Cientistas malucos criam bactéria sintética com apenas 473 genes

Por , em 24.03.2016

Conheça “JCVI-syn3.0”, ou apenas “syn3.0”, o genoma de uma bactéria sintética que é menor do que tudo encontrado na natureza. Biólogos esperam que isso ajude a entender os fundamentos da vida e inspire a criação de vida sintética.

O syn3.0 foi projetado por pesquisadores do Instituto J. Graig Venter (EUA), com participação do próprio Venter. O syn3.0 é conhecido como um genoma “radicalmente minimalista” porque tem apenas 473 genes – o número mínimo para que uma célula bacteriana mantenha as funções básicas de vida, incluindo reprodução.

Syn3.0 é a bactéria com genoma mínimo para manter a vida e até se reproduzir

Syn3.0 é a bactéria com genoma mínimo para manter a vida e até se reproduzir

Bactérias com novas funções

Com essa criação, espera-se entender os processos da evolução de um organismo simples para um complexo. Também espera-se explorar o centro das funções da vida e categorizar genes essenciais nas células.

Já na área de vida sintética, essa bactéria pode ser usada como molde para a criação de organismos com funções que não vemos na natureza, como a habilidade de comer plástico e lixo, microrganismos que funcionam como remédio no corpo, e biocombustível feito de componentes orgânicos.

Genoma mínimo

“A única forma de entender o genoma mínimo é sintetizar o genoma”, disse Venter no dia de publicação do seu trabalho na revista Science.

Para criar o syn3.0, os pesquisadores classificaram os genes em três tipos: essenciais, quase-essenciais (ex: genes necessários para o crescimento, mas não para a vida) e não-essenciais. Dos 473 genes dessa bactéria, 438 são códigos para proteína e 35 para RNA.

Tecnicamente, alguns desses genes quase-essenciais até poderiam ter sido retirados, mas isso faria com que o crescimento celular fosse tão lento que dificultaria qualquer estudo científico.

Para os leitores que já estão temerosos com a criação dessa bactéria, que fique claro que elas não conseguem sobreviver fora do laboratório, já que todas as características adaptativas delas foram removidas.

Primeira espécie artificial

Seis anos atrás, Venter e sua equipe criaram uma bactéria sintética chamada Mycoplasma mycoides, que foi projetada por um computador, criada em laboratório e transplantada para uma célula receptora, que se replicou passando a informação genética sintética adiante. Essa foi a primeira espécie a ser criada por um computador, segundo afirmou Venter na época. [Science, Gizmodo]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 4,00 de 5)

4 comentários

  • Ivanna Fabiani:

    Se cair em maos erradas, vai gerar, certamente, uma nova doença maligna, ja que acharam a cura do Cancer. Sera que e pra uma boa causa?

    • Cesar Grossmann:

      Não é para boa ou má causa, é só uma bactéria. E a natureza pode providenciar bactérias assassinas para nós.

  • Tibulace:

    Com isso, acabou de se fechar, mais uma lacuna, para o tal deus das lacunas.Não entendi, porque cientistas MALUCOS e não cientistas GENIAIS?

  • Vinícius Silva:

    Malucos?

Deixe seu comentário!