Assista vídeo de um homem que sobreviveu três dias em navio naufragado

Por , em 4.12.2013

No último mês de maio, um cozinheiro nigeriano de 29 anos fez história ao passar quase três dias preso em um navio naufragado e ser resgatado com vida do fundo do mar. Em pouco tempo, o mundo conheceu a história de Harrison Okene, único sobrevivente de uma catástrofe que matou onze pessoas no Oceano Atlântico. Agora, um vídeo mostrando detalhes do resgate veio à tona.

São quase 15 minutos de imagens. Elas mostram o momento em que dois mergulhadores sul-africanos descrentes, que fazem as buscas no interior do barco e se comunicam com o controle, na superfície, descobrem que lá dentro há um homem com vida.

Por volta de 5:30, um dos mergulhadores desconfia que algo está se mexendo, e em seguida, o espanto: “Está vivo, está vivo”, grita, em inglês, o socorrista, e em seguida suas mãos encontram as mãos de Okene. A partir dos 6 minutos, a imagem se torna nítida: lá está o cozinheiro, apenas com um calção preto, perturbado e confuso, mas incrivelmente vivo.

Lúcido, ele mesmo falou com o controle e recebeu instruções sobre o próprio resgate, como instalar a máscara de oxigênio e, com o auxílio dos mergulhadores, reconquistar a liberdade.

O acidente

Quando uma embarcação vai a pique, os minutos e horas que se seguem à tragédia são cruciais para a vida dos ocupantes. Aqueles que conseguem deixar o barco têm chance de se salvar; mas se forem junto com ele para as profundezas, essas chances são mínimas.

Harrison Okene era um cozinheiro a serviço de um navio rebocador que, com doze tripulantes a bordo, fazia trabalhos para uma empresa de petróleo em mar territorial nigeriano, no Oceano Atlântico. No dia 26 de maio, quase às cinco da manhã, o barco virou após uma violenta tempestade.

No momento do naufrágio, Harrisson estava em uma pequena cabine que servia como banheiro. Quando notou que a água invadia o interior do compartimento, ele forçou a porta de ferro da casa de banho e tentou escapar para outra cabine, mas não conseguiu. A partir daí, segundo o próprio cozinheiro, foi uma espera lenta pela morte inevitável, que chegaria assim que a água enchesse toda a cabine em que ele estava. Mas isso nunca aconteceu.

A descrição desta etapa ganha cores mais vivas na narração do próprio Okene. “(…) Eu estava com muita fome, mas principalmente, com muita sede (…) Eu estava muito, muito gelado, e estava tudo escuro. Eu não conseguia ver nada, mas eu podia sentir os corpos mortos de minha tripulação nas proximidades. Eu podia sentir o cheiro deles. Os peixes chegaram e começaram a comer os corpos, e eu podia ouvir o som. Foi horrível”, contou.

A tortura de Okene acabou no dia 28, mais de 60 horas após o início do drama. Quando chegaram os mergulhadores pagos pela empresa Chevron, para quem o navio prestava o serviço, o resgate foi rápido, como se vê no vídeo. Um a um, os corpos dos companheiros do cozinheiro foram encontrados. [Sploid / Huffington Post / Yahoo!]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

4 comentários

  • Genilson Magalhães:

    Magnifico o milagre do senhor através desses explêndidos mergulhadores.. VIVA DEUS!

  • Thi Fernandes:

    Milagres, eles existem =D

    • Cesar Grossmann:

      Foi sorte. Milagre seria se tivessem todos sobrevivido.

  • Gabriel Lucena:

    cara…
    não consigo imaginar o sofrimento de ficar 3 dias nessa situação e não enlouquecer…
    tem que ser muito forte…
    foram 3 Dias no inferno…

Deixe seu comentário!