Sonda da NASA detecta pistas de oxigênio na lua Dione

Por , em 15.03.2012

A sonda Cassini, da NASA, detectou pistas da existência de íons de oxigênio molecular ao redor da lua gelada Dione, de Saturno, pela primeira vez, confirmando a presença de uma atmosfera muito tênue.

Os íons são um tanto esparsos – um para cada 11 centímetros cúbicos de espaço ou 90 mil por metro cúbico. Na superfície da Dione, sua atmosfera seria densa como a da Terra a 480 quilômetros da superfície. A atmosfera é conhecida como exosfera.

“Nós sabemos que a Dione, assim como os anéis de Saturno e a lua Rhea, é uma fonte de moléculas de oxigênio”, comenta Robert Tokar, membro da equipe Cassini. “Isso mostra que o oxigênio molecular é na verdade comum no sistema de Saturno, e reforça de que isso pode acontecer em um processo que não envolve a vida”.

O oxigênio da Dione parece vir de fótons solares ou partículas energéticas do espaço, que bombardeiam a superfície de gelo da lua, e liberam as moléculas. Mas os cientistas estão procurando por outros processos, incluindo os geológicos.

“Os cientistas não tinham nem certeza de que a Dione era grande o suficiente para aguentar uma exosfera, mas essa nova pesquisa mostra que ela é ainda mais interessante do que se pensava”, comenta Amanda Hendrix, também da Cassini.

Vários corpos sólidos do sistema solar – incluindo a Terra, Vênus, Marte e a maior lua de Saturno, a Titã – têm atmosferas. Mas elas tendem a serem muito mais densas do que a da Dione.

Entretanto, os cientistas do Cassini detectaram uma fina exosfera ao redor da lua de Saturno, Rhea, em 2010, muito similar a da Dione. A densidade do oxigênio nas superfícies da Dione e da Rhea é cerca de cinco trilhões de vezes menor do que a da Terra.

Tokar comenta que os cientistas suspeitavam da existência de oxigênio molecular na Dione porque o Hubble havia detectado ozônio. Mas isso não foi possível até a Cassini voar a cerca de 503 quilômetros da superfície da lua, com seu espectrômetro de plasma.[SpaceDaily]

Agradecimentos: ao leitor Jonatas, pela dica de artigo.

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

18 comentários

  • R^ml:

    Mais uma evidência que as experiências que especulam a abiogênese na Terra são infundadas, isto é, se há presença de ozônio em astros sem oceanos aquosos, imaginem na Terra primitiva com tamanha abundância de água.

    Qual será a fonte do oxigênio molecular nestes astros? Radiação sobre o gelo, ou seja, dissociação aquosa? Se isso acontece lá, com tão pouca quantidade de água, porque não haveria de ser assim na Terra?

    Hoje, e somente hoje, o equilíbrio dos gases da atmosfera terrestre é afetado pela [biomassa respirante]. Mas para, a partir [disso], inferir que somente houve atmosfera oxidativa no nosso planeta, tem-se que “forçar uma barra”.

    • Jonatas:

      A tua ponderação é pertinente de alguém que acompanha os estudos do Sistema Solar, mas você esqueceu um pequeno detalhe: A Terra tem um campo magnético forte que a protege dessa radiação, e uma atmosfera muito mais densa onde o Nitrogênio é o elemento predominante, essas pobres luinhas não, além de estarem rebocadas pela super gravitação de Saturno.
      E a quantidade de água lá não é pouca não, é substancial. No Sistema Solar exterior, os corpos possuem baixas densidades, mesmo os sólidos. Esses astros são os chamados gelo-rochosos, isto é, sua crosta é uma mistura difusa de gelo e rocha. Quando a Voyager passou por Saturno, já confirmou que a crosta de Dione é 40% rocha e 60% gelo, isto que é a segunda lua mais densa de Saturno, perdendo só pra Titã.
      Existe outras causas possíveis para essa tênue atmosfera, crio-vulcões, choques de pequenos meteoritos (comuns no espaço saturnino), entre outras.
      Fato interessante: Dione tem uma ressonância orbital 1:2 com Encélado, ou seja, completa uma volta em torno de Saturno a cada duas voltas de Encélado. Tal ressonância carrega parte da culpa da intensa atividade geológica de Encélado, que tem metade do tamanho de Dione, também tem uma atmosfera mais densa e gêiseres que formam um dos anéis de Saturno.

  • Jozisxx:

    não tem nenhuma LUA ai ,tem alguns satélites naturais, LUA é o nome do satélite natural da Terra.

    • Peregrin:

      Tecnicamente você está correto: Lua(nome) se refere ao nosso satélite natural da Terra, e é realmente o único que tem este nome. Porém, lua(substantivo) existe, e se refere a qualquer satélite natural de um planeta, por isso, referir-se a qualquer outro satélite natural como lua(substantivo) não está errado. (Fonte: Dicionário Michaellis)

    • Juliano:

      aff, um espertão! lua é o nome dado para todos os satélites naturais de qualquer planeta. Ou os cientistas usam o termo “exo-luas”, para luas de sistemas extra-solares, mas na verdade eles estão errados???

