Explosão brilhante no universo revela ingredientes surpreendentes das galáxias

Por , em 6.11.2011

Uma explosão super brilhante no espaço revelou uma visão surpreendente dos ingredientes de duas galáxias antigas, atravessadas pelo poderoso raio de luz emitido pelo evento cósmico, dizem os cientistas.

Um grupo internacional de astrônomos estudou a breve, mas brilhante, luz da erupção de radiação gama, enquanto ela passou pela sua própria galáxia e outra que estava perto. Usando um grande telescópio no Chile, os pesquisadores descobriram que as duas galáxias – que se formaram com o universo ainda relativamente jovem – são mais ricas em elementos químicos pesados do que o sol.

A descoberta sugere que as duas são mais maduras quimicamente do que os astrônomos costumavam pensar sobre galáxias dessa idade.

“Quando estudamos a luz dessa explosão de radiação gama, nós não sabíamos o que poderíamos descobrir”, disse a líder do estudo, Sandra Savaglio, do Instituto Max-Planck de Física Extraterrestre, na Alemanha. “Foi uma surpresa o gás frio dessas galáxias ter uma formação química tão inesperada. Elas têm mais elementos pesados do que jamais vimos em uma galáxia tão antiga na evolução do universo. Não esperávamos que o universo fosse tão maduro, tão quimicamente evoluído, nessa idade”.

Explosões de radiação gama são as mais brilhantes e poderosas de todo o universo, ocorrendo tipicamente como produto da destruição de uma estrela massiva. Essas explosões, apesar de intensas, são breves, não durando mais do que poucas horas.

Erupções de luz

Explosões de raios gama são vistas primeiro por observatórios espaciais em órbita, que detectam o início dos raios. Após determinar a localização do estouro, telescópios na Terra são usados para estudar os raios de luz visível e infravermelhos que se sucedem por horas e até dias.

A explosão citada antes foi estudada detalhadamente apenas um dia após o evento. As observações mostraram que o estouro passou por duas galáxias muito distantes – tão distantes que elas têm 12 bilhões de anos, ou 1,8 bilhões de anos após o Big Bang. Esse tipo é tão raro no universo que dificilmente são pegos por uma explosão gama.

Quando os raios passaram por elas, o gás nas galáxias agiu como um filtro, absorvendo um pouco da luz. Sem o gama, esses distantes corpos seriam invisíveis.

Com a luz absorvida, os astrônomos cuidadosamente analisaram os diferentes elementos químicos e foram capazes de decifrar a composição do gás gelado.

Surpresa

Astrônomos pensavam que as galáxias nos estágios antigos do universo teriam quantidades menores de elementos pesados, se comparadas com as do presente – como a nossa Via Láctea. Elementos pesados são produzidos pela expansão de gerações de estrelas, que ao morrer e nascer enriquecem o gás das galáxias.

O material produzido pelo Big Bang, que é a teoria mais aceita para a origem do universo, há aproximadamente 13,7 bilhões de anos, era quase inteiramente hidrogênio e hélio. A maior parte dos elementos pesados, como oxigênio, nitrogênio e carbono, foram produzidos depois por reações internas das estrelas, que ao morrer injetaram gás nas galáxias.

Astrônomos geralmente olham a composição química para determinar a idade das galáxias. Mas agora, algo antes impensável foi revelado: que são possíveis elementos pesados em galáxias com menos do que dois bilhões de anos após o Big Bang.

De acordo com os pesquisadores, as duas galáxias recém-descobertas devem estar formando novas estrelas em uma marcha tremenda, o que poderia explicar como o gás está rico em elementos pesados.

Como as duas estão próximas, elas podem também estar em processo de fusão, fazendo com que as nuvens de gás se choquem, estimulando a formação de novas estrelas, afirmam os cientistas.

Momento de sorte

Doze bilhões de anos depois, no tempo presente, galáxias antigas como essas provavelmente contém um grande número de buracos negros, estrelas geladas e outros restos estelares. Essas “galáxias mortas” são difíceis de detectar porque emitem uma luz muito mais fraca do que as jovens.

“Nós fomos muito sortudos de observar o evento quando ainda estava suficientemente brilhante, então foi possível obter observações muito detalhadas”, disse Savaglio. “Explosões de raio gama só permanecem brilhantes em um curto espaço de tempo, e conseguir uma boa qualidade de dados é muito difícil”.

Os pesquisadores esperam observar galáxias novamente com instrumentos mais sensíveis, em telescópios futuros, como o Telescópio Europeu Extremamente Grande (E-ELT). O E-ELT, que está sendo construído na montanha Cerro, na parte central do Deserto do Atacama, no Chile, é cotado como o maior telescópio do mundo.[Space]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

35 comentários

  • Alberto Campos:

    Quando encontrei esta reportagem, tempos atráz, acrescentei isto no meu blog. Isto veio confirmar o que havia escrito sobre raios gama (capitulo 7). Isto também vem contrariar a teoria padrão, que tambem combato em meu blog. Como não esta nada ainda muito claro em cosmologia, concordo que talvez eu não esteja com a razão, mas tabém não está a teoria do big bang. Meu blog é: “Olhando o Universo”.

