Filhos de lésbicas não têm mais propensão a problemas sociais

Por , em 10.06.2010

A primeira geração de pessoas concebidas em inseminação artificial está chegando ao final da adolescência nos dias atuais. Quando esse procedimento começou, nos anos 80, muito se temia a respeito da educação dessas crianças. Como a medida era um impulso para que casais homossexuais pudessem ter filhos, havia um receio sobre como a situação familiar seria encarada pelas crianças.

Um estudo iniciado nos EUA, há 17 anos, começa a apresentar resultados agora. Eles acompanharam filhos de casais de lésbicas desde o nascimento, tomando nota do cotidiano e das relações sociais dos voluntários. Segundo os estudos, não há nenhuma evidência de que crescer em uma família heterossexual seja melhor para a educação dos jovens, ou vice-versa.

O estudo observou 77 famílias de mães lésbicas. Em linhas gerais, a conclusão foi que essas crianças foram mais competentes na escola, tinham menos problemas sociais, eram menos agressivos e mais disciplinados. Para fazer a comparação, foram usados questionários para os jovens (um formulado pelos pesquisadores e o outro é um teste padrão aplicado há décadas nos Estados Unidos), além de conversas com os pais.

Quando havia algum problema, de acordo com as mães, era devido à homofobia e preconceito que os demais colegas do filho demonstravam. Nesse caso, as crianças e adolescentes vítimas desse bullying mostraram sinais de ansiedade ou depressão.

Uma teoria interessante (porque o motivo ainda não é claro) para que os filhos de mães lésbicas sejam mais bem preparados psicologicamente é justamente o planejamento. Quando um casal de lésbicas decide adotar uma criança, geralmente já ponderaram longamente sobre a decisão, e estarão prontas para educar a criança de maneira adequada. Os filhos de heterossexuais, no entanto, às vezes nascem por acidentes, filhos de jovens totalmente despreparados para serem pais. [Reuters]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

13 comentários

  • D.D versao 2.0:

    Olha, eu tenho uma tia que é lésbica e ela sempre queria interferir na minha educação. Isso é apenas uma evidência anedótica, claro, mas acredito que se ela fosse minha mãe mesmo, eu seria no mínimo extremamente efeminado.

  • Ricardo Ribeiro:

    todas as crianças que conhecemos, na generalidade foram criadas por heterossexuais e, não é por isso que deixamos de ouvir noticias de que essas mesmas crianças são abusadas por mães e pais heterossexuais.
    Outro exemplo é que pessoas que roubam, matam, difamam o próximo, essas também formam crianças criadas heterossexualmente…
    Não acham, que está na hora de dar uma oportunidade aos homossexuais, a ver do que eles são capazes…
    Está mais do que visto quer cientificamente quer praticamente que crianças nascidas em ramo homossexual não fica homossexual.
    A orientação sexual, depende de muitos outros factores entre eles genéticos…
    Factores esses que o ser humano é um puro desconhecedor

  • Richard:

    Olha por favor.

    Seria muito bom que quando colocasse esses assuntos polêmicos fossem mais claros em relação ao origem e não se limitasse apenas a disse “um estudo americano” ou “uma pesquisa de uma revista”.

    Sabemos muito bem, como bons leitores, que a fonte de uma pesquisa pode nos dizer muito mais sobre um estudo do que o próprio conteúdo, pois não existe fonte 100% neutra num assunto. O máximo que podemos fazer é receber e checar várias referências e tirar nossas próprias conclusões.

  • Rute Maia:

    Acho que a psicologia nos dá a verdadeira razão da questão da adoção de crianças para pessoas do mesmo sexo. A criança tem até os sete anos de idade para se formar como pessoa sexual, após isso vem as outras formações, pensamentos, valores e etc. Acontece que toda criança tem o direito de conhecer o que são posturas femininas e masculinas. É uma questão de Direitos Humanos e Direitos Infantis. PAZ!

  • Renato:

    Podemos dizer que não temos preconceito, e podemos até não ter realmente, mas a realidade é que a sociedade ainda tem, e muito, especialmente em países como o Brasil, em que o número de religiões homofóbicas cresce exponencialmente.

  • liliane:

    Não é por preconceito nem nada. Mas eu não concordo… Uma criança sendo adotada por uma família hetero ÀS VEZES já é discriminada. Imagina por um casal de lésbicas ou de gays? Não estou dizendo que não apoio o homossexualismo, mas acho que realmente estes casais deviam pensar muuuuito bem antes de ter uma criança, porque a sociedade é cruel.

