Se você contraiu o covid-19 o seu cérebro pode estar 10 anos mais velho: estudo

Por , em 28.10.2020

Além de poder prejudicar o seu corpo de inúmeras maneiras o Covid-19 pode afetar o seu cérebro. Os efeitos cognitivos do coronavírus podem durar meses em certos casos, de acordo com os pesquisadores.

Pessoas se recuperando do COVID-19 podem sofrer impactos significativos nas funções cerebrais, com os piores casos de infecção vinculados ao declínio mental equivalente ao envelhecimento do cérebro em 10 anos, alertaram os pesquisadores na terça-feira.

Um estudo ainda não revisado por pares com mais de 84 mil pessoas, liderado por Adam Hampshire, médico do Imperial College London, descobriu que, em alguns casos graves, a infecção por coronavírus está ligada a déficits cognitivos substanciais por meses.

“Nossas análises … alinham-se com a visão de que existem consequências cognitivas crônicas de [contrair] COVID-19”, escreveram os pesquisadores em um relatório sobre as descobertas. “Pessoas que se recuperaram, incluindo aquelas que não relataram mais sintomas, exibiram déficits cognitivos significativos.”

Os testes cognitivos medem o quão bem o cérebro executa tarefas, como lembrar palavras ou juntar peças em um quebra-cabeça. Esses testes são amplamente usados ​​para avaliar o desempenho do cérebro em doenças como Alzheimer e também podem ajudar os médicos a avaliar deficiências cerebrais temporárias.

A equipe de analisou os resultados de 84.285 pessoas que completaram um estudo chamado Great British Intelligence Test. As descobertas, que ainda não foram revisadas por outros especialistas, foram publicadas online no site do MedRxiv.

Os déficits cognitivos foram “de tamanho de efeito substancial”, particularmente entre pessoas que foram hospitalizadas com COVID-19, disseram os pesquisadores, com os piores casos mostrando impactos “equivalentes ao declínio médio de 10 anos no desempenho global entre as idades de 20 a 70.”

Cientistas não envolvidos diretamente com o estudo, no entanto, disseram que devemos ser cautelosos.

“A função cognitiva dos participantes não era conhecida antes do COVID, e os resultados também não refletem a recuperação a longo prazo portanto, quaisquer efeitos na cognição podem ser de curto prazo”, afirmou Joanna Wardlaw, professora de neuroimagem aplicada na Universidade de Edimburgo.

Derek Hill, professor de ciência da imagem médica na University College London, também observou que as descobertas do estudo não podiam ser totalmente confiáveis, uma vez que não comparavam as pontuações antes e depois e envolviam um grande número de pessoas que relataram ter contraído coronavírus mas sem comprovação de teste positivo.

“No geral (esta é) uma pesquisa intrigante, mas inconclusiva, sobre o efeito do COVID no cérebro”, disse Hill.

“À medida que os pesquisadores buscam entender melhor o impacto de longo prazo do COVID, será importante investigar mais a fundo até que ponto a cognição é afetada nas semanas e meses após a infecção e se danos permanentes à função cerebral resultam em algumas pessoas.”

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

Deixe seu comentário!