Cães ajudam a diminuir estresse em crianças autistas

Por , em 21.10.2010

Segundo uma nova pesquisa, cães-guias especialmente treinados podem reduzir o estresse em crianças com autismo.

Pesquisas anteriores já haviam demonstrado que estes cães podem ajudar crianças autistas em situações sociais e a melhorar a sua rotina diária. Mas o novo estudo é o primeiro a mostrar que eles podem trazer benefícios fisiológicos também.

O autismo é uma série de condições em que as crianças têm problemas para se comunicar, interagir com os outros e se comportar adequadamente em situações sociais.

Os pesquisadores mediram os níveis de cortisol na saliva de 42 crianças com autismo. Normalmente, a produção de cortisol atinge picos cerca de 30 minutos depois que uma pessoa acorda, e diminui ao longo do dia.

A resposta do cortisol ao acordar das crianças foi medida antes, durante e após o cão-guia ser introduzido na família. Os cães foram treinados para serem obedientes e manterem a calma, mesmo em ambientes caóticos.

Os resultados mostram que os cães tiveram um grande impacto sobre os níveis do hormônio do estresse das crianças. Os níveis de cortisol, o hormônio do estresse, diminuíram nas crianças após um cão-guia ser introduzido na família. Os cães também melhoraram o comportamento das crianças, reduzindo o número de problemas relatados pelos pais.

Nas duas semanas antes de os cães serem trazidos às casas, os níveis de cortisol das crianças aumentaram 58% durante os primeiros 30 minutos acordados. Mas quando os cães estavam presentes, essa resposta foi reduzida para um aumento de apenas 10%. E, após quatro semanas, quando os cães foram retirados das casas, a resposta do cortisol voltou a ter um aumento de até 48%.

Os pais também relataram uma diminuição de comportamentos problemáticos e perturbadores de seu filho, como birras, enquanto o cão estava presente. A média do número destes comportamentos caiu de 33, nas duas semanas anteriores à presença do cão, a 25 enquanto o animal fez parte da família.

Mas, por enquanto, os pesquisadores disseram que o efeito do cortisol reduzido na criança ainda não pode ser determinado. No entanto, estudos com adultos têm ligado aumentos do hormônio ao aumento do estresse geral, e a diminuição do hormônio a um estado mental positivo.

Mais pesquisas precisam ser feitas em crianças autistas para descobrir se estas diminuições nos níveis de cortisol na verdade correspondem a uma mudança nos seus níveis de estresse.

Muitos estudos já apontavam os benefícios dos cães-guias para crianças com autismo, e agora, um dos objetivos dos pesquisadores é saber por que os cães diminuem os níveis de cortisol delas. Por exemplo, pode ser que os cães ajudem as crianças a dormirem melhor, o que pode ter afetado os níveis de cortisol. [LiveScience]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

8 comentários

  • sergio_panceri:

    tá… mas é até que “comum” uma criança com autismo se comportar melhor ao lado de um “animal” do que de um “ser humano”…

    só não sabia que o “hormônio do stress” agia mais intensamente 30minutos depois de acordar, interessante…

  • Orivaldo:

    Tenho um lindo filho autista, tem dezeseis anos, ele é muito especial na familia, mas quando ele fica nervoso de uma hora para outra ele bate muito na cabeça, tem que segurar a mão dele, ele frequenta a escola Arca dos Sonhos,nos precisamos saber se tem algum metodo para acalmar ele, porque ele já foi em vários medicos e só falam em dar rémedio para ele, que ele já toma, eu e minha esposa precisamos saber a raça do cão, grato

  • AMANDA METTA:

    Bem, minha irmã é autista e não encontramos ainda um método para acalmar-mos ela ,minha mãe optou por comprar uma gata a ela ,achando que isso poderia melhorar assim um pouco do seu nervosismo,mas o resultado não foi o esperado,minha irmã por ter 5 anos nao sabe medir suas forças assima gatinha está “sofrendo”,enfim teremos que doar a gata mas acho que um cão não saberá lidar com a doença.
    obrigada

    AMANDA METTA

    • delphiman:

      Com certeza você deve doar a gatinha. As crianças não sabem lidar com animais. Este caso que mencionou não é isolado. Qualquer criança não tem consciência de como tratar um animal.

      Muitos pais fazem as vontades dos filhos onde no caso compram ou adotam um bicho de estimação achando que os filhos vão tomar conta. A questão é a seguinte, se os pais não sabem cuidar ou não gostam de animais, com certeza os filhos não saberão também.

      Eu adoro animais, tanto que o meu filho também terá, mas sempre com minha supervisão até que ele adquira a mentalidade de responsabilidade com os nossos amigos felpudos.

  • Leonardo:

    Lucrecia, hoje em dia se fala em inclusão social nas escolas e todos estão obrigadas a aceitar alunos com necessidades especiais e se adequar para tais necessidades.
    Meu sobrinho e afilhado também é autista e minha irmã passou por muitas dificuldades pra conseguir que ele estudasse na mesma escola que o irmão mais velho, inclusive precisando fazer registro de ocorrência na delegacia contra práticas preconceituosas de uma das professoras. Após tudo isso, a escola o aceitou (como era obrigada por lei) e inclusive fez reformas para se adequar a outros tipos de necessidades especiais.
    Escolas especiais apenas agravam o problema, isolando ainda mais a criança do resto do mundo. A solução é lutar para matriculá-lo em uma escola comum.
    Existem médicos e uma série de profissionais especializados em autismo, existem remédios, enfim, existe tratamento. Meu afilhado faz este tratamento há alguns anos e apresentou uma considerável melhora no comportamento social.
    Infelizmente, são tratamentos caros, acho que na rede pública realmente não se encontra. Se quiser algum contato, me escreva um email que eu te passo os nomes e contatos dos profissionais.
    Um abraço, boa sorte!

  • lucrecia:

    tenho um subrinho autista, necessitamos de escolas que aceitem a criança com autismo.
    Na casa temos cachorro, talvez tenha razão sobre o seu comentario que cochorros ajudam, talvez os deixem mais calmos.
    Porém so estando na pele e convivendo com eles para saber como é dificil lidar, a depressao da familia (geralmete Mae) é o primeiro sintoma ao longo dos anos, pois a familia praticamente se isola do resto pois nao ha escola , nao ha medicos nao ha remedios e ninguem sem importa com o problema.
    Porque nao se criar uma escola especifica para crianças com este tipo de compotamento ja que o convivio social é praticamente impossivel

  • Lalriel:

    Cães possuem qualificações especiais com pessoas em situações “desfavoráveis”, tanto que são os animais usados para ajudar os humanos em diversas situações complicadas, e no caso para auxiliar o tratamento para muitos tipos de deficiência.
    exemplo: Deficiência física os cães são usados na fisioterapia, deficiência visual são usados como o guia da pessoa, são usados também em terapias para idosos, enfim, desde a recuperação e movimentos até a recuperação mental dos humanos.
    Logo é fato que não é por não ter um humano que o faça, porque isso temos e formados para faze-lo, é porque esse bem estar e confiança, somente um animal que nesse caso é o cão pode proporcionar a um humano.

  • Scriptum Est:

    Gente com Gente, seria melhor. – Mas . . .
    .
    Os “cães” não têm, nenhuma, qualificação especial !
    .
    O problema é que NÃO TEM GENTE (criança ou adulto) , para “brincar” e “entreter” as crianças autistas ! ! !

Deixe seu comentário!