Alimentos orgânicos fazem bem apenas para os vendedores

Por , em 11.08.2008

Uma nova pesquisa publicada na revista científica Journal of the Science of Food and Agriculture mostrou que não há evidência que apóie o argumento que comida orgânica é melhor do que alimentos cultivados com pesticidas e adubos químicos.

Muitas pessoas pagam bem mais caro por alimentos orgânicos por acreditarem que eles possuem maior valor nutricional. Mas uma pesquisa realizada por Susanne Büngel e colegas da Universidade de Copenhagen mostra que não há evidência clara que apóie esta afirmação.

O estudo se deteve na retenção de minerais e traços de elementos químicos em animais que se alimentaram estritamente de vegetais comuns nas listas de compras da maioria das famílias (cenouras, repolho, ervilhas, maçãs e batatas) procedentes de três métodos de cultivação diferentes.

Os vegetais foram cultivados utilizando o mesmo tipo de solo em campos adjacentes ao mesmo tempo, portanto passaram pelas mesmas condições climáticas. Todos os tratamentos e colheitas foram feitos ao mesmo tempo. Os vegetais orgânicos foram plantados em solo orgânico.

Depois da colheita os resultados das análises não exibiram diferenças nos níveis de nutrientes e traços de produtos químicos nos vegetais cultivados.

Animais foram alimentados com os produtos destas plantações por dois anos. Foram medidos os níveis de ingestão de vários minerais e traços de elementos na excreção. Mais uma vez os resultados não exibiram diferenças na retenção de elementos não importando o método de cultivo.

O estudo não apóia a crença de que alimentos cultivados de maneira orgânica contenham, de maneira geral, mais nutrientes ou traços de elementos do que alimentos produzidos de maneira convencional.

As plantações modernas utilizam produtos químicos – para controlar a erva daninha, infestações e doenças – testados extensivamente e são rigorosamente regulamentados. Uma vez no solo, os minerais e nutrientes de fertilizantes naturais e artificiais são quimicamente idênticos. Alimentar-se de vegetais orgânicos é uma escolha de estilo de vida para aqueles que podem pagar por eles.

É melhor para saúde?

Sim, nós comsuminos pesticidas contidos nos vegetais produzidos tradicionalmente, porém são quantidades minúsculas e não existem evidências concretas de que eles causem efeitos negativos no organismo. Portanto, se você come orgânico porque tem medo de pesticidas também deveria cuidar com o uso do telefone celular.

É mais saboroso?

Estudos científicos negam que a afirmação generalizada “comida orgânica é mais saborosa” seja verdadeira e cada produto deve ser considerado separadmente antes que qualquer afirmação seja feita. [ScientificBlogging, Ingenta]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (4 votos, média: 2,00 de 5)

22 comentários

  • mirla:

    eu adoro legumes como batata cenoura repolho tomate pipino alfase etc. >>>

  • Moreira:

    É verdade. Os agrotóxicos são “rigorosamente regulamentados”. Mas querer que se conclua com isso que o controle – principalmente no Brasil – existe, é no mínimo muita cara-de-pau. A quem esse blog – que visito pela primeira e última vez – serve?

  • ADRIANE:

    Apesar de ler esta matéria somente agora, é óbvio que este estudo foi finaciado por algun grande grupo que monopoliza seja os estudo cietíficos, genéticos e por sua vez o maior produtor de PESTICIDAS do planeta. Acontece que a agricultura orgaânica nunca irá suprir a necessidade dos alimentos no PLANETA. Esta é uma realidade irrefutável! Mas se engana quem pensa que alimento orgânico é tão mais caro. O fato é que somos um povo sem cosnciência de maneira geral.

  • EDILENE:

    Estou concluíndo o curso de quimica e o tema de minha monografia sera agricultura orgânica, gostei muito dos comentários tanto de um lado como o do outro, quem possuir materiais que falem a respeito me ajudem… Enviem para o meu email. edylene04@gmail.com

  • marcos fidelis:

    Para mim produto organico nunca foi mais nutritivo que o cultivado com agrotoxicos, e sim mais limpos, pois como sabemos a cada dia os produtores estao aumentando os agrotoxicos usados em suas lavouras para obterem uma maior produtividade e com isso lucros maiores. A respeito da pesquisa acima, deveria ter sido feita da seguinte forma; durante dois anos os pesquisadores vao comprar os produtos para alimentar os animais, em feiras e supermecados tantos os produtos organicos e os nao organicos so assim saberemos realmente os benficios de um e de outros. Pois como ja disse, hoje ha o uso de agrotoxicos esta muito acima do permitido.

  • André:

    Em casos de pesquisa claramente encomendadas como esta, é claro que só se pesquisa o que interessa – O problema dos alimentos com agrotóxicos não é o que eles tem a menos que os orgânicos, e sim o que eles tem a mais – que importa se a quantidade de nutrientes é igual se com um deles você está se envenenando também?

    Quem acha que os transgênicos dispensam agrotóxicos não se informou bem a respeito deles.

