Estudo descobre a quarta fase da vida que mostra que o fim está próximo

Por , em 8.10.2017

Os biólogos separam a vida em três fases: desenvolvimento, envelhecimento e vida adiantada. Mas um crescente corpo de pesquisa agora sugere que há uma quarta fase imediatamente anterior à morte que os cientistas estão chamando de “espiral da morte”.

Ser sociável na infância leva a felicidade na vida adulta

Embora a maioria das pesquisas sobre a “espiral da morte” tenha se concentrado nas moscas da fruta, os cientistas acham que esses estudos podem oferecer uma visão valiosa da última etapa da vida humana também.

“Acreditamos que isso faz parte do processo da morte geneticamente programada, basicamente”, explica Laurence Mueller, presidente do Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva da Universidade da Califórnia, nos EUA.

Morte das moscas

Ao longo da última década, vários estudos com moscas da fruta sugeriram que esta espiral pode ser vista na queda da taxa reprodutiva (fecundidade), de acordo com uma revisão desta pesquisa por Mueller e seus colegas, publicada no início deste ano na revista Biogerontology. Por exemplo, os pesquisadores descobriram que o primeiro dia em que uma mosca fêmea colocou zero ovos foi um preditor significativo do fim da vida: os indicadores de fecundidade começaram a diminuir cerca de 10 dias antes de moscas jovens da fruta terem zero ovos. Os pesquisadores acham que o que leva à morte das moscas também afeta sua capacidade de reprodução nos últimos dias.

Na nova revisão, Mueller disse que o momento dessa queda corresponde a outra estimativa anterior da duração da espiral da morte. 10 dias podem ser até um terço da vida de uma mosca. Pesquisas a partir de 2002 sobre moscas da fruta do Mediterrâneo, chamadas de moscas-do-mediterrâneo, descobriram que 97% dos machos começaram a ficar de cabeça para baixo cerca de 16 dias antes de morrer. Em termos relativos, esse indicador potencial de uma espiral da morte também é aproximadamente igual ao momento do declínio da fecundidade nas moscas da fruta.

Em outro estudo, cientistas observaram moscas da fruta, nemátodos e peixes-zebra para ver se seus intestinos exibiam maior vazamento antes da morte. Os pesquisadores testaram essa vazamento, chamado permeabilidade, dando corantes para cada animal. Se a permeabilidade aumentasse, esse corante escaparia para dentro do corpo do animal, e seu corpo mudaria de cor – azul nas moscas e nos peixes e verde fluorescente nos nemátodos. A pesquisa, publicada em 22 de março na revista Scientific Reports, concluiu que esse vazamento intestinal foi um marcador de morte nas três espécies.

A morte é uma mera ilusão da percepção humana?

Uma espiral de morte humana?

A esperança é que a investigação da espiral da morte em moscas da fruta e outros organismos poderia algum dia dizer aos cientistas mais sobre o declínio dos humanos antes da morte.

Em seu artigo de revisão, Mueller e seus colegas citaram um estudo de 2008 publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences que mostra evidências de que as pessoas podem experimentar a espiral da morte também. Nesse estudo, os pesquisadores analisaram os dados coletados sobre as habilidades físicas e cognitivas de 2.262 pessoas dinamarquesas, com idades entre 92 e 100 anos, entre 1998 e 2005. Eles descobriram que as pontuações físicas e cognitivas de indivíduos que morreram nos dois primeiros anos do estudo foram significativamente inferiores às pontuações daqueles que ainda estavam vivos em 2005. As avaliações incluíram medidas de força de aderência, capacidade de completar atividades diárias (como usar o banheiro e comer) e exames que ajudaram a avaliar o comprometimento cognitivo.

Basicamente, Mueller disse, uma espiral da morte nas pessoas poderia ser a razão pela qual muitas vezes vemos um aumento distinto na deficiências antes de uma pessoa morrer. Os seres humanos são desafios para assuntos de estudo, tanto por razões éticas como biológicas, mas a visão da espiral da morte em outros organismos poderia dar aos cientistas uma janela sobre como isso funciona em humanos, disseram os pesquisadores.

De acordo com Mueller, o próximo passo nesta pesquisa pode ser criar seletivamente as moscas para criar grupos que experimentam espirais de morte de diferentes durações.

“Uma vez que você cria populações que são geneticamente diferentes dessa maneira, você pode perguntar: ‘Que genes foram alterados para reduzir o comprimento da espiral da morte?”, prevê Mueller. Usando esse conhecimento, os pesquisadores poderiam procurar no genoma humano por marcadores genéticos similares. Os seres humanos são geneticamente semelhantes às moscas da fruta, observa Mueller. De acordo com o site yourgenome.com, um site do Wellcome Genome Campus, um grupo que concentra dados genéticos, 75% dos genes que causam doenças em seres humanos também estão presentes nas moscas da fruta.

É por isso que o “você” do pós-vida não seria você

Mueller diz que a pesquisa não é sobre parar ou mesmo atrasar a morte. Em vez disso, ele vê isso como uma forma de melhorar a qualidade de vida das pessoas quando elas estão chegando ao fim e, potencialmente, economizar imensas quantidades de dinheiro em cuidados de saúde no fim de vida.

“Mesmo que não sejamos capazes de afetar quando você morre, gostaríamos de torná-lo totalmente funcional até o dia da sua morte”, disse ele. [Live Science]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (13 votos, média: 4,00 de 5)

5 comentários

  • Romualdo Rodrigues da Silva:

    Temos ,na filosofia,a Teoria de Leibinitz sobre a Mônada;que seria uma partícula imaterial,prefiro chamar de não material consciente.

  • Adriano Lima:

    Acredito q após a morte a nossa consciência fica no mesmo estado de qdo estamos dormindo porém eternamente e s\controle do q tá acontecendo.

    • Cesar Grossmann:

      Complicado, Adriano. Sem cérebro para hospedar a mente, existe mente?

  • Charles Willian:

    o grande fator relevante não é se tendenciamos a morte, e sim se nossa consciência permanece viva após ela, pela física quântica é possível.

    • Cesar Grossmann:

      Charles, não há nada na Física Quântica que afirme que a consciência sobreviva à morte do corpo.

Deixe seu comentário!