      Dá para ver que seu comentário foi só para chamar a atenção!

  • lucas:

    uma no canto direito, uma acima do anel, e duas abaixo da sombra do anel

  • Jonatas:

    Pessoal, atenção, grande desafio, valendo uma viagem de ida com todas as despesas pagas e dois acompanhantes para os Anéis de Saturno.

    Domínios de Saturno

    Desafio: Quantas luas de Saturno da para ver nessa foto do link que postei acima?

    • junior:

      duas foras e duas na parte de baixo, se eu estiver certo, quero converter a viagem pra Bora Bora e o dinheiro extra gastado em benefícios no hotel, rs

    • Walrus:

      Eu comecei a procurar, mas descobri que a tela do meu computador está cheia de sujeira, e isso atrapalhou a contagem (que já estava em dez, mais ou menos…)

    • Astronomo Amador:

      2 luas, uma delas bem perto da parte superior dos aneis

    • Elton:

      Só de ida?
      Tô fora!
      Quero voltar pra minha mãe terra acolhedora e calorosa depois da viajem!

    • Jonatas:

      Pra viagem de volta tem que acertar o nome das luas que aparecem na foto. 🙂

    • Eduardo:

      Jonatas, se eu acertar, posso enviar minha sogra, a mãe dela e mãe da mãe dela? (E você se que tá lendo e se achava azarado, hein? :P)

    • Jonatas:

      Resposta:
      Quem vai pra Saturno é quem disse duas luas.

      São Titã (grande e abaixo) e Prometeu (minúsculo, logo acima ao anel), no canto direito da imagem da imagem. Os que responderam quatro não estão tão errados, mas a pergunta era “quais luas da para ver”, e os dois pontinhos pretos abaixo das sombras dos anéis são apenas sombras de luas, as luas não podem ser vistas. As sombras são de Pandora e provavelmente Atlas.

      Parabéns ao vencedor: irá para Saturno o Astrônomo Amador, favor entrar em contato com a Base de Alcântara no Maranhão.
      🙂

      E quem errou o prêmio de Consolação será escolher ou Mercúrio no Verão ou Plutão no Inverno para visitar junto com as sogras do Eduardo.

    • Jonatas:

      Confiram a reportagem sobre a foto aqui.

  • André Luis:

    O nosso Sistema Solar é repleto de curiosidades! Inclusive as luas de Júpiter e Saturno.

    • Jonatas:

      – Galileu Galilei foi o pioneiro em observar Júpiter, suas nuvens e suas quatro luas principais, em sua homenagem a sonda Galileu fez grandes aventuras lá.
      – Giovanni Domenico Cassini, outro de origem italiana, fez grandes descobertas no sistema de Saturno e hoje a sonda que leva seu nome ainda está lá.
      – Christiaan Huygens Holandês que descobriu Titã, a maior lua de Saturno. A sonda filhote da Cassini, chamada Huygens, foi a primeira sonda humana a pousar numa lua de outro Planeta.

      Seguindo a linha, nada mais justo que uma futura sonda que vá orbitar entre os anéis escuros e as luas acidentadas de Urano chame-se Herschel, que foi o alemão descobridor do planeta, e a exploradora orbital do sistema neptuniano levar o nome do francês Le Verrier, matemático que descobriu Netuno. Sem dúvidas vão querer mandar uma sonda à superfície do mais interessante mundo nos confins dos domínios planetários, Tritão, e seu nome só poderá ser do descobridor, o inglês William Lassell.

  • Jonatas:

    Devido a baixa gravidade, provavelmente Rhea, Dione e Encélado, talvez Tétis e Lapetus, possuem atmosferas por produção e perda constante. Tem outras luas com sistemas atmosféricos complexos enriquecidos por sua atividade geológica, são elas Tritão, de Netuno, e Io, de Júpiter, chegam a formar nuvens. Nada que se compare a Titã, cuja estrutura atmosférica é tão densa que lhe esconde a superfície, como acontece em Vênus.
    Se considerarmos atmosfera as mais tênues formações, até a nossa Lua tem atmosfera, uma extremamente rarefeita camada gasosa capturada pela gravidade lunar constantemente do Vento Solar incidente.
    Tenho uma ideia de tipos de atmosferas no Sistema Solar:
    – Planetária: A dos Planetas Gigantes, onde a massa gasosa é mais que substancial, é a maior parte do Planeta.
    – Permanente: Densa e com nuvens: Terra, Vênus, Marte, e Titã. talvez também Io, Europa, Ganimedes, Calisto e Tritão, com gravitação suficiente para segurar os gases.
    – Produzida ou capturada e Perdida constantemente: Mercúrio, a Lua, Encélado, Dione e a maioria das luas menores que tiverem. Sua origem pode ser crio-vulcânica, sublimação do gelo superficial devido ao Sol, a radiação ou a meteoritos.
    – Transitória: A mais estranha, se forma de sublimação do gelo da superfície quando o Planeta entra no periélio, o ponto orbital mais perto do Sol, e cai de volta quando o Planeta se afasta desse ponto. A de Plutão é a única desse tipo já descoberta, mas acredita-se que a maioria dos planetas-anões plutóides seja assim.

Deixe seu comentário!