Efeito placebo: mesmo quando os pacientes sabem que estão tomando remédios falsos, há efeitos positivos

Por , em 26.12.2010

A psicologia humana realmente é algo complicado. Não é de hoje que os “placebos” são valorizados pela sua suposta capacidade de fazer nada: ao contrário de medicamentos com substâncias ativas, placebos derivam sua capacidade de cura da psicologia, enganando os pacientes que pensam tomar um remédio de verdade.

No entanto, um novo estudo mostra que os placebos podem oferecer um tratamento eficaz mesmo quando os pacientes sabem que estão tomando uma “pílula falsa”.

Os pesquisadores deram a 80 pacientes com síndrome do intestino irritável (SII) dois tratamentos. Um grupo, o de controle, recebeu apenas consultas com médicos e enfermeiros. O segundo grupo recebeu as mesmas consultas, mais comprimidos de celulose inertes, que foram claramente identificados como “placebos”, e foram orientados a tomá-lo duas vezes por dia.

Entre os participantes do estudo, 59% dos que, conscientemente, tomaram um comprimido de placebo disseram que seus sintomas foram suficientemente aliviados depois de três semanas, enquanto apenas 35% dos pacientes que não tomaram remédios relataram tal alívio.

Na maioria dos estudos sobre medicamentos, um tratamento que funcione 20% melhor do que o grupo de controle é visto como estatisticamente e clinicamente significativo. Na nova pesquisa, os resultados surpreendentes mostram algo que é quase duas vezes mais significativo.

De fato, o estudo mostrou que os efeitos das pílulas placebo foram comparáveis aos efeitos do poderoso, mas arriscado, alosetron, medicamento para SII vendido sob a marca Lotronex.

Os pesquisadores resolveram realizar esse estudo quando uma pesquisa anterior mostrou que cerca de 50% dos médicos americanos davam placebos a seus pacientes, sem avisá-los, porque os pacientes respondiam muito bem a eles.

O entendimento atual sobre placebo era que, para que eles funcionassem, os pacientes tinham de acreditar firmemente que aquilo era uma droga real, ativa. Mas o novo estudo desafia esse pensamento. De alguma forma, o efeito placebo ainda existe, e ainda pode ter um poderoso resultado positivo, mesmo quando os pacientes sabem que não estão tomando uma droga ativa.

É comum que pacientes de ensaios clínicos se preocupem em receber placebos. A ideia é de que eles não receberão o tratamento adequado. Os pesquisadores dizem que esse estudo é uma forma de aprender mais sobre placebos e medir os efeitos com total transparência, confiança e consentimento informado.

No entanto, apesar da pesquisa ser forte e avançada, mais estudos serão necessários para replicar os resultados em um grupo maior de pacientes. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

8 comentários

  • Rodrigo Paim:

    Mas isso não seria uma forma de placebo ?

    O efeito placebo não vem da capacidade do organismo de reagir a “energias” positivas ?

    Exemplo: uma pessoa que toma um placebo, mas acha que é remédio mesmo, acha que o suposto remédio vai cura-la, e termina ocorrendo o efeito placebo.

    Se uma pessoa que toma um placebo achar mesmo que o placebo vai cura-la, não é basicamente a mesma coisa ?

  • Everton Carlos da Costa Cardoso:

    Isso mostra e confirma o grande poder da mente humana. O efeito psicológico agindo em benefício do corpo humano. “Mente sã em corpo são”.

  • Felipe:

    as pessoas q não conhecem o placebo pensam q estão tomando remedios q curam e se sentem sendo curadas, então estas pessoas estão emitindo sinais de que estão sendo curadas e estão atraindo mais disso. isto se chama a lei da atração

  • Tony Amorim:

    Pergunta: Por que medicamentos-placebo não são geralmente utilizados?

    Resposta: Por causa dos interesses econômicos das poderosas companias farmacêuticas, afinal uma pílula de farinha não daria mesmo muito lucro né?

  • eduardo:

    Claro q os comprimidos faziam efeito… os pacientes q tomaram esses “medicamentos” não sabem o que é placebo… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk….. eles acharam q é o nome do remédio…… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • ana paula camoesas:

    A análise que eu faço deste artigo,é que se a maior parte das pessoas se sente curada ou melhor,só com falsos medicamentos,então é porque o poder da mente é realmente a melhor cura.

  • Davidson Lima:

    Só observei um erro no artigo: “O entendimento atual sobre placebo era que …” Se é atual, como “era” ?
    Fora isso, sua tradução foi muito boa, Natasha. Interessante.

  • VILMA MARIA DE LOURDES:

    DEVERIAM ADOTAR ESSE METODO DIFINITIVAMENTO AO SUS.
    QUE ALIAS É SÓ ISSO PENSAMOS QUE ESTAMOS SENDO BEM ATENDIDOS.
    QUE NADA. A SAUDE DO BRASIL ESTÁ NA UTI.

Deixe seu comentário!