Aparelho semelhante ao replicador de Star Trek é desenvolvido pela Nasa

Por , em 11.11.2009

replicador
Cientistas realizam um experimento com o feixe de elétrons em um ambiente de microgravidade

Exploradores espaciais ainda não têm um dispositivo tão legal quanto o replicador de Star Trek, que criaria qualquer coisa que eles quisessem. Porém, a Nasa, agência estadunidense de exploração espacial, está criando uma tecnologia que poderia ajudar a permitir que futuros astronautas criem peças faltantes em uma missão longa em Marte, por exemplo.

O método é chamado de Fabricação de Feixe de Elétron de Forma Livre, EBF3 na sigla original. Esta fabricação utiliza um feixe de elétron para derreter metais e construir objetos camada por camada, e promete cortar custos de fabricação para a indústria aeroespacial. Karen Taminger, engenheira-chefe do projeto, afirma esperar que o EBF3 possa ser lançado logo junto a uma missão espacial, para que os testes no espaço possam iniciar.

» Novo dispositivo estilo Star Trek poderá curar câncer

O aparelho requer alguns componentes cruciais para o seu funcionamento: energia para o feixe de elétrons, um ambiente com vácuo e uma fonte de metais. “Seria bom se pudéssemos fazer algo a partir de nada, mas não funciona assim”, afirma Taminger, se referindo ao replicador de Star Trek.

Para o EBF3, arames de metal são derretidos na ponta do feixe de elétrons e o metal derretido é aplicado sobre um prato rotatório, que ajuda a construir um objeto por camadas. Algumas tecnologias semelhantes já existem, mas esta tem várias vantagens.

O feixe de elétrons, por exemplo, requer muito menos energia que aparelhos semelhantes, além de produzir menos radiação que feixes mais poderosos. O novo dispositivo também permitirá que cientistas misturem materiais para variar a força e outras propriedades em uma mesma peça.

Os criadores do EBF3 medem que o aparelho possa diminuir os custos de produção em até 2000 dólares (aproximadamente 3440 reais) por quilo de peça. O próximo passo da criação serão os testes na estação espacial. Para isso, seus criadores conseguiram deixar a peça em um tamanho que não passa de 2,5 metros cúbicos.

» Verdadeiro Tricorder de Star Trek é criado

Fora da órbita da Terra, a nova tecnologia pode permitir que astronautas utilizem metal encontrado na Lua, em Marte ou em cinturões de asteróides para criar novas peças. “Se uma parte da espaçonave quebrar, poderemos utilizá-la como matéria-prima ou procurar por novos materiais”, afirma Taminger. “A solução a curto prazo é levar o material que será necessário, mas não é preciso levar as partes necessárias”, afirma. [MSNBC]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 2,00 de 5)

6 comentários

  • Ricardo Joris:

    No passado de Star Trek já podíamos ver o futuro do presente!
    http://www.gatosepapos.blogspot.com/2011/05/star-trek-o-futuro-do-presente.html

  • Renato:

    Não tenho dúvida que o destino da humanidade e pesquisar novos mundos, novas civilizações audaciosamente indo onde jamais estive.

  • Tiago:

    Uma maquina de prototipagem avançada, com esta tecnologia podemos elaborar maquinas que criem diretamente as peças.
    Projeta-se a peça e a maquina imprime o que vc deseja com a qualidade que vc deseja.

  • Marcus:

    Não é possívle criar algo a partir do nada? Como agt tah aki então? Como meu irmão diz: Foi comprovado cientificamente que talvez exista uma coisa que ninguém viu e ninguém sabe quem é, e talvez não!

  • Ruben Zevallos Jr.:

    Pois é, o replicador do Star Trek utiliza energia, que nem sempre é clara se vem de reatores de fusão ou de algum outro meio… já que supostamente plasma flue por condutores por toda a nave… plasma puro que certamente deve ser convertido em energia em algum equipamento… mas do nada não é possível criar algo

  • Fabio Favero:

    “Seria bom se pudéssemos fazer algo a partir de nada, mas não funciona assim”, afirma Taminger, se referindo ao replicador de Star Trek. /

    Quem disse que o sintetizador de Star Trek cria as coisas a partir do nada ????

Deixe seu comentário!