Alerta: terapias antienvelhecimento podem aumentar riscos de câncer e diabetes

Por , em 23.05.2012

Imortalidade. Tá aí algo de que o ser humano corre atrás com ferocidade. Não é à toa que vampiros e outros personagens imortais de ficção conseguem angariar nossa simpatia e admiração.

Mas, apesar da impossibilidade em se atingir esse estado, cientistas debruçam-se sobre formas de combater o envelhecimento – principal obstáculo para uma vida longa.

Por isso, muitos tratamentos atuais que prometem combater os efeitos desse processo natural estão na moda, como vitaminas, antioxidantes e hormônios.

No entanto, médicos e especialistas reunidos no 18º Congresso Brasileiro de Geriatria e Gerontologia (de 22 a 25 de maio), no Rio de Janeiro, alertam: essas terapias não têm chancela científica e podem aumentar riscos de diabetes e câncer.

O objetivo dos cientistas presentes no congresso é convencer o Conselho Federal de Medicina e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a coibir a chamada ‘medicina antiaging’ no país, que, embora não seja uma especialidade médica, não resulta em punição para seus praticantes.

Tudo tem um preço

Estudos mostram que essas drogas dobram o risco de tumores de fígado, aumentam em quatro vezes as chances de a pessoa desenvolver diabetes e pode ocasionar acromegalias, que é o crescimento exagerado de alguns órgãos, inclusive do coração.

De acordo com pesquisa da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, um dos principais vilões é o hormônio do crescimento (GH, na sigla em inglês).

“Esse hormônio é ideal se utilizado para tratar pessoas com nanismo, doenças renais crônicas e HIV”, explica o médico Hau Liu, responsável pelo estudo norte-americano. “Mas, quando utilizado para outros fins ou para combater o envelhecimento, os benefícios são mínimos”.

Outro vilão que já conquistou seu espaço entre a sociedade é as vitaminas. Segundo outras pesquisas, um dos riscos da ingestão exagerada de vitaminas é a sobrecarga dos rins e o aparecimento de cânceres, como o de próstata, por exemplo, quando muita vitamina E é ingerida.

“Nos EUA, não conseguimos coibir a prática. Espero que vocês tenham mais sorte”, afirmou o geriatra ianque Thomas Perls, da Universidade de Boston. [Folha, IstoÉ, ABCNews, Foto]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

7 comentários

  • Dinho01:

    O que deveria ser ressaltado para a população é que antes de se buscar a beleza,deve-se buscar a saúde.

  • Medicina Integrativa:

    Na reportagem original da folha a questão colocada é de direcionar apenas para uma votação bem desleal, pois
    querem elaborar um documento que subsidie o CFM (Conselho Federal de Medicina) e a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) na formulação de novas regras que coíbam a prática da chamada “medicina antiaging” no país.

    Me chama a atenção, pois isto mais se assemelha a uma guerra entre médicos do tipo Geriatras X Médicos ortomoleculares.
    O correto seria divulgar matérias que salientassem os reais riscos e benefícios das terapias de reposição e quais as melhores formas para se alcançarem tais definições.

  • Medicina Integrativa:

    Concordo com mais essa pesquisa: de fato existe um exagerado uso indiscriminado de hormônios, vitaminas e demais suplementos.
    Devemos estar de olho bem aberto, pois nem tudo que é novo fará bem, por exemplo:
    – Vitamina C em excesso, i.e., acima de 200mg ao dia, como é preconizado, tem a tendência a produzir mais ação oxidante, do que anti-oxidante.
    – A desregulação hormonal em geral é decorrente de um estilo de vida estressante, fazer reposição hormonal, sem mudanças de estilo de vida, traz consequências bem piores.

    E assim por diante, a melhor solução que vejo é procurar um profissional sério e habilitado em detectar a real necessidade de cada suplemento e sua correspondente dose.
    Em minha clínica utilizo a biorressonância e a cinesiologia aplicada, além da avaliação clínica, para ter resultados mais precisos.

  • D. R.:

    É incrível como cada hora sai uma pesquisa falando uma coisa totalmente diferente de pesquisas anteriores; já não sei mais em quem ou no que acreditar!

    Antigamente, gema de ovo fazia mal, agora faz bem.

    Agora, como divulgado numa matéria recente aqui do site, até o ‘bom colesterol’ HDL parece que também não faz tão bem à saúde.

    Antes se falava que era bom comer doce na hora da prova, agora é o contrário.

