Conheça as correntes de retorno, um dos maiores perigos dos oceanos

Por , em 26.05.2017

Você já deve ter ouvido falar nas perigosas correntes de retorno. Se não ouviu, preste muita atenção. Elas são um dos maiores perigos para banhistas em todo mundo. Estas correntes são fluxos de água que saem das praias em direção ao mar, e aumentam de velocidade subitamente. Pior: elas geralmente se localizam entre ondas violentas e parecem uma parte calma do mar, o que pode seduzir banhistas inexperientes. Quem estiver dentro de uma e não souber o que fazer pode correr sério risco de vida.

A cada ano, mais de 100 banhistas afogam-se nos EUA devido às chamadas correntes de retorno, canais de água fortes que puxam os nadadores para longe da costa, de acordo com a associação de salva-vidas dos EUA (USLA). Não há uma estatística que mostre quantas mortes no Brasil estão relacionadas a este fenômeno, mas casos também já foram registrados.

Quase metade de todos os resgates feitos por salva-vidas em praias oceânicas no mundo estão relacionados com correntes de retorno, de acordo com a USLA. Para se ter uma ideia, os tubarões tipicamente matam apenas cerca de seis pessoas por ano em todo o mundo.

Como elas funcionam

Uma percepção comum é que estas correntes puxam nadadores para debaixo d’água; na realidade, elas são correntes fortes e estreitas que fluem para longe da praia. “Essencialmente, elas são rios dentro do mar”, diz Wendy Carey, especialista em perigos costeiros do Delaware Sea Grant Advisory Service, da Universidade de Delaware, nos EUA.

“As pessoas começam a afundar por causa do pânico, e sentem que a corrente está puxando-as para baixo”, explica Carey. “Não há nenhuma corrente que o puxará para baixo no oceano”, garante.

Há um grande perigo se escondendo na maioria das praias: descubra como enxergá-lo

Existem muitos tipos diferentes de correntes de retorno, e elas se formam de várias maneiras. Alterações rápidas na alturas das ondas, que ocorrem quando um grande conjunto de ondulações acontece, pode desencadear uma corrente de retorno. Elas também podem ocorrer em pontos onde há uma ruptura em um banco de areia. Lá, a água é praticamente jogada em uma espécie de funil para fora ao mar. Estes canais em bancos de areia ficam perto da praia. Quando a água retorna ao oceano, segue o caminho de menor resistência, que é tipicamente através desses canais. Fortes correntes de retorno também muitas vezes aparecem ao lado de estruturas como cais e molhes (longas e estreitas estruturas que se estende em direção ao mar), explica Carey.

Ondas quebrando são os ingredientes chave para todas as correntes de retorno. “Se não houver ondas quebrando, não haverá correntes de retorno”, diz Carey.

O risco de se deparar com correntes de retorno é determinado por muitos fatores, incluindo o tempo, as marés, as variações locais na forma da praia e como ondas quebram na costa. Algumas praias podem ter correntes assim quase todo o tempo, enquanto outras praias quase nunca vêem estes fluxos perigosos.

Estas correntes fortes e frequentemente muito localizadas podem levar nadadores distraídos ao mar. As correntes geralmente se movem de 0,3 a 0,6 metros por segundo, mas as mais fortes podem puxar 1,6 metros por segundo. Esse é o mesmo ritmo de um nadador recordista olímpico, aponta Carey. “Mesmo um nadador olímpico iria ser arrastado em uma corrente de retorno”, afirma ela.

Correntes de retorno podem acelerar dramaticamente em um curto espaço de tempo. O fluxo instável de uma corrente dessas é semelhante a ficar de pé em um rio. O fluxo forte pode varrê-lo para fora do chão, diz Carey. “Um adulto de pé na água até a cintura em uma corrente de retorno teria dificuldade em permanecer no mesmo lugar”, garante.

Ondas pesadas podem acionar uma corrente de retorno súbita, mas correntes de retorno são mais perigosas quando acontecem durante a maré baixa, quando a água já está puxando para longe da praia.

Conhecendo o inimigo

No passado, as correntes de retorno foram às vezes chamadas de marés de retorno, o que era um erro, diz Carey. “As marés são mudanças muito lentas no nível da água e por si mesmas não induzem uma corrente de retorno”, disse ela. “Uma corrente de retorno não é uma maré”.

Os cientistas vêm estudando estas correntes por mais de 100 anos. Na década passada, os avanços nas técnicas de medição deram muitas ideias novas sobre como essas correntes complicadas funcionam. Os pesquisadores agora conseguem colocar GPS na rebentação para controlar com precisão os movimentos e velocidades atuais. Aparelhos semelhantes aos sonares revelaram o funcionamento interno das correntes de retorno. Estes perfiladores acústicos enviam pulsos de alta frequência de som que atingem e refletem nas partículas da água. O instrumento mede a frequência deste sinal de retorno – se a partícula (e a água circundante) estiverem afastando-se do instrumento, o sinal terá uma frequência mais baixa, e se estiverem movendo-se em direcção ao instrumento, o sinal de retorno terá uma frequência mais elevada.