  • serafim:

    Por falar em area 51, lembrei que os óvinis possuem na maioria dos relatos a forma de um globo ou de um disco rotativo, formarto nescessario no contato a nossa atmosféra e girando ele muda a area de atrito aumentando a resistencia.
    São questionamentos que faço pois acho curioso es objetos voadores estares em armonia com o universo que tem o mesmo formato e gira o tempo todo. Talvez nossos cientistas não tenham se dado conta que se não usarmos as forças do universo a nosso favor fica dificil, assim como é mais dificil nadar contra a correnteza.

  • Jonatas:

    Ezio José, bem lembrado..

    Talvez nós, seres pensantes, impulsionados por uma vontade inexplicável de entender o Cosmos, sejamos mesmo originados desse processo e com esse propósito.
    Aqui, com nossos telescópios e noites inteiras de meditação, cálculos ou observações, sejamos o ponto em que o Universo tenta entender a si próprio. Talvez não estivessem errados os antigos filósofos antropocentristas, talvez sejamos mesmo, o Centro do Universo.

    • Avohai:

      Rapaz… Que pensamento mais pensante esse teu.
      Muito bem, quando achamos que tu e o Bovidino disseram tudo vocês aparecem e se superam. Também parabenizo o Glauco, que não deixa nenhuma dúvida no ar, o que fortalesse muito o que ele nos diz aqui.
      E tem o Cesar, com um avantajado entendimento das coisas.
      O hypescience está muito bem servido. Já eu sou só um velho professor aposentado, ainda do umas aulas e indico o hype aos meus alunos.

    • Jonatas:

      Avohai? O meu velho indivisível, avohai… Avô e Pai.

    • Lúcio:

      Esses fãs do Zé Ramalho…

  • Via Láctea:

    “O Espaço universal é infinito ou limitado?”

    “Infinito. Supõe-no limitado: que haverá para lá de seus limites? Isto te confunde a razão, bem o sei; no entanto, a razão te diz que não pode ser de outro modo. O mesmo se dá com o infinito em todas as coisas. Não é na pequenina esfera em que vos achais que podereis compreendê-lo.”

    “Supondo-se um limite ao Espaço, por mais distante que a imaginação o coloque, a razão diz que além desse limite alguma coisa há e assim, gradativamente, até ao infinito, porquanto, embora essa alguma coisa fosse o vazio absoluto, ainda seria Espaço.”

    “Não há o vácuo. O que te parece vazio está ocupado por matéria que te escapa aos sentidos e aos instrumentos.”

    • myke:

      sábias palavras.

  • LUCIMARA:

    Não deu para entender se é medida de idade ou de distãncia, nem por que teve duas medidas, neste trecho: “…. tão distantes que elas têm 12 bilhões de anos, ou 1,8 bilhões de anos após o Big Bang. “. Alguém pode explicar?

    • Jonatas:

      A idade do Universo está estimada em 13,8 bilhões de anos, a 13,8 bilhões de anos o universo e tudo mais que existe e formou as galaxias se originou no mesmo lugar, e desde então estõ se expandindo, se afastando. Se essas galaxias estão a 12 bilhões de anos luz, significa que a vemos no seu passado, porque sua imagem levou 12 bilhões de anos pra chegar até aqui. A essa distância, é o retrado universo jovem, subtraindo a diferença estamos observando galaxias de quando o universo tinha apenas 1,8 bilhões de anos.
      13,8 – 12 = 1,8.

    • Glauco:

      Vc ainda acredita nesse tal de Big Bang? Pensei q vc se guiasse por evidências científicas.

    • Jonatas:

      Nã acredito mesmo, eu só expliquei pro amigo no que eles se basearam pra deduzir esses valores.

    • Glauco:

      Great man!!! Vc pensa fora da caixa!

    • Jonatas:

      Bom, acho que quando estamos dentro de uma floresta estamos limitados a ver só uma pequena parte dela, mas se saírmos dela e subirmos num lugar bem alto, então poderemos vê-la por inteiro. Então o melhor é pensar fora da caixa…

    • LUCIMARA:

      Agradeço a ajuda, colega. Parece que sou a unica leiga aqui, né? Obrigada.

    • Jonatas:

      Capaz mesmo, perguntar quando houver dúvida é o certo, alguem responderá. Ninguém precisa dominar os conhecimentos astronômicos para apreciar a beleza da natureza cósmica. 😉

    • gilson:

      A curiosidade é caracteristica de pessoas inteligentes, e a forma mais simples de matar a curiosidade é perguntar…….

  • Avohai:

    Hum… esse dinamismo entre as galáxias, mesmo sabendo que demore mais que gerações e gerações de vidas humanas, é muito fascinante. Simplesmente… galaxitante!!! hehehe

  • Flor de Lis:

    Lindo!

    • Ezio José:

      Cinco letras, uma exclamação e 10 pontos.
      Parabéns! Você é muito querida, mesmo na singeleza.

    • Flor de Lis:

      Muito obrigada, Ezio… muito gentil e meigo da sua parte. Amei!

    • Jonatas:

      Também gosto dos comentários dela.

