Estudo: polvos são possivelmente aliens que chegaram à Terra de cometa

Por , em 16.05.2018

Um novo estudo publicado por um grupo de 33 cientistas de diversas universidades do mundo todo levantou uma hipótese assustadora e intrigante: que o repentino florescimento da vida durante a era cambriana – muitas vezes referida como Explosão Cambriana – se deve a basicamente a vida alienígena chegando na Terra de cometa.

A ideia é de que a vida pode ter sido semeada no nosso planeta por cometas carregando organismos vivos, como bactérias, vírus, células eucarióticas mais complexas e até óvulos fertilizados resistentes ao espaço. Uma evidência disso? Os polvos (já voltaremos nesse ponto).

Uma vez que as condições na Terra permitiram que tais “sementes aliens” florescessem, essa “importação espacial” se tornou um importante condutor de evolução terrestre que resultou em considerável diversidade genética e que levou ao surgimento da humanidade.

A hipótese, formulada por membros da Universidade de Buckingham (Reino Unido), Universidade Tecnológica de Michigan (EUA), Universidade de Ruhuna (Sri Lanka), Universidade de Melbourne (Austrália) e Universidade de Toronto (Canadá), além de outras intuições desses países e também da Alemanha, Itália, Bélgica, China, Japão, Índia e África do Sul, está disponível gratuitamente (em inglês) para leitura na revista Progress in Biophysics and Molecular Biology, pertencente à Elsevier, a maior editora de literatura médica e científica do mundo.

Como assim os polvos são aliens?

A hipótese do artigo se baseia em uma expansão da teoria Hoyle-Wickramasinghe de panspermia cometária. O grupo de cientistas revisou a evidência consistente com ou prevista pela teoria criada inicialmente por Fred Hoyle e Chandra Wickramasinghe.

Uma dessas evidências são os estudos recentes que datam o surgimento de retrovírus complexos em linhagens de vertebrados como tendo ocorrido durante ou logo antes da Explosão Cambriana. Esses vírus estão plausivelmente associados a grandes processos genômicos evolutivos. E uma vez que esses processos de extinção e diversificação da vida coincidem temporalmente com eventos de bombardeamento cometários, os pesquisadores acreditam que esses vírus podem ter viajado do espaço para a Terra nos cometas.

Uma segunda evidência seria a notável e rápida evolução dos cefalópodes, culminando no surgimento dos polvos. De acordo com o documento, o genoma do polvo mostra um nível impressionante de complexidade, com 33.000 genes codificadores de proteínas, mais do que está presente no Homo sapiens.

Esses animais possuem características marcantes que apareceram repentinamente na cena evolucionária, por exemplo, cérebro grande e sistema nervoso sofisticado (os cefalópodes, especialmente os polvos, são considerados os mais inteligentes de todos os não vertebrados, com a maior proporção cérebro-corpo), olhos semelhantes a câmeras, corpos flexíveis e capacidade de camuflagem, como mudar de cor e forma.

Foi do nada ou do espaço?

Os genes que são vistos nos nautilóides ancestrais comuns a chocos e lulas de hoje não são facilmente encontrados em qualquer forma de vida pré-existente.

Assim, o artigo indica que “[é] plausível sugerir que eles parecem ser emprestados de um futuro distante em termos de evolução terrestre, ou mais realisticamente do cosmos em geral”. Ou seja, uma teoria admissível para o aparecimento repentino desses novos e complexos genes é que eles são “importações extraterrestres”, provavelmente já na forma de um grupo coerente de genes funcionais dentro de ovos fertilizados criopreservados.

Doido? Com certeza. Impossível? Aí é outra história.

Segundo os cientistas, a possibilidade de que ovos criopreservados de lulas e/ou polvos chegaram na Terra em cometas gelados não deve ser desconsiderada, pois seria uma explicação parcimoniosa para a súbita emergência desses animais no planeta há cerca de 270 milhões de anos.

Os pesquisadores não falam nada sobre isso em seu artigo, mas tem um outro fator que parece importante para acreditarmos que polvos são aliens: eles realmente parecem aliens.

Outras evidências

Além do surgimento de retrovírus complexos e dos incríveis polvos alienígenas, o estudo ainda menciona um terceiro motivo para acreditarmos que a vida na Terra foi povoada por germes vindos do espaço: a evidência fóssil de microrganismos contidos nos meteoritos, bem como a detecção na atmosfera superior de aparentes partículas portadoras de vida no espaço.

Os pesquisadores afirmam que todos esses dados e análises críticas reunidos por diversos estudos desde a década de 1960 leva a uma conclusão muito plausível de que a vida no nosso incrível planeta pode ter sido semeada por cometas. [express, elsevier]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (79 votos, média: 4,59 de 5)

4 comentários

  • Welton Vaz de Souza:

    É brincadeira essa reportagem, adoro o hypescience.com, mas esse artigo e de um mal gosto, e a responsável pelo mesmo não leu o artigo que deu origem a matéria na na revista Progress in Biophysics and Molecular Biology.

  • Willian Lima:

    I don’t know, therefore: Aliens!
    Uma forma simples de testar essas afirmações é verificar se os genomas dos polvos são compatíveis com o do restante dos seres vivos da Terra, mesmo os mais primitivos, o que provavelmente é.

  • Antonio Celso Ribeiro:

    Os parecem aliens… como assim, parecem? Alguém já viu um alien, para poder compara-lo?

  • Cristiano Moreira:

    Nem vou falar muito, vai que é doença!

Deixe seu comentário!