Estudo descobre qual a diferença da “brisa” dos cogumelos mágicos e do LSD

Por , em 3.03.2022
Cogumelos mágicos e LSD
Cogumelos mágicos P. cubensis desidratados e LSD em blots

Um novo estudo publicado na revista Neuropsychopharmacology relatou os resultados da primeira investigação clínica moderna para comparar os efeitos agudos dos psicodélicos LSD e psilocibina. O estudo de referência revela pouca diferença subjetiva entre as duas drogas psicodélicas além dos efeitos do LSD que duram mais do que a psilocibina.

A pesquisa clínica sobre os usos terapêuticos de drogas psicodélicas continua avançando em um ritmo incrível. Os cientistas estão atualmente investigando como os psicodélicos podem ser usados ​​para tratar tudo, desde depressão e ansiedade até dores de cabeça em salvas e doença de Alzheimer.

Mas algo que não foi investigado clinicamente são as diferenças entre LSD e psilocibina. E entender essas diferenças será importante à medida que os pesquisadores psicodélicos se concentram nas melhores maneiras de utilizar terapeuticamente essas substâncias que eram consideradas tabu.

Banner Cogumelos Mágicos

Curiosamente, as diferenças entre LSD e psilocibina (a substância psicodélica encontrada em cogumelos mágicos) geralmente dependem de um binário natural versus sintético. Cogumelos são naturais, então eles levam a experiências místicas, orgânicas e introspectivas enquanto o LSD é sintético, gerando experiências elétricas, irregulares e de ficção científica. Mas deixando de lado os contextos recreativos e ampliando os efeitos agudos das drogas específicas, tem havido muito pouca pesquisa comparando diretamente os dois psicodélicos.

Um dos primeiros estudos comparando diretamente os efeitos do LSD e da psilocibina foi realizado em 1959 pelo controverso farmacologista Harris Isbell. O trabalho de Isbell com psicodélicos começou no final dos anos 1950, supostamente a pedido da CIA, e foi conduzido principalmente usando prisioneiros afro-americanos na prisão por delitos de narcóticos. Curiosamente, suas descobertas iniciais, indicando que as duas drogas geram efeitos experimentais semelhantes que ecoam as descobertas desta pesquisa recém-publicada.

O novo estudo, liderado por Matthias Liechti, da Universidade de Basel, recrutou 28 participantes saudáveis, cerca de metade dos quais nunca havia tomado uma droga psicodélica antes. Cada voluntário completou cinco sessões de teste diferentes: placebo, LSD (100 e 200 microgramas) e psilocibina (15 e 30 miligramas). As sessões foram duplo-cegas, randomizadas e cada uma separada por pelo menos 10 dias.

Uma série de medidas fisiológicas e subjetivas foram usadas para acompanhar os efeitos de cada experiência psicodélica. Além da pressão arterial, frequência cardíaca e temperatura corporal, os pesquisadores coletaram amostras regulares de sangue rastreando hormônios como cortisol e ocitocina. Os níveis de uma molécula chamada fator neurotrófico derivado do cérebro (FNDC) também foram rastreados, pois estudos anteriores indicaram que poderia ser um marcador útil para a neurogênese, ou seja, a produção de novos neurônios no cérebro.

“Os efeitos subjetivos que foram induzidos por ambas as doses de LSD e a alta dose de 30 mg de psilocibina foram amplamente comparáveis, enquanto 15 mg de psilocibina exerceram efeitos claramente mais fracos”, escrevem os pesquisadores no estudo. “As classificações da dose alta de 30 mg de psilocibina estavam nominalmente entre as doses de 100 e 200 µg de LSD, indicando que 30 mg de psilocibina corresponde a 150 µg de base de LSD, uma dose que não foi testada aqui.”

Em várias escalas usadas para medir estados alterados subjetivos de consciência, as diferenças entre os dois psicodélicos eram principalmente dependentes da dose. A dose mais alta de psilocibina testada levou a efeitos subjetivos ligeiramente menores em comparação com a dose mais alta de LSD.

Fisiologicamente, os efeitos das duas drogas foram ligeiramente diferentes. A psilocibina pareceu levar a maiores aumentos na pressão arterial, enquanto o LSD resultou em aumento da frequência cardíaca. No geral, no entanto, os pesquisadores indicam que essas diferenças foram pouco significativas.

“Ao combinar elevações da frequência cardíaca e da pressão arterial no produto taxa-pressão, a alta dose de psilocibina (30 mg) e ambas as doses de LSD (100 e 200 µg) exerceram estimulação cardiovascular semelhante em geral, enquanto a dose de 15 mg de psilocibina exerceu efeitos gerais mais fracos”, escreveram os pesquisadores.

Talvez o mais interessante, o estudo relatou “cegueira” altamente eficaz. Isso significa que muito poucos indivíduos adivinharam corretamente qual medicamento e dose foram administrados, exceto quando receberam um placebo.

“Geralmente, tanto as doses baixas quanto as altas eram mais propensas a serem confundidas umas com as outras, em vez de a dose alta ser confundida exclusivamente com a dose baixa”, escrevem os pesquisadores. “Curiosamente, esse ainda era o caso no final do estudo, apesar das diferenças claras nas durações dos efeitos entre o LSD e a psilocibina que poderiam desmascarar a cegueira entre as substâncias”. A viagem do LSD costuma durar 50 a 100% mais tempo do que a da psilocibina.

Essas descobertas, é claro, não querem dizer que não haja diferenças entre a psilocibina e o LSD. Os pesquisadores são cautelosos ao notar que o estudo foi realizado em indivíduos saudáveis ​​usando um ambiente altamente controlado. Portanto, ainda pode haver diferenças terapêuticas entre as duas drogas, dependendo das condições que estão sendo usadas para tratar.

Além disso, o estudo utilizou doses controladas de psilocibina pura sintetizada. Algumas pessoas argumentam que o efeito holístico dos cogumelos mágicos pode ser influenciado pelas interações mais amplas entre diferentes compostos em todo o fungo. Essa ideia, que podemos chamar de efeito de conjunto , ainda precisa ser investigada rigorosamente em termos de comparação da experiência subjetiva de cogumelos mágicos inteiros versus psilocibina pura.

Em última análise, os pesquisadores sugerem que as descobertas podem informar a determinação da dose para futuros ensaios de terapia assistida por psicodélicos. As descobertas também apontam para o poder do ambiente mental e do ambiente externo em afetar as características das experiências psicodélicas. Considerando a narrativa anedótica de longa data das diferenças entre esses dois psicodélicos, este estudo oferece a sugestão provocativa de que talvez essas duas substâncias sejam mais semelhantes do que muitos pensam.

“Essas descobertas apoiam ainda mais a visão de que as alterações dos estados de consciência que são induzidas pelo LSD e psilocibina são mais provavelmente dependentes da dose do que dependentes da substância e que as diferenças em seus perfis farmacológicos não influenciam de forma relevante os efeitos experimentados subjetivamente”, os pesquisadores concluíram.

O novo estudo foi publicado na revista científica Neuropsychopharmacology. [New Atlas]

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

Deixe seu comentário!