Cientistas transformam células do sangue em cardíacas

Por , em 15.04.2011

Há algum tempo, cientistas estão tentando encontrar um método eficaz para transformar células do sangue em células cardíacas. O método mais usual era usar vírus neutralizados para enviar genes às células que deveriam sofrer mutação. O risco desse procedimento era que os próprios vírus em questão poderiam sofrer mutação e desenvolver um câncer em novas células.

Este método acaba de ser superado por uma nova forma, desenvolvida por dois pesquisadores da Universidade John Hopkins, em Baltimore (Maryland, EUA). O novo procedimento consiste em fazer a transferência de genes (entre células sanguíneas) através dos plasmídeos. Grosso modo, um plasmídeo é uma molécula de DNA em forma de “argola”, cujo conteúdo cromossômico pode se reproduzir de forma independente de sua origem.

Essa característica do plasmídeo, que permite às células fazer papel de células tronco. Para chegar ao resultado ideal, os cientistas fizeram testes baseados nos métodos que já existiam para este fim. A partir deles, chegaram na “inserção de plasmídeos”, que segundo eles, é ideal: o custo é baixíssimo, o risco é praticamente nulo, e a eficiência é de quase 100%.

Mais precisamente, a eficiência em seus testes ficou em 94,5%. Para o teste, os pesquisadores usaram células do sangue do cordão umbilical. Deixaram as células em um recipiente separado das demais, onde ficaram em estado de células pluripotentes (aquelas que podem se transformar em outros tipos de células). Neste ponto, injetaram os plasmídeos, e onze dias depois, havia 94,5% de células cardíacas. [Daily Tech]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

2 comentários

  • Maria Candida:

    Maravilha de postagem! A informação é altamente valiosa e o texto está muito bem escrito.
    Parabéns, Bruno!Continue esse importante trabalho de informar com qualidade.
    Maria Candida.

  • George:

    A imagem de eritrócitos não é a melhor para ilustrar a matéria, já que não é esse tipo de célula sanguínea o utilizado no método desenvolvido pelos pesquisadores do Jonhs Hopkins.

Deixe seu comentário!