Bactérias mais abundantes da Terra deram origem às mitocôndrias

Há bilhões de anos atrás, um evento evolutivo surpreendente ocorreu: certas bactérias se tornaram obrigadas a viver dentro de outras células, iniciando uma cadeia de eventos que resultaram na mitocôndria, uma organela encontrada em todas as células eucarióticas.

Ainda mais surpreendente foi o que um estudo recente revelou: pesquisas fornecem fortes evidências de que a mitocôndria compartilha um ancestral comum com uma linhagem de bactérias marinhas conhecidas como SAR11, o grupo mais abundante de microorganismos na Terra.

Os resultados apresentados parecem fazer sentido: a fisiologia da SAR11 a torna mais suscetível a ser dependente de outros organismos e, com base na sua abundância contemporânea no oceano, a linhagem ancestral pode ter sido também abundante no antigo oceano, aumentando o encontro desta linhagem bacteriana com o anfitrião da simbiose original.

A fim de entender a história evolutiva da SAR11, pesquisadores compararam o genoma da mitocôndria de grupos diversificados de eucariontes com o genoma de linhagens de SAR11. Esta abordagem forneceu uma análise filogenética altamente sofisticada e completa destes genomas.

Além de descobrir a ligação evolutiva entre as mitocôndrias e a SAR11, a avaliação baseada na diversidade filogenômica deste grupo (ou seja, uma avaliação com base em todo o genoma, ao invés de um único gene) deu um apoio substancial para propor uma nova família de bactérias.

A implicação é que a linhagem de bactérias marinhas muito abundantes, a SAR11, contém uma quantidade significativa de diversidade genética, que indica a diversidade potencialmente significativa do seu metabolismo.

Os pesquisadores continuarão a estudar a SAR11 e sondar seus genomas para entender melhor o seu potencial metabólico e descobrir como elas se tornaram tão bem sucedidas em todo o oceano.[ScienceDaily]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Curta no Facebook:

4 respostas para “Bactérias mais abundantes da Terra deram origem às mitocôndrias”

Deixe uma resposta