Paranormal? estudante tem “experiências fora do corpo” sempre que quiser

Por , em 11.03.2014

Você já deve ter ouvido por aí várias especulações sobre as chamadas “Experiências Fora do Corpo” (EFC). Para alguns místicos, esta se trata de uma atividade paranormal, em que a “alma” sai do seu corpo para dar um passeio. Mas, graças ao relato de uma estudante canadense, os cientistas puderam desvendar os mistérios por trás dessas experiências e constatar que, na verdade, não existe nada de paranormal acontecendo.

Tudo começou em uma aula sobre “Experiências Fora do Corpo”, lecionada na Universidade de Ottawa, no Canadá. Depois de ouvir tudo o que o professor tinha para falar, uma jovem de 24 anos fez uma declaração um tanto inesperada, ao dizer que “achava que todo mundo poderia fazer aquilo”. Aparentemente, ela conseguia viver essas experiências sempre que quisesse – o que fazia dela a primeira pessoa com essa condição a ser minuciosamente estudada.

O resultado desse estudo, que agora aparece na Frontiers in Human Neuroscience, descreve a condição como uma espécie de ilusão, onde a capacidade de uma pessoa de acompanhar a posição de seu corpo no espaço e no tempo é, de alguma forma, exteriorizada. Neste caso extraordinário, a estudante universitária afirma que pode fazer isso sempre que quiser, induzindo a sensação de poder experimentar seu corpo se movendo fora dos limites de seu corpo físico, mas mantendo-se consciente de que ele permanece imóvel. Sim, ela flutua acima de seu próprio corpo e o vê lá de cima, deitado e parado.

Ela disse que percebeu essa habilidade um tanto incomum ainda quando era criança, quando tinha dificuldade de pegar no sono. E conforme o tempo ia passando, ela simplesmente começava a flutuar sobre seu próprio corpo.

“Eu me movimento ou, mais precisamente, posso me sentir como se estivesse em movimento. Sei muito bem que eu não estou realmente em movimento”, contou a estudante aos pesquisadores. Ela também disse que, na verdade, fica hipersensível com relação ao próprio corpo durante uma EFC, porque está muito concentrada na sensação de movimento. “Por exemplo, se eu girar por muito tempo, fico com tontura”, completa.

Parece loucura, não?

Mas não é.

Após fazerem algumas ressonâncias magnéticas para acompanhar a atividade cerebral da garota e sua habilidade um tanto incomum, a equipe de pesquisadores do caso verificou uma forte “desativação do córtex visual”, enquanto o lado esquerdo de diversas áreas do cérebro associadas a imagens cinestésicas estava superativo. Cinestesia (diferente de sinestesia) é o conjunto de sensações pelas quais são percebidos os movimentos musculares – cujos estímulos vem do próprio organismo. Ou seja: essas áreas do cérebro permitem que você interaja de verdade com o mundo, sabendo onde seu corpo está de fato.

Por isso, as “experiências fora do corpo” são reais: a pessoa sabe exatamente o que está acontecendo, o que bate direitinho com o depoimento da estudante canadense.

Segundo os pesquisadores, essa habilidade acontece como resultado de uma lesão no cérebro, ou a partir de alguma droga que induza a ilusão. Eles também especulam outras hipóteses como a de que essa habilidade pode estar presente na infância, mas que é perdida com o tempo, se não for praticada regularmente. Acreditam também que é mais presente em jovens.

Mas se você quer muito ter uma experiência dessas e nunca conseguiu, os pesquisadores têm boas notícias para você. Eles também acreditam na hipótese de que essa habilidade pode ser desenvolvida.

E você, o que acha de tudo isso? [Pop Science, io9]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (4 votos, média: 5,00 de 5)

23 comentários

  • Gregorio Lima:

    eu tenho frequentemente esta experiencia

  • Carlos Marques de Pombal:

    Posto inteiramente de feminilidade e masculinidade. Não há as diferenças entre homens e mulheres. A natureza é junta com os homens e mulheres, deve ser transcendido. ninguém pode dividir a natureza. Ela consegue sempre dar a volta, a todo aquele que quiser domina-la

  • neutrino:

    Acreditar no mundo espiritual, tem gente que tem essa tendência naturalmente.

    Mas ceticismo em exagero também não leva a lugar nenhum.

    Deveria ter um equilíbrio,

    Os criacionistas estão ainda contando vantagem, porque até hoje a ciência não conseguiu descobrir a origem da vida.

