Viajar mais rápido que a luz é possível: artigo científico

Por , em 14.03.2021

Um novo estudo afirma que a tecnologia de “dobra espacial” — um mecanismo popularizado por “Star Trek” que permitiria viagens mais rápidas que a luz (MRQL) — pode ser mais viável do que se pensava anteriormente.

Dr. Erik Lentz, astrofísico da Universidade de Göttingen, na Alemanha, publicou um artigo na revista Classical and Quantum Gravity afirmando que a velocidade da MRQL é possível usando a física convencional, relata a Popular Mechanics. Isso vai contra as teorias anteriormente propostas da tecnologia de dobra que se baseavam em matéria exótica e desconhecida que seriam utilizadas como energia.

“Este trabalho moveu o problema da viagem mais rápida que a luz a um passo da pesquisa teórica em física fundamental e mais perto da engenharia”, disse Lentz em um comunicado.

Próxima Parada: Proxima Centauri

Vamos colocar isso em perspectiva: se você usar o foguete mais rápido da Terra para viajar para Proxima Centauri, a estrela mais próxima do nosso sistema solar além do Sol, ainda levaria mais de 50 mil anos para chegar lá.

No entanto, se você fizer a mesma viagem usando um motor de dobra MRQL, você levaria apenas dois a três anos.

Um motor de dobra funcionaria dobrando o tecido do espaço-tempo em torno de uma nave espacial para permitir que ele viajasse a velocidades MRQL. Os modelos teóricos existentes para motores de dobra exigiriam “energia negativa” — e não está claro se isso existe.

É precisamente por isso que o modelo de Lentz é tão excitante. Se pudermos confiar na física conhecida atualmente para atingir velocidades de MRQL as possibilidades seriam muito maiores.

“O próximo passo é descobrir como reduzir a quantidade astronômica de energia necessária para dentro do alcance das tecnologias atuais, como uma grande usina de fissão nuclear moderna. Então poderíamos falar sobre a construção dos primeiros protótipos”, disse Lentz.

Outro estudo, também publicado em Classic and Quantum Gravity, de uma startup chamada Física Aplicada fala sobre o mesmo assunto. Como Lentz, eles sugerem que os motores de dobra espacial poderiam ser “construídos sobre os princípios físicos conhecidos pela humanidade hoje”.

Claro, ainda há muito que os cientistas precisam descobrir antes de começarmos a reservar passagens para estrelas próximas. Mas estamos ficando tentadoramente perto de finalmente viver nossos sonhos da USS Enterprise.

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

Deixe seu comentário!