Acelerador de partículas “turbinado” poderia destruir a Terra?

Por , em 17.02.2014

O acelerador de partículas chamado Colisor Relativístico de Íons Pesados (RHIC, na sigla em inglês), do Laboratório Nacional Brookhaven, Estados Unidos, é o segundo maior do mundo, atrás apenas do Grande Colisor de Hádrons (LHC), na Suíça.

Quando construído, o plano era usá-lo por 10 anos. Agora, 5 anos depois do “fim do prazo de validade”, ele vai receber uma atualização que vai permitir que aumente em 20 vezes o número de colisões além do que foi projetado, operando a uma luminosidade 18 vezes maior.

A luminosidade, neste caso, é a razão entre interações detectadas em relação ao diâmetro da região de reações. Em outras palavras, ele será capaz de detectar 18 vezes mais interações. Parece uma coisa boa, mas nem todo mundo pensa assim.

O professor de direito Eric E. Johnson, da Universidade da Dakota do Norte (EUA), e Michael Baram, outro professor de direito na Universidade de Boston (EUA), acham que os físicos deveriam analisar se o colisor continuará sendo seguro após a atualização.

O receio deles é que, ao trabalhar com um número maior de energia e colisões, as chances da criação de microburacos negros e de strangelets aumente. Os strangelets são uma forma hipotética de matéria de quarks que, nas condições corretas, poderiam iniciar um processo de reação em cadeia que transformaria tudo que tocassem em matéria estranha, eventualmente tornando a Terra em uma esfera hiperdensa com algumas centenas de metros de diâmetro.

O curioso é que, pela teoria, a produção de strangelets pede energias menores que as energias máximas que os colisores estão acostumados a trabalhar, e o RHIC, projetado para funcionar na faixa dos 100 GeV, tem feito experimentos na faixa dos 7,3 GeV por longos períodos de tempo.

Outro receio é que o RHIC ou outro colisor qualquer acabe criando um microburaco negro. Bastante assustador, não?

Se você acha que já viu alguma discussão parecida no passado, você está absolutamente certo. Quando o LHC estava sendo finalizado, os físicos e cientistas tiveram que parar tudo e provar na ponta do lápis que ele era seguro, e que não destruiria a Terra. Os mesmos advogados que tentaram pará-lo agora estão querendo uma reavaliação da segurança do RHIC.

Mas o que há de real nestas ameaças? Esquecendo por um instante que os estrangelets são elementos hipotéticos, e que miniburacos negros, mesmo que existam e sejam gerados por algum acelerador de partículas não conseguiriam absorver matéria a uma taxa que os tornasse perigosos ao planeta, existe algum risco de abrirmos uma caixa de Pandora da ciência?

Não. Na própria natureza existem fenômenos semelhantes aos criados por aceleradores de partículas e colisores, e ainda estamos seguros. Por exemplo, toda vez que uma estrela explode, ela acaba acelerando partículas a velocidades e energias muito maiores do que dos nossos aceleradores de partículas, e estas partículas viajam pelo universo praticamente sem perder energia até atingir algum planeta, colidindo com as moléculas na atmosfera deste planeta.

Nosso planeta é bombardeado constantemente por prótons, nêutrons, neutrinos, e outras partículas a velocidades fantásticas que nossos físicos só sonham em fazer algum dia, gerando uma chuva de sub-partículas que acabam se transformando em outras e sendo absorvidas ou sumindo por aí.

A ciência já sabe disso há muito tempo, e importantes descobertas foram feitas no alto de montanhas, quando ainda não tínhamos aceleradores de partículas. Um dos físicos brasileiros mais famosos, César Lattes, descobriu o méson-pi desta forma.

Considerando que a Terra existe há pelo menos 4,5 bilhões de anos e ainda não foi transformada em uma esfera de matéria estranha superdensa, é de se supor que as condições para que isto aconteça são extremamente raras. Tão raras que um acelerador de partículas funcionando por 1.000 anos jamais conseguiria produzi-las.

Por outro lado, pode ser que neste mesmo momento tenha começado uma reação em cadeia no nosso sol, e ele vá se transformar em uma esfera superdensa de matéria estranha em algumas horas. Quem sabe? [io9, PhysOrg, IBTimes]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

8 comentários

  • Alberto Carvalhal Campos:

    Este artigo é de 2014. Já se descobriu agora em 2017 que o boson descoberto não é boson de higgs e sim um similar. Veja na internet: A quark Like no other.

    • Cesar Grossmann:

      No artigo que tu apontou fala que um sujeito está procurando os quarks down, que seriam o resultado do decaimento do bóson de Higgs.

  • Thomás Mayrink:

    Boa tarde Cesár, sempre gostei dos seus artigos e vim parabenizá-lo por mais um excepcional. Também farei engenharia elétrica e me interesso muito por esse tipo de artigo. Qualquer dia marcamos um xadrez.

    • Cesar Grossmann:

      Tranquilo, Thomás. A propósito da Engenharia Elétrica, te prepara que no início é difícil e depois… piora.

  • Joel da Costa:

    Tudo indica, quando nos deixamos levar pelas mais variadas hipóteses fictícias dos livros, que um dia o homem, na busca do desconhecido, venha a levar o caos para o nosso planeta. Em contrapartida, também baseando-se nas mesmas teorias fictícias, e evolução do homem pode não ter um preço tão alto a se pagar.

    • Cesar Grossmann:

      Talvez seja o caso de deixar de ler ficção ou de prestar atenção demasiada em ficção, e começar a ler sobre CIÊNCIA.

  • D:

    Tenso. Tudo pode nos acontecer. Só nos resta pesquisar e pesquisar…

    • Cesar Grossmann:

      É estranha a ideia que as pessoas tem dos cientistas. Quer dizer, todos os cientistas são seres humanos, tem família, amam alguém, querem um futuro melhor.

      Como é que alguém pode pensar que um cientista poderia ligar irresponsavelmente uma máquina com potencial para destruir o mundo sem pensar duas vezes? Não ocorre a estes advogados que existe uma equipe de cientistas trabalhando e que é impossível que nenhum deles se preocupe com as consequências e possíveis desdobramentos da experiência?

Deixe seu comentário!