    Agora surgiu esse mistério maluco de eqm .

    Se o cara morre e tem um corpo extrafísico que sobe. Que diferença isso faz?

    La, deve ser a mesma porcaria daqui.

    E deve estar cheio de ateu enperdenido.

    • Cesar Grossmann:

      A maioria dos ateus são pessoas gentis, educadas, trabalhadoras, que amam e retribuem o amor que recebem. Se “lá” está cheio de “ateu enpedernido(sic)”, para onde vão os ateus normais?

      Outra coisa, não existe ceticismo demais. Ser cético é demandar evidências de acordo com as afirmações. Afirmações extraordinárias pedem evidências extraordinárias, como dizia o astrônomo e cético Carl Sagan.

  • Markos RA Oliveira:

    Temos a mania de fazer elucubrações a respeito de um assunto sem considerar a dimensão dos fenômenos conectados.Eu posso deduzir que a garota está tendo ilusões, quanto a suposta viagem astral.Mas se avaliarmos todas as ocorrências nas chamadas EQMs, experiências similares, porém mais graves, teremos q explicar certas nuanças que modificam completamente este diagnóstico.Pessoas cegas q passaram a enxergar, experiências vívidas de mortes clínicas com monitoração cerebral indicando inatividade etc

    • Cesar Grossmann:

      Mas sem desconsiderar as explicações mais simples, como a de que a nossa monitoração da atividade cerebral não é profunda o suficiente para determinar se alguém está morto ou não.

      Esta história de cego voltando a ver eu nunca ouvi falar…

      Finalmente, existem elucubrações e existem estudos, é preciso fazer a diferença entre os dois.

  • Leon Fênix:

    Ao acordar, fui contar ao meu amigo. Quando cheguei no portão da casa dele e chamei, ele apareceu no corredor dizendo: ” Leon tive um sonho muito louco com vc e uma menina de kimono roxo, eu fugia dela e via vc de costas olhando pro céu. ”

    Enfim, para que eu não faça outro comentário, ressalto que o sonho foi bem maior, e eu mesmo ouvindo tudo que sonhei da boca de outra pessoa, fiz varias perguntas sobre muitos outros detalhes, e tudo bateu. Comecei a estudar e cheguei na projeção astral.

  • Leon Fênix:

    Em 2002 eu fui dormir normalmente, e “despertei” numa rua atrás da minha casa, e meio confuso fiquei olhando pra cima, e depois ouvi passos atrás de mim, virei para olhar, e vi um amigo correndo desesperado, e uma garota japonesa, com kimono roxo, perseguindo-o com uma lâmina. Ele fugiu e ela ao me ver ficou parada, saí na porrada com ela e consegui ganhar. Enfim por mais dragon ball que isso pareça, vou terminar em outro comentário, pq o limite de caracteres aqui ta dificil.

  • Leon Fênix:

    E aí Marcelo Ribeiro beleza ? Bom esse caso aí foi isolado concordo, é tanto que eu mesmo questionei os “projetores” mais famosos do brasil, como o Waldo Vieira, o Wagner Borges e o Salo Calderon, para que repitam essa experiência e comprovem que realmente saem do corpo a hora que quiserem diante da comunidade cientifica , e é claro, fiquem sem resposta. O fato é que acredito que exista, pois eu tive uma única vez uma experiência dessas em 2002, preciso fazer outro comentário para poder…

    • Marcelo Ribeiro:

      Entendo que o que tenha experimentado tenha sido impressionante para você e até para outras pessoas quando conta esta história. No entanto quando cientistas vão fazer estudos sobre este tipo de fenômeno não encontram nada fora do normal. Há muitas explicações alternativas para este tipo de coisa e apenas uma que seja menos extraordinária que um fenômeno paranormal é muito mais credível.

    • Cesar Grossmann:

      Leon, nenhum projecionista consegue passar pelo teste mais simples que tem: descrever o conteúdo de uma geladeira em um apartamento que eles não estiveram. Eles alegam que quando estão “viajando”, algumas coisas que estão ali eles não vêem e algumas coisas que eles vêem não estão ali. Isto é basicamente dizer “olha, você vai ter que acreditar em mim, não tem como provar”. Em outras palavras, não é ciência, é fé religiosa…

  • Cesar Grossmann:

    Uma coisa importante, só por que a pessoa tem a sensação de ter saído do corpo, mesmo que ela tenha “visto” o próprio corpo, isto não significa que ela tenha “saído” do corpo. A maioria dos “projeciologistas” parece que tem a falsa impressão de que tudo que você experimenta é legítimo e real, só que não é bem assim, e as experiências relatadas neste artigo mostram exatamente isso.