    Na verdade, o que muitos deles são é mais resistentes a produtos químicos. A soja da Monsanto, por exemplo, é mais resistente ao herbicida da Monsanto, o que permite que o “agricultor” use mais herbicida (de um tipo especialmente tóxico, que o operador tem que se vestir como um astronauta para não ser intoxicado por ele) e assim elimine mais facilmente as ervas-daninhas sem danificar a planta. Como resultado, não só a soja fica ainda mais carregada de herbicida como há maior contaminação da Natureza e do lençol freático. E por se tratar de um herbicida, pode comprometer a flora ao redor da plantação…

    • Álvaro Gonçalo Rodrigues:

      Sou engenheiro Agrônomo e considero perfeito o comentário do André. Custo acreditar que uma revista científica conclua ” que não há evidência que apóie o argumento que comida orgânica é melhor do que alimentos cultivados com pesticidas e adubos químicos.” Só pode ser totalmente tendenciosa a conclusão que alimentos com resíduos de pesticidas são saudáveis!

  • nômade:

    ó, é o seguinte, o assunto é muito interessante, porém só gostaria de lembrar, até sobre o fato citado pelo flávio, de que é mais caro por se necessitar mais mão de obra, lembrar que a alguns anos atrás, o agricultor usava a enxada, e não cobrava mais caro por isso, na verdade passou a cobrar mais pelo fato de se estar gastando com pesticidas, e agora cobra mais por não utilizá-los.
    creio que se esqueceram de como se trabalha de verdade.
    é chocante né?
    pois é, muitos usam venenos na lavoura, para se ter mais tempo de nada a fazer.

  • João Felix:

    É preciso que o assunto seja visto e revisto. O agronegócio vem crescendo a cada dia, e logicamente há um grande interesse financeiro por trás destas pesquisas. No Brasil a legislação em vigor vem referendo todo o manejo sobre produtos orgânicos, o qué ou não nocivo não pode ser somente preocupação todo mundo científico, mais de todos nós. Produtos oferecidos no mercado oferecido por pequenos agricultores são uma parcela importante e que vem sendo relegado em muitas pesquisas, pois esses produtos, sem as vezes, com nenhuma tecnologia são beneficiadas por grande empresas e que vem superfaturando e colocados no mercado, esmagando o pequeno produtor, sem lhe ´dar os créditos justos, por tanto, tais pesquisas não devem ser preocupantes pois a população vem a cada dia se questionando e conscientizando sobre o que é ou não saudável. Os comentários do “Ricardo” já iz tudo.
    João

  • Prefiro Não Arriscar:

    Dois anos acho muito pouco para concluir sobre o acúmulo desses elementos em animais! Uma vez, há muitos anos, eu e minha família passamos mal por termos ingerido uma salada de tomates nos quais havia excesso de agrotóxicos. Meu pai foi parar no hospital! Resultado: desde que surgiram alimentos orgânicos, prefiro optar por eles.

  • Diego:

    Se alguem conhece a teoria da TROFOBIOSE nao faria esses comentarios. Me assusta uma pesquisa como essa nao encontrar diferencas na composicao dos alimentos, prinicipalmente aminoacidos.
    Qual o comentarios de vcs?

  • ricardo:

    Prezados,
    A grande polêmica gira em torno do que de fato é um alimento. Se a avaliação considerar massa nutricional, estrutura química e capacidade de sintese de proteína, está tudo certo, produtos convencionais, trangênicos ou orgânicos atenderão a este fim. Mas creio que a questão básica seja a seguinte: Se o corpo exprime a totalidade do que consome, alimentos contaminados com pesticidas serão parte significativa dessa expressão e como bem diz o Gilberto, com o passar dos anos tende a ser mais expresiva essa manifestação ( há estudos que ligam o uso de 2,4D nas pastagens ao Alzeimer, doença moderna) estamos falando da biomagnificação; Se esses alimentos para serem produzidos gerarão um passivo ambiental – e necessariamente todos geram- então os orgânicos são os menos prejudiciais; por ouro lado se a falta de alimentos está ligada ao uso de tecnologias modernas, saibam que os agricultores que mais produzem (pequenos e médios) não tem acesso a estes produtos e quando tem, os usam quase sempre de forma irregular, neste quesito estou com o Marcos: Dois terços do que se produz é desperdiçado; e para finalizar é fato que os alimentos orgânicos são um luxo para os habitantes dos grandes centros, por isso seria muito saudável que ficassemos melhor informados sobre a sua verdadeira importância, pois somente o consumo consciente pode melhoras os custos e como existem pesquisas compradas pelas grandes industrias, há também produtores de orgânicos que somente querem grana e assim acaba dando no mesmo. Produzir alimentos como um todo é um assunto da maior importância, para o qual temos sido negligentes, não sabemos o que comemos, esta é a triste verdade.
    Uma maior dose de bom senso é um item que está faltando em nossas cestas de compras.
    abraço,
    Ricardo

  • tiago:

    Bom eu sou acadêmico do curso de agronomia, e na faculdade estudamos bastante essa questão do uso de agrotóxicos. E a grande maioria dos produtos aplicados nas lavouras são prejudiciais aos serem humanos e de alto risco, além de contaminarem o solo e o lençol freático, por isso, se trabalha na questão do cultivo de alimentos orgânicos, além disso, os produtos orgânicos eles são mais caros por que eles exigem mais mão-de-obra (é substituido os pulverizadores por funcionarios, gerando asim mais empregos).

