Caracóis têm um forte instinto de regresso ao lar

Por , em 5.08.2010

Uma cientista amadora de 69 anos aparentemente descobriu em seu jardim de caracóis que os bichos um instinto natural de regresso a casa. O resultado surpreendeu alguns profissionais que acreditavam que os caracóis eram criaturas simples demais para encontrar o seu caminho de volta para casa. Assim, surgiu a necessidade de um experimento.

A idéia do experimento começou quando uma senhora chamada Ruth Brooks se exasperou com os caramujos em seu jardim. Eles tinham comido o seu alface, destruído suas petúnias e devastado seu feijão. Como ela era uma pessoa doce demais para matá-los, os levou a um terreno abandonado nas proximidades, mas percebeu que eles continuavam voltando para lá.

É sabedoria comum do jardineiro que os caracóis têm um forte instinto de lar. Mas Ruth queria saber se havia uma base científica para isso. Portanto um biólogo, juntamente com a senhora, desenvolveu uma série de experimentos para avaliar a capacidade alegada dos caramujos de regressar a casa.

Os resultados de Ruth sugerem que os caracóis são capazes de voltar para casa. Ela descobriu que seus caracóis foram capazes de voltar para seu jardim a menos que fossem colocados a mais de 10 metros de distância.

Para saber mais, o biólogo convidou membros da população para participar de um experimento nacional. Ele pediu às pessoas que coletassem os caramujos em seu jardim em um balde e os rotulassem com unhas coloridas de verniz – um processo que ele diz não prejudicá-los.

O próximo passo é convencer um vizinho e amigo próximo a fazer o mesmo – mas eles têm que rotular os seus caracóis de uma cor diferente. O último passo é trocar baldes e esperar para ver se algum dos caracóis volta para casa. Segundo o biólogo, pode ser um processo longo, porque os caracóis não são as criaturas mais rápidas.

Ainda que nenhum dos caracóis trocados retorne a casa, os pesquisadores afirmaram que gostariam que as pessoas informassem sua linha de resultados, pois os dados vão ajudar os ecologistas a compreender o comportamento dessas criaturas antigas.

Este estudo refere-se a apenas um tipo de caracol, mas há muitos outros. Por exemplo, o caramujo gigante africano que, como espécie invasora, tornou-se uma séria praga na Ásia, cobrindo um território muito maior do que seus primos europeus menores. Isto significa que ele teria de ser levado muito mais longe para garantir que não voltasse.

Mas, atualmente, não se sabe ao certo se eles realmente se comportam dessa forma. Os observadores dizem que seria interessante replicar este estudo em outros lugares para ver se há realmente uma diferença entre o comportamento de regresso ao lar de diferentes tipos de caracóis.

Se os resultados voltarem como Ruth indicou, os jardineiros terão que fazer mais do que apenas jogar seus caracóis além da cerca do jardim para se livrar da praga. E os cientistas terão que reconsiderar o caracol de jardim, agora já não tão humilde. [BBC]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

1 comentário

Deixe seu comentário!