  • Deise:

    Eu concordo com Eduardo, não é preconceito, criar filho é complicado em uma sociedade como nós temos, a realidade é outra o casal homosexual tem os mesmos problemas que os outros então não acredito que possam criar um filho melhor que qualquer outra pessoa, e o caso deles estarem mais “preparados”, todo ser humano nasce preparado, cria sendo preparado pelos pais a serem pais também, só que se homosexuais engravidassem teriam um monte de pais solteiros, simplesmente isso não acontece porque não podem, mas conheço um casal de lesbica que moravam juntas uma era mãe solteira e a outra resolveu assumir como “pai” aquela criança de apenas 1 ano, a criança só via brigas espancamento entre elas até que se separaram quando a menina já estava grande e o psicologico dessa criança é melhor do que das outras vendo estes tipos de cena, então criar filho não é pra qualquer um.

  • morris:

    Seu eu quiser eu me junto, Luiz Mario, essa é a vantagem.

  • LUIZ MARIO:

    AQUI VIZINHO ONDE MORO TEM UM CASAL DE LÉSBICAS QUE TEM UMA FILHINHA QUE DE VEZ EM QUANDO LEVA PÔRRADA E MUITO GRITO E NA SITUAÇÃO DELA EXISTE MUITAS OUTRAS… ACHO UM FIM DE MUNDO UM CASAL DE HOMO AOS QUAIS DEUS NÃO LHE PERMITIU O DIREITO DE CONCEPÇÃO DE VIDA AI VEM ESTAS LEIS RASTEIRAS E MUDAM A LÓGICA DA GENEALOGIA HUMANA, ISSO É SO MEU PONTO DE VISTA. AGORA SE VOÇÊ ACHA O HOMOSSEXUALISMO UMA COISA LINDA JUNTE-SE E SEJA UM DELES.

  • Rodrigo Libertari:

    bom, preconceituoso seu comentario final: “Mas imaginar uma criança sendo criada numa família de dois marmanjos gays, eu acho escroto. Tadinha…”
    bom, preconceito pois neste comentario voce presupoe que dois homens juntos nao poderiam criar uma crianca. Mas se fossem duas mulheres nao teria problema. Por ser gay o homem nao tem direito de ser pai?
    Bom a critica que eu fiz tinha um pouco de sarcasmo. Freud dizia que todo ser humano era bissexual, uns mais e outros menos como uma escala de 1 a 7 sendo um completamente hereto e 7 completamente gay, mas a maioria estaria no 3 ou 4 dependendo dos costumes.
    Quanto a preconceito, para mim, é um conceito que o individuo forma sobre uma questao em especifico sem possuir base nenhuma. Creio que voce nao conheca nenhum casal gay de homens com filhos para falar que eles sao maus pais. Dai isso se caracterisa um preconceito, se voce conhecer eu retiro o que disse. Quanto a hipocrisia seria falar uma coisa e agir o completamente contrario a isso. Apontando um erro dos outros e fazendo igual.
    Quanto a logica, fazendo a juncao dos fatores e argumentos que possuimos para formar um embasamento concreto nao existem evidencias suficiente que apontem que gays sao maus pays, porem se fomos analisar as noticias de heteros encontramos muitos disturbios…
    Quanto a dicernimento – saber diferenciar o certo do errado analisando a questao …Bom acho que lhe faltou um pouco de empatia e sencibilidade a causa. Voce nao precisa ser gay para aceitar que os outros sejam.

  • Rodrigo Libertari:

    Concordo contigo Morris. A vantagem que os homessexuais levam é a preparacao, e obviamente os filhos tem vantagem por ja serem criados com ideais mais fortes e dicernimento mas (alem de que desde cedo ja deve saber que e adotada isso muda um pouco as coisas ou pelo menos quando inseminadas os pais realmente desejavam ter os filhos) poderia ser feita uma comparacao entre filhos de homosexuais e criancas adotadas em geral. Pode-se ter uma boa analise ai.
    Quanto a seu comentario “pré-conceituoso” voce deveria repensá-lo garoto. Leia Freud e seja feliz.

  • Celly:

    No caso de casais homossexuais (e até outros que realizam a adoção), você tem que querer muito para assumir criar uma criança diante de tanto preconceito. Acho que é por isso que qualquer problema pode ser afastado, porque a pessoa realmente quer aquilo, ama a maternidade ou paternidade.

    Deem uma olhada nisso:

    http://www.youtube.com/watch?gl=BR&hl=pt&v=oX9y3cn-OVo

  • morris:

    Discordo de você Eduardo, não há diferença nenhuma entre um casal hétero e um casal homossexual nessa parte, ainda mais hoje em dia (talvez em países onde homossexualismo seja crime, como o Irã, que o nosso governo _ama_). A diferença é que o casal homossexual não vai ter filhos por acidente, isso faz uma grande diferença pra toda a vida (de ambos), e não só na educação que eles dão e recebem.

Deixe seu comentário!