Cientistas descobrem bactéria que consegue digerir plástico

Por , em 16.03.2016

Todos os anos, cerca de 300 milhões de toneladas de plástico são fabricadas e usadas em tudo, desde empacotamentos até roupas. O plástico é bastante resiliente – se você quer uma coisa que vá durar bastante, ele é uma boa escolha.

Só que quando você o joga no lixo, esta resiliência se torna um problema, e temos ruas, praias e campos com plástico por todos os cantos. Há até mesmo ilhas no oceano feitas só de lixo, principalmente plástico.

Mas o que é o plástico, e por que ele é tão durável? A princípio, plásticos são polímeros, longas moléculas feitas da repetição de blocos de construção, os monômeros. Cada polímero tem ligações com outros polímeros, criando uma estrutura maleável e durável.

Como a maioria dos plásticos é feita de monômeros baseados em carbono, era de se esperar que fossem biodegradáveis, só que não é o caso. Para digerir as cadeias de monômeros dos plásticos, as bactérias e fungos precisam desenvolver novos métodos bioquímicos para aproveitar a energia armazenada nos polímeros artificiais. E como os plásticos estão conosco a apenas 70 anos, a evolução ainda não providenciou um meio eficiente de digeri-los.

cientistas-descobrem-bacteria-que-consegue-digerir-plastico-1

Mas a evolução está acontecendo. Uma equipe da Universidade de Kioto encontrou uma bactéria capaz de digerir plástico. Depois de examinar 250 amostras de lixo, eles encontraram uma espécie que consegue sobreviver de polietileno tereftalato (PET), e deram a ela o nome de Ideonella sakaiensis.

A descoberta foi feita em duas etapas. Na primeira, a bactéria foi isolada, e na segunda, a enzima e o código genético responsável pela fabricação foram isolados. Com isso, os pesquisadores produziram artificialmente a enzima e demonstraram que ela pode digerir o PET.

Com esta descoberta, uma nova janela se abre para a indústria de reciclagem. [ScienceAlert, Science, PhysOrg, TheConversation]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

1 comentário

Deixe seu comentário!