10 mitos sobre sobrevivência na natureza que você não deve seguir

Medições de laser altamente detalhadas do ambiente da praia também mostram como água e a topografia se combinam para desencadear correntes. “Há uma nova compreensão do fluxo e do comportamento das correntes de retorno”, afirma Carey.

Como detectar uma corrente de retorno

Sobreviver a uma corrente de retorno começa antes mesmo de entrar na água, alerta Carey. “Evitar é a coisa mais importante: nade em uma praia protegida por salva-vidas e converse com o salva-vidas de plantão sobre as condições do oceano para o dia”, recomenda ela. “Também é muito importante saber nadar e flutuar antes de se aventurar até o fundo do oceano”.

Aprender a detectar uma corrente de retorno pode ajudar a evitar ser pego, acrescenta a especialista. Por exemplo, as correntes de retorno acima dos canais profundos de bancos de areia parecem remendos calmos da água. Estas águas mais calmas estão muitas vezes entre turbulentas ondas que se quebram, apresentando um caminho convidativo para banhistas inexperientes, e é aí que mora o perigo “Às vezes as pessoas inadvertidamente entram na água em um dos locais mais perigosos apenas porque a área parece calma”, conta Carey.

4 técnicas de sobrevivência que todos deveriam aprender

Os seguintes recursos também poderiam sinalizar que há uma corrente de retorno na água, de acordo com a USLA:

  • Um canal de água agitada
  • Uma área com uma cor diferente do resto da água
  • Uma linha de espuma, algas ou detritos que está se movendo para o mar
  • Uma pausa nas ondas

Mesmo se você não detectar qualquer um desses sinais, uma corrente de retorno poderia ainda estar em andamento. A USLA recomenda usar óculos polarizados para ver essas características do oceano com mais clareza.

Como sobreviver a uma corrente de retorno

É fácil ser pego em uma corrente de retorno. Na maioria das vezes, isso acontece na água até a cintura, dizem os especialistas. Uma pessoa mergulha sob uma onda, mas quando ressurge da água descobre que está muito mais distante da praia e ainda está sendo puxada para longe.

O que a pessoa que está nesta situação faz em seguida pode decidir seu destino.

Aqueles que entendem a dinâmica das correntes de retorno aconselham, acima de tudo, calma. O segredo é conservar energia. A corrente de retorno é como uma gigante esteira de água que você não pode desligar, por isso não faz nenhum bem tentar nadar contra ela. Isso só vai fazer você cansar, o que pode ser fatal quando se está longe da costa.

“Mesmo pequenas correntes podem fluir mais rápido do que uma pessoa pode nadar. Você não deve tentar nadar contra a corrente”, aconselha Carey.

Correntes de retorno são frequentemente estreitas, e a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) e a USLA sugerem tentar nadar na horizontal, paralelamente à costa e para fora da corrente. Uma vez que você tenha saído da corrente, você pode começar a nadar de volta à costa.

“Você pode querer nadar em direção a onde as ondas estão quebrando”, diz Carey. “Isso pode ajudar a guiá-lo para fora da corrente”.

No entanto, se é muito difícil nadar lateralmente para fora da corrente, tente flutuar ou pisar no fundo e deixe a natureza fazer o que deve fazer. Você vai sair fora da corrente em algum ponto e pode então fazer o seu caminho de volta para a costa. As últimas pesquisas indicam que muitas correntes de retorno voltam para a costa, e poderiam transportar nadadores encalhados juntamente com o retorno da corrente. Mas nem todas as correntes de retorno agem desta forma, alerta Carey, portanto nadar paralelamente à costa ainda é a primeira recomendação dos especialistas.

Como sobreviver a uma queda de mais de 70 metros de uma ponte

Se nadar não parece estar funcionando para você, conserve sua energia flutuando ou pisando no fundo. Quando conseguir fazer isso, tente chamar a atenção de alguém em terra, de preferência um salva-vidas.

Caso você veja alguém ser pego em uma corrente de retorno, não se torne também uma vítima ao tentar entrar lá para salvar o banhista desavisado. Isso provavelmente só vai causar dois afogamentos, e não um. A USLA sugere que você:

  • Obtenha ajuda de um salva-vidas.
  • Se um salva-vidas não estiver disponível, ligue para o número de emergência.
  • Não tente resgatar a pessoa, a menos que seja o último recurso e você tenha uma jangada, bodyboard ou colete salva-vidas com você. Se você chegar suficientemente perto da vítima, jogue para a pessoa um dispositivo flutuante como um colete salva-vidas ou tubo inflável.
  • Você também pode gritar instruções sobre como escapar de uma corrente de retorno para a pessoa encalhada.

“Há muitas histórias trágicas em que alguém entrou em uma corrente para tentar salvar alguém e ambos se tornaram vítimas de afogamento”, alerta Carey. [Live Science]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (15 votos, média: 4,80 de 5)

Deixe seu comentário!