhol, e ainda toca violino, durante um longo tempo tocou viola erudita, sabe ler e ensinar notas musicais, onde está o extraordinario disso , o talento é 2% o resto e estudo e dedicação.

  • catt:

    Aprendi Italiano, mas me esqueci de quase tudo…acho que meus genes se esqueceram de mim!!!!!!!!!

  • Victória:

    Agora entendo porque sou boa em japonês e inglês!é muito fascinante aprender novas línguas!

  • Lyn:

    Achei super interessante a matéria, até por que isso se aplica a mim. Tenho 16 anos e entendo inglês, espanhol e italiano sem ter feito nenhum curso.

  • Igor:

    Interessante a materia, eu sou uma pessoa que tem interesse em aprender inglês, e também tenho facilidade para aprender palavras novas, tai a explicação… rs
    Mas é uma pena que, com o tempo, fique mais difícil aprender novas línguas… mesmo assim, não é motivo pra desanimar, não é!?

  • Daniel:

    É e como 90% dos Brasileiros ainda falo mal o Portugues!!!KKKK

  • alx:

    TUDO É QUESTÃO DE QUERER E PRATICAR… EU NUNCA QUIZ APRENDER E NÃO QUERO PRATICAR KKKKKKKKKKKKKKK, PREFIRO USAR O GOOGLE TRADUTOR MESMO KKKKKKKKKKKKKKKK! EVERYTHING IS MATTER OF PRACTICE AND WANT … QUIZ I WILL NEVER LEARN AND DO NOT WANT TO PRACTICE KKKKKKKKKKKKKKK, I PREFER TO USE GOOGLE TRANSLATOR KKKKKKKKKKKKKKKK SAME!
    كل شيء هي مسألة الممارسة وتريد … لغز أنا لن تعلم و لا تريد لممارسة KKKKKKKKKKKKKKK، أنا يفضلون استخدام GOOGLE KKKKKKKKKKKKKKKK المترجم نفسه!

    エヴリシング·プラクティスの問題であり、たい…私は学習しないし、KKKKKKKKKKKKKKKを練習したくないクイズ、私は、同じGoogleの翻訳KKKKKKKKKKKKKKKKを使用することを好む!

  • rschueri:

    aprendi alemão em 1 ano, 6 meses de Italiano, o inglês demorei um poco, mas n lembro quanto e o japonês que ja estou no final do curso (provável que eu termine tendo estudado 3 anos)

  • Elton:

    Eu não sou vaidoso, mas por que esse sentimento de inveja dele me comendo por dentro??

    =/

  • Dangelo Maciel:

    Aprendi inglês em 6 meses, Francês em 7, Espanhol em 2 e partindo para o alemão… Além de entender bem o italiano, mas, não falo!
    No meu caso, tive que viver no país para aprender e aperfeiçoar a língua, se estivesse no Brasil estudando, nada disso seria possível!

    • AgoraQueSouRica:

      Obrigada , agora voce fez eu me sentir uma retardada ….srrsrsr

    • Elton:

      Tadinha!
      xD

    • Gideon:

      Estou bastante cético quanto a veracidade da informação contida neste comentário.
      Aprender um idioma não significa somente entender parte do que está sendo passado, mas compreender o funcionamento e a semântica por trás da gramática bem como a construção desta mesma (que é diferente em qualquer idioma).
      Aprender um idioma significa que você entende, fala e escreve corretamente e é capaz de argumentar de forma precisa e coerente dentro de assuntos complexos!
      Francês em 7 meses? Aham, Tá…

  • AgoraQueSouRica:

    Demorei quase 7 anos para aprender frances morando na França , agora ficou explicado a culpa nao é minha , é dos meus genes !!!!srrsrsrs

    • Dangelo Hersmdorff:

      Gideon,
      Sim, quando digo que aprendi nas referidas datas acima, me refiro a exatamente o que vc diz. Há quem não consegue aprender idiomas e é bom em matemática, por exemplo, já eu sou o contrário.
      Mas também creio que deverá ter um maior interesse por parte da pessoa que quer aprender o idioma.
      Desculpe por responder 2 anos depois, só hoje que vi que isso tava pendente. haha

Deixe seu comentário!