Cientistas clonam touro de briga

Por , em 1.08.2010

O tradicional espetáculo das Touradas, ao que parece, conta a partir de agora com a ajuda da genética. Ao contrário da doce Dolly, ovelhinha que nasceu em 1996 de uma clonagem (e acabaria morrendo seis anos depois, devido a problemas de saúde que os cientistas ainda não têm certeza se são relacionados à clonagem), dessa vez o animal nascido promete ser feroz: é um touro de briga.

No dia 18 de maio, veio à luz o pequeno Got, na cidade Melgar de Yuso, na Espanha. Na verdade, não se trata exatamente de uma clonagem, é algo como um “touro de proveta”. O procedimento foi o seguinte: Got foi concebido pela técnica da transferência nuclear, onde o DNA de seu “pai” (o touro que forneceu os cromossomos) foi introduzido no óvulo de uma vaca, óvulo que teve seu núcleo retirado. Assim, o embrião de Got se desenvolveu nessa “vaca de aluguel”.

Os desenvolvedores do projeto explicam que objetivo dessa reprodução, além de proporcionar avanços à ciência genética, é manter viva uma linhagem de raça bovina que 300 anos. Os touros dessa raça, caracterizados pela pelagem marrom escura e a ferocidade, têm sido utilizados nas touradas desde o surgimento. Com a raça praticamente em extinção, devido a cruzamentos com outros touros, Got é agora o único representante vivo da linhagem original.

No total, 21 vacas foram inseminadas com o mesmo processo, mas apenas três engravidaram. Em agosto, deve nascer Toruño, um bezerro que já tem até um nome a despeito de ainda estar no ventre de sua mãe de aluguel. O período de gestação das vacas, assim como o das mulheres, é de nove meses.

O projeto de clonagem, que custou 30 mil libras (atualmente, o equivalente a 82.500 reais), recebeu algumas críticas. A diretora de um grupo europeu de proteção aos animais afirmou que esse projeto visa apenas o lucro, à custa do glamour em se manter as touradas no status em que estão, causando o sofrimento dos animais, a partir de agora, clonados. O representante do projeto se defende, declarando que a iniciativa pretende apenas evitar a extinção de algumas raças bovinas. [The New York Times]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

4 comentários

  • joel:

    espero que nao usem o touro nas touradas pois se for assim era melhor nem ter clonado
    acho que o motivo original era esse pois poderian ter clona outro animal e nao especiaomente um touro de briga

  • gargwlas:

    acho q vcs nao entenderam

    eles nao vao usar o clone na tourada.. pelo menos nao no começo…

    nao esta implicito no texto mas é bem isso pensando no ponto de vista mercadologico

    vai nascer 1 femea e cruzar com esse GOT

  • Farofa:

    gastar R$82.500 para clonar um animal para ir para uma tourada????
    melhor seria se entrasse em extinção….

  • Tes Saloniki:

    Felizmente, a Catalunha já proibiu o pseudo-espetáculo grotesco que são as touradas. Fulminar com lanças e espadas um animais que nos é inferior em habilidade e que não possuiu a mesma capacidade de abstração que nós é certamente um hábito que merece repúdio de qualquer ser humano que já tenha ouvido falar de ética.

    A clonagem deste touro é um evento que só visa preservar o dinheiro nos bolsos dos organizadores de touradas que, espero eu, sejam proibidas em toda a Espanha muito em breve.

    Uma tradição não justifica a violência. Se conhecemos o mal e mesmo assim permitimos que ele se prolongue, nos tornamos, na verdade, muito piores do que quando éramos ignorantes.

    Espero sinceramente que este tipo de pesquisa e de processo não se perpetue e receba o máximo de reprovação possível.

    TES

Deixe seu comentário!