    • Flor de Lis:

      Obrigada, Jonatas. E saiba que a recíproca é verdadeira, viu. Beijo.

  • Jonatas:

    As galáxias espirais são as minhas favoritas, mas o que existe na Terra que nos ajude a entender as galáxias? Coloque a foto de um cardume de salmões ao lado duma foto da galáxia Vórtex e veja por si mesmo.

    Pelo Paradigma Holográfico – Tanto o cérebro humano quanto o Universo possuem características de recursividade e auto-espelhamento, como os hologramas. As espirais das galáxias parecem-se entre si, e estas com as espirais de cardumes de peixes nos oceanos da terra. A memória humana compõe-se de fragmentos interconectados, pois não se perde totalmente quando uma área do cérebro é destruída.

    “Existe relação entre a mente universal e nossa própria mente humana.”
    Por: Caibalion

    Aliás:
    Eu trabalho com Programação e Análise de Sistemas, entre as metodologias está o Método Espiral de Desenvolvimento como um dos melhores.

    • Ezio José:

      Jonatas,
      No templo de Apolo estava escrito: “Homem, conheça-te a ti mesmo e conhecerás os deuses e o universo”. Creio que uma forma análoga somo protótipo de todo o universo.

    • Bovidino:

      Olá Jonatas,
      Para mim o Caibalion é um livro científico por excelência.
      Os 7 princípios herméticos praticamente resumem todo o conhecimento científico.
      Talvez seja difícil para a ciência atual, aceitar que o Universo é mental.

    • Jonatas:

      Até mesmo vendo que quando conseguem montar diagramas de mapas do universo é visto que a configuração de aglomerados e superaglomerados galácticos é bem parecido com a rede neural em nosso cérebro.

  • Rodrigo:

    muitooo lokoooooooo

  • Glauco:

    Simples de resolver: o Big Bang nunca existiu, e o Universo é muito, muito mais antigo do que eles acreditam. Não é à tôa que eles precisaram modificar tanto a idade do Universo e a velocidade que as galáxias se formam nos últimos 30 anos – coincidindo com a melhoria nos telescópios de observação. Antes eram bilhões de anos, agora os cientistas acham que poucas dezenas de milhões de anos é o suficiente para se formar uma galáxia. Ridículo, visto que nem um Sistema Solar sozinho consegue se desenvolver em menos de bilhões de anos.

    Substitua tudo isso pelo trabalho Continuing Galactic Formation de James McCanney em adsabs.harvard.edu e o mistério da formação galáctica será facilmente entendível.

  • Jonatas:

    Esse lance do tempo ainda confude quem está começando na astronomia. Observar o passado é possível porque a luz dessas galáxias antigas leva bilhões de anos pra chegar até aqui. Vemos elas em sua infância, e seus possíveis habitantes no presente vivem numa galáxia já antiga como a nossa. Se com seus telescópios olharem para cá não verão a nossa via láctea de hoje, mas ela em seus primórdios. Quem sabe dirão: – Olha lá, um Quasar! – Vejam, uma jovem galáxia…
    O p-roblema citado na reportagem é que mesmo sabendo que se baseiam em teorias, os cientistas ficam confusos quando elas não batem com a realidade. Talves devessem ter uma metodologia mais aberta e preparada pra poder estudar o universo como ele realmente é, e não como nossos modelos o descrevem.

    • borokotofo:

      parem com isso, com certeza absoluta o universo se formou há 14 bilhoes 314mil 526anos não se discute mais isso

    • aiaiai:

      14 bilhoes 314 mil 527!

  • CRISTIANO:

    NOSSA NAO SEI COMO CONSIGUIRAM ACHAR ESSA EXPLOÇAO

    PERFEITA MENTE LINDA … PROVAVEUMENTE A ANOS LUZ TA TERRA

    GENTE E EXISTE E.T POR QE EU COMPREI UM DVD QE DIZ:
    ELES EXISTEM SO QE OS MILITARES E O MUNDO NAO QER QE NOS SABEMOS VC6 ACHAM QE O UNIVERSO IMENSO. SO EXISTE NOIS VC ACHA QE NA EXPLOÇÃO DO BIG BANG SO TINHA MATERIA PRIMA SO PARA FORMAÇÃO DE UM PLANETA … NÃO EXISTE SIM VIDAS EM OUTROS PLANETAS E O NOME DO FILME QE EU COMPREI E A ARE 51 SE VC6 QISEREM ASSISTIR O TRYLER NO YU TUBE GENTE EXISTEM VIDAS EM OUTROS PLANETAS E TIREM ESSA IDEA DA CABEÇA QE NAO EXISTE POR QE SERIA UMA PERDA DE TEMPO UM ESPAÇO IMENSO SO COM UMA COISA VIVA ( A TERRA )

    • Guivas:

      Você está começando a adivinhar mas falta muito ainda. Não precisa escrever tudo em Maiúsculas.

    • eu:

      olha como o cristiano dise: existe vidas em outro planetas gente pensem por favor o universo e infinido voces acham qe nao existe vida em nenjum cantinho do universo!!!!!!! eu acho

Deixe seu comentário!