    Pesquisas anteriores afirmavam que celular não causava câncer, agora já tem pesquisa afirmando que pode aumentar a incidência de câncer no cérebro.

    Quem será que está falando a verdade? Os que falam bem de tais produtos ou os que falam mal?

    Quais serão os verdadeiros interesses por trás de tantas pesquisas com resultados tão contraditórios?

    Se vitaminas fazem mal à saúde, porque são comercializadas?

    Será que até o FDA americano também é corrupto?

    Hoje está cada vez mais difícil comprar medicamentos sem receita médica. Será que o governo está realmente interessado na saúde da população ou é o lobby do sindicato médico que está com medo de perder a “boquinha” da prescrição de receitas médias?

    Quem tem doente na família sabe o quanto que, geralmente, é difícil acertar um diagnóstico correto; pois, cada médico que se consulta, dá um diagnóstico diferente ou te receita um medicamento e se não funcionar ou provocar muitos efeitos colaterais ele vai trocando por outro até acertar o medicamento (isso quando acerta), ou seja, tudo na base da tentativa e erro. E ai de você, se falar para o médico que pesquisou sua doença ou algum medicamento novo na internet.

    Eu sei que não podemos generalizar e que é errado se automedicar; mas, para isso não precisa de médico!

    Como disse a Eliana, se o governo estivesse realmente tão preocupado com a nossa saúde, não permitiria a venda indiscriminada de cigarro, álcool e de outros produtos prejudiciais à saúde. Se você precisa do uso constante de um medicamento, não pode comprar sem ‘pagar o pedágio’ da receita médica; mas se você quiser se suicidar ou envenenar alguém, basta comprar veneno de rato (o famoso ‘chumbinho’) na loja de produtos veterinários da esquina, sem nenhum tipo de receita ou documentação.

    É a mesma coisa o uso obrigatório do cinto de segurança. Será que criaram tal lei para proteger os cidadãos ou apenas para alimentar a indústria da multa? Tudo bem, que é uma ótima medida de segurança. Mas, por quê também não é obrigatório em ônibus circular onde anda um monte de gente em pé que nem ‘lata de sardinha’? Sendo que, em muitas cidades, tiraram até o cobrador e quem tem que dar o troco agora é o próprio motorista com o ônibus em movimento!

    Hormônio do crescimento, pelas ‘más línguas’, a gente já deve estar comendo de montão mesmo em carne de frango e de vaca; um pouco a mais ou um pouco a menos, não deve fazer tanta diferença mesmo.

    Mas, vamos lá, agora vamos parar de tomar suplementos vitamínicos já que vitaminas agora fazem mal à saúde; pelo menos, até a próxima pesquisa (financiada por não se sabe quem) afirmar justamente o contrário!

    E isso, hoje em dia, é em quase todas as áreas; não se tem como saber a verdade, já que cada um fala uma coisa e ‘puxa a sardinha’ para o seu lado. Quem será que fala a verdade? Os defensores da TE ou os defensores do DI, os pró aquecimento global ou os contra?

    Vejam o vídeo do Al Gore sobre o aquecimento global e depois a palestra de um climatologista da USP sobre o mesmo tema; e tentem descobrir quem está dizendo a verdade e quem está mentindo:

    http://www.youtube.com/watch?v=S3Xhl63MN_g

    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=oJTNJBZxX6E

    Assim fica difícil; não sei se é melhor rir, chorar, ou comprar mais um nariz de palhaço!

    Como dizia um amigo meu:

    PAREM O MUNDO QUE EU QUERO DESCER!

    Pensando bem, não parem não!

    É por isso que ele é tão divertido e interessante.

  • Luciana:

    Como jornalista, você deve saber que o termo “ianqui” significa os habitantes da região do norte dos EUA durante a Guerra de Secessão, não se aplicando aos estadounidenses de uma maneira geral. De maneira que o uso de “ïanqui” em um texto supostamente sério é errôneo, desnecessário e o que é pior: É pejorativo, imprimindo juízo de valores. Foi essa a sua intenção?

  • Eliana:

    Acho interessante a preocupação dos médicos e da ANVISA em querer proibir as pessoas de tomar suplementos enquanto o cigarro e alcool são vendidos livremente ….

  • Eliana:

    Acho interessante a precocupação dos médicos e da ANVISA em querer proibir as pessoas de tomar suplementos enquanto o cigarro e alcool são vendidos livremente ….

Deixe seu comentário!