, ,

Estranhas diferenças encontradas na maneira de caminhar entre os sexos

Por , em 12.09.2008

Se nós vemos uma figura sombria andando em uma rua escura, nosso senso que detecta se ela esta caminhando em nossa direção ou indo para o lado oposto depende se nós a enxergamos como um homem ou uma mulher, um novo estudo descobriu.

Não entendeu? Então continue lendo.

Estes resultados mostram um pouco mais sobre os julgamentos sutis que o cérebro faz quando percebe movimento.

No passado, pesquisas mostraram que as pessoas são extraordinariamente boas em deduzir o sexo, idade, humor e até personalidade de outras pessoas baseados somente em poucos movimentos.

“Os humanos são observadores aguçados uns dos outros. Nós sabemos muito uns sobre os outros em uma primeira vista. Como nós fazemos isso é uma pergunta interessante, especialmente o porque algumas pessoas são tão boas nisso”, disse o pesquisador Rick van der Zwan, um neurocientista comportamental da Universidade Southern Cross na Austrália.

Para ver que tipos de detalhes as pessoas podem detectar nos movimentos, cientistas fizeram com que voluntários observassem um conjunto de pontos que grosseiramente formavam uma pessoa. Eles foram criados ao conectar luzes em pessoas de verdade e filmá-las enquanto andavam em uma esteira indo em direção à câmera ou para o lado oposto.

“Se você olha para alguém que tem apenas suas juntas iluminadas quando não está se movendo é difícil dizer para o que você está olhando. Mas assim que elas começam a mover-se, instantaneamente, você reconhece que é uma pessoa e percebe a sua natureza”, disse Rick. “Você pode dizer se é homem ou mulher, jovem ou velho, mal humorado ou feliz. Você pode discernir todas estas qualidades sobre seu estado, influência e ações sem pistas sobre sua aparência – sem forma de qualquer tipo, apenas movimento.”

Enquanto estas figuras estilizadas andavam, seus movimentos eram manipulados para se aparentarem desde uma “mulher extremamente efeminada” até um “homem Hulk”. O ponto médio era neutro em termos de sexo e os voluntários julgavam seu movimento como mulher metade das vezes e homem na outra metade.

Estranhamente, quando estas figuras ambíguas eram julgadas como masculinas os voluntários as viam se aproximando, mesmo quando as próprias pessoas nas quais estas imagens se baseavam estavam se distanciando da câmera. Além disso, quando estas figuras ambíguas eram julgadas como mulheres, os voluntários as viam andando para o sentido contrário da câmera, mesmo quando as modelos da vida real estavam se aproximando.

“O que as pessoas acham mais surpreendente é que o efeito é consistente para observadores de ambos os sexos”, disse Rick para o site LiveScience. “Não importa se você é um observador homem ou mulher – as figuras masculinas do tipo que utilizamos comumente pareciam que estavam andando em direção ao observador e as femininas normalmente pareciam estar indo para a outra direção.”

Aparentemente “há algo na maneira que os homens e mulheres se movem que afeta a maneira que os vemos em termos de orientação espacial”, disse Rick.

É “tentador especular” que este efeito reflita os custos potenciais “de errar a interpretação de ações e intenções de outros. Por exemplo, uma figura masculina que é ambígua pode ser percebida como se aproximando para permitir que o observador se prepare para fugir ou lutar. Similarmente, para os observadores, e especialmente crianças, a fêmea se afastando também pode sinalizar a necessidade de agir, mas por razões diferentes.”

Os cientistas detalharam suas descobertas na edição de 9 de setembro da revista científica Current Biology. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

1 comentário

Deixe seu comentário!