    E só complementando uma observação anterior, não adianta deixar a alface de molho na agua com uma colherzinha de quiboa, por que não vai eliminar os agrotóxicos presentes na folha, e além disso a parte mais nutritiva das frutas é a casca que concentra a grande maioria dos flavonóides e pectinas. Então quando você tira a casca fora por causa dos agrotóxicos você está jogando a parte mais importante da fruta.

    Se fosse respeitadas as recomendações de aplicação e dosagem de agrotóxicos, os riscos “seriam menores” (o que não exclui o risco), só que a grande maioria dos produtores ou desconhecem essas recomendações ou não respeitam elas achando que se aplicar o dobro do produto o efeito dele será maior. (e dai que surge as super pragas e super plantas daninhas tolerantes a boa parte dos produtos quimicos)

  • Haroldo Gertners:

    No mundo atual, alimentos orgânicos são um luxo para poucos, é o mesmo que comer frango sem hormônio …….se correr o bicho pega se ficar o bicho come………..a sugestão dos transgênicos e melhor pois existe a possibilidade real de alimentos que dispensem os agrotôxicos……

  • Marcos:

    Acredito que a falta de alimentos para a sociedade mundial é relacionada ao desperdício.

    E se para nos proteger desse agrotóxico residual devemos desperdiçar alimento, esse “luxo” de consumir orgânicos (ambientalmente mais corretos)
    realmente dá mais pontos ao último tipo citado. O que não influenciará significativamente no nosso bolso.

    Lembrando também que têmos direito de reivindicar subsídios governamentais para tais produtos.

  • COMO PREPARAR:

    Boa idéia Felippe. Conheci um executivo que trabalhava com agrotóxicos e ele disse que a esmagadora maioria do agrotóxico residual fica na casca ou na parte externa dos alimentos.

    Portanto as folhagens devem ser muito bem lavadas e preferencialmente as mais externas devem ser jogadas fora.

    Os alimentos com casca que se comem inteiros devem ser muito bem lavados também e consumidos preferencialmente sem casca.

    Outro alerta que ele me deu é: “eu não como tomate ou morango”. Ele explicou que, como são alimentos muito perecíveis tem produtor “espírito de porco” que borrifa o “veneno” diretamente na caixa logo antes do produto embarcar.

  • Felippe:

    combinava bem com essa noticia as dicas pra consumir de maneira segura os que tem uso de pesticidas =)

  • celso cezário:

    Dois anos de pesquisa apenas, para fazer uma afirmação científica dessa relevância é pouco! Pegue o exemplo de um produto quimico usado na agricultura na década de 40 que hoje proibido só depois de 30 anos que se foi verificado contaminação do solo animais e homens. O mundo não tem falta de alimento o que se tem é falta de poder de compra para se alimentar.

  • Luis Dzulinski:

    Há tempos saiu uma pesquisa dando conta de que São Paulo e Paraná eram os estados com maior número de câncer do aparelho digestivo. Na mesma época, saiu outro dado relatando que São Paulo e Paraná eram os estados que mais utilizavam venenos agrícolas. Coincidência?
    Gostaria de saber qual foi a fonte financiadora da pesquisa de Copenhague. Não seria a Monsanto ou outra transnacional do lucrativo negócio?

  • gilberto dorneles:

    uma coisa q o michael não entendeu, é q os animais foram alimentados por 2 anos, e não houve diferença nenhuma entre eles, se você come orgânicos, é porque está gastando dinheiro a toa, seria muito melhor comprar produtos trangênicos, diminuindo assim o uso de terras, e aumentando a produção, consequentemente, diminuindo a fome no mundo, mas se mesmo assim, vc prefere esse luxo…

  • Luis Duarte:

    Alimento é uma necessidade básica de todo ser vivo. O mundo precisa de alimentos e vai precisar ainda mais. Já é um fato que os alimentos orgânicos cultivados são menores e possuem um ciclo maior que os quimicamente produzidos ( com adubos químicos e defensívos agrícolas). Se do ponto de vista nutricional não existe diferença então vamos dar uma de advogado do diabo e ter apenas o cuidado quando este alimento chega à nossa mesa e proceder a uma lavagem eficiente que retire toda a camada de agrotóxico.

  • Michel:

    Eu consumo organico nao pelo fato de ser mais nutritivo e sim por nao conter produtos quimicos que tem efeito acumulativo no organismo.

Deixe seu comentário!