Cerejeira espacial dá flor 6 anos antes da hora e deixa cientistas desesperados por respostas

Por , em 16.04.2014

Um mistério cósmico está unindo monges e cientistas no Japão. O motivo é uma cerejeira, que nasceu de uma semente que orbitou a Terra por oito meses e floresceu 6 anos mais cedo do que o esperado – e com flores muito surpreendentes.

A árvore de quatro anos de idade cresceu a partir de um caroço de cereja que passou um tempo a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) e floresceu no dia 1° de abril. A curiosidade é que este evento só deveria ocorrer aproximadamente daqui a 6 anos, levando em consideração o desenvolvimento padrão de árvores desta espécie na natureza.

A floração precoce deixou perplexos os monges budistas que habitam o templo antigo, localizado na região central do país, onde a árvore está crescendo. “Ficamos surpresos ao ver quão rápido a árvore cresceu”, conta Masahiro Kajita, sacerdote-chefe do templo Ganjoji em Gifu, Japão. “Estamos muito felizes porque esta cerejeira vai suceder a velha árvore do templo, dizem que tem 1.250 anos de idade”.

A semente que originou a árvore tão especial estava entre as 265 selecionadas como parte de um projeto para coletar sementes de diferentes tipos de cerejeiras em 14 locais de todo o Japão. As sementes foram enviadas para a ISS em novembro de 2008 e voltaram à Terra em julho do ano seguinte, junto com o astronauta japonês Koichi Wakata, depois de circular o globo 4.100 vezes.

b060894d68ff065f8b1f118d3792c9eb58a4e469

Algumas foram enviadas para exames laboratoriais, mas a maioria foi levada de volta para seus lugares de origem. Diversas destas sementes foram plantadas perto do templo Ganjoji. Em abril deste ano, a “cerejeira espacial” já contava com cerca de quatro metros de altura e, de repente, produziu nove flores, mas com uma particularidade – cada flor possuía apenas cinco pétalas, em comparação com cerca de 30 em flores de outras árvores da mesma espécie. Uma cerejeira assim normalmente levaria cerca de 10 anos para desabrochar seus primeiros botões.

Entretanto, a árvore do templo de Ganjoji não é a única cerejeira espacial a ter tido uma floração tão incrivelmente precoce assim. Dos 14 locais onde as árvores foram replantadas, flores foram vistas em quatro lugares. Dois anos atrás, uma árvore jovem deu 11 flores em Hokuto, uma região montanhosa a 115 quilômetros a oeste da capital Tóquio, aproximadamente dois anos após ter sido plantada novamente. Era de uma variedade que normalmente só dá flor aos oito anos de idade.

A pesquisadora da Universidade de Tsukuba, no Japão, Kaori Tomita-Yokotani, participou do projeto e conta que ficou perplexa quanto ao mistério extraterrestre. “Nós ainda não podemos descartar a possibilidade de que a semente tenha sido um pouco influenciada pela sua exposição ao ambiente espacial”, considera.

Tomita-Yokotani, que é fisiologista de plantas, também conta que é difícil explicar por que a árvore templo cresceu tão rápido, uma vez que não havia grupo de controle para comparar seu crescimento com o de outras plantas. Ela diz que a polinização cruzada com outras espécies não pode ser descartada. No entanto, a falta de dados é um obstáculo que acaba prejudicando uma explicação mais clara e precisa. “Existe a possibilidade de que a exposição aos raios cósmicos mais fortes acelerou o processo de germinação e o crescimento de uma forma geral. Do ponto de vista científico, só podemos dizer que não sabemos por quê”. [Yahoo! News]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

6 comentários

  • Jussan Lima:

    Bom..tambem deve levar em conta que a noção do tempo em relação a semente la no espaço é diferente do tempo que passa aqui em solo…um dia ou uma semana pode ser pouco..mais um ano ela teria acumulado uma vantagem a mais de tempo,mais o que conta é o depois dela estar plantada..vai que o metabolismo da semente la no espaço, que para nois seria
    acelerada mais pra ela ocorreria em tempo normal, refletiu no metabolismo
    no seu crescimento aqui em terra? Seria possivel ..só estou especulando…

  • Adão Demetrio Ferreira:

    Á pergunta é , o curso da nave em questão ,era inverso a rotação da terra ?se for sim ! pode ter afetado o relógio biológico da planta .

    • Cesar Grossmann:

      Será? A Estação Espacial Internacional dá uma volta completa em torno da Terra a cada 90 minutos, acho que se é a favor ou contra a rotação da Terra não faz muita diferença…

  • Deinar Bottamedi:

    Bem interessante. E se for ‘viajar’ um pouco entre teorias e cálculos….
    A semente ficou no espaço de nov./2008 até jul./2009 = 8 meses = 240 dias
    após circular o globo 4100 vezes
     240   =   8 meses
    ——–       ————–
    4100         X

    então X equivale 136 meses que equivalem 11 anos

    …só para instigar o debate!

    • Cesar Grossmann:

      Então a semente teria que sair da EEI do tamanho de uma árvore de 11 anos…

  • sergio moreira:

    É importante saber se foi adotada alguma metodologia no plantio.
    Duas semente deveriam ser plantadas, a do ‘espaço’ e uma ‘terrestre’ as quais deveriam ser cuidadas da mesma forma.
    Acredito na possibilidade de por se ruma semente ‘espacial’ tenham tido maior cuidado com ela, adubado melhor a terra ou coisa parecida.

Deixe seu comentário!