    • RodrigoLara:

      rsrs mas se você se aprofundar tanto na questão neuro ou psíquico, ou até em nível quântico, tudo que o cérebro capta, sendo da consciência ou do inconsciente são só sensações, o tempo todo!!

    • Klistenis:

      Você que tentam contestar o fenomeno deveria ao menos conhece-lo e saber oque é possivel fazer em uma experiencia como essa.

  • Marco Aurelio:

    Projeção da consciência, logo vejo meu corpo fora do meu corpo e tudo ao meu redor, logo descubro se tratar de outra dimensão ? Alguém se lembra da planolandia http://www.youtube.com/watch?v=7JsgSmY95es Pensar em projeciologia me lembra muito essa explicação de Carl Sagan. Talvez prjeçao da conciencia seja uma habilidade que todos temos mais nao usamos e nao tentamos usar por pura incredulidade ou preconceito ou falta de informaçao sobre tal assunto. Vamos abrir nossas mentes a evolução ta ai

  • Leon Fênix:

    Ela não é a primeira pessoa a ser estudada. Existem X pessoas que afirmam sairem do corpo de forma consciente. Mesmo aqui no Brasil existem centros de estudos da consciência que tratam desse assunto de “sair do corpo”

    Inclusive, para quem gostaria de uma informação mais palpável sobre a veracidade do fenômeno, gostaria de deixar este video de uma pesquisa feita por charles tart, com uma mulher que provou sair do corpo.

    • Marcelo Ribeiro:

      Este caso é uma anedota e não é prova. Talvez possa ser aceito por um periódico científico como estudo de caso. Mas não é evidência até que alguém consiga reproduzir o feito de maneira consistente. Estudos similares foram feitos em salas de emergência onde pacientes que sofreram paradas cardíacas, ou seja, estavam clinicamente mortos, eram reavivados. O número também estava sobre um armário. Vários pacientes disseram ter saído do corpo, nenhum conseguiu acertar o número. Estamos falando de amostras significativas e não de um caso isolado.

      Se você ler com cuidado verá que o caso do nosso artigo acima não é efetivamente sair do corpo também.

    • Iury Rodrigues:

      Marcelo… Acho que já ouvi falar desse tal estudo que você está falando, mas se não me engano os pacientes na verdade não olharam para o tal número apesar de estar lá, ou seja, caso tivessem olhado teriam visto(ou não).

  • Tô de olho:

    A ciência engatinha ainda…
    Consegue sentenciar acontecimentos com algumas experiências limitadas.
    Já tive várias experiências fora do corpo, involuntárias, situações em que me via deitado, tentava acender a luz mas meu dedo passava através pelo interruptor, tentava abrir a porta mas a mão passava através da maçaneta.
    Durava alguns minutos, flutuava até teto e voltava.
    Não uso drogas. Acho então que tenho uma lesão no cérebro e as vezes ele lembra da lesão… 🙂

    • Marcelo Ribeiro:

      Não questiono o fato da tua experiência ter sido percebida como algo completamente real. Mas você leu o artigo acima para compreender do que se trata este caso? A ciência anda a passos largos, mas os mitos e obscurantismo geralmente tem pernas ainda mais compridas, pois é mais fácil crer.

  • Oswaldo Ferreira:

    Eu acho que isso não passa de alucinação, para comprovar é simples basta colar um adesivo com algo escrito na testa da pessoa, sem ela saber oque está escrito, então observará dormindo, para que ela não acorde e olhe um espelho, depois é só pegunta se ela sabe o que tava escrito na testa dela quando ela acorda.

    • Marcelo Ribeiro:

      O artigo está explicando o que é isso. Basta dar uma lidinha.

  • Gilberto Alves:

    Isso não é novidade para mim, é só eu dormir no período da tarde, com temperatura ambiente superior a 29º C que sinto a mesma coisa!
    Vejo meu corpo,ouço as pessoas falando perto de mim, vejo coisas pulando em mim, tento me sufocar com as próprias mãos , e etc…
    Obs , eu não durmo mais a tarde e odeio o calor!

Deixe seu comentário!