Filhos de pais com maiores níveis educacionais têm menos problemas mentais?

Por , em 31.01.2012

Ter depressão na idade adulta pode estar ligado ao nível educacional dos pais. Isso é o que indica um novo estudo conduzido por Amélie Quesnel-Vallée, médica da Universidade McGill.

Pesquisadores analisaram informações captadas ao longo de 29 anos, observando os níveis educacionais dos pais, dos filhos, renda familiar e sintomas depressivos.

A equipe descobriu que níveis mais elevados de escolaridade dos pais significam menos problemas de saúde mental para os filhos adultos. Grande parte dessa associação pode existir porque pais com mais educação tendem a ter filhos com elevado nível de escolaridade também, fazendo com que eles consigam melhores empregos – algo muito importante para a saúde mental na vida adulta.

Essas descobertas sugerem que políticas destinadas a aumentar as oportunidades educacionais para todos, independentemente da origem social, podem ajudar a quebrar um ciclo de baixo nível socioeconômico e de problemas mentais. [ScienceDaily]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

6 comentários

  • Kelvin:

    Isso funciona porque há procura. As pessoas inteligentes, estudiosas, esforçadas, estão em alta. Se todos tiverem acesso à mesma educação tudo isso vai sobrar. Ou seja, vai haver pouca procura. Isto é, nem todos terão bons empregos. Sendo assim, aumentar as oportunidades educacionais de todos é equivalente a criar uma sociedade de médicas, advogados, juízes e engenheiros quando também precisamos dos subalternos. Trocando em miúdos, o topo da pirâmide social não se sustém sozinho. A base da pirâmide o sustém.

  • Ignácio B. M. Iglesias:

    Filhos de pais com maiores níveis educacionais têm menos problemas mentais?

    NÃO necessariamente! Primeiro é bom saber e definir todos os bichos que existem dentro desse saco generalizado, chamado de “problemas mentais”.

    A pesquisa sem dúvida deve ter algum valor, como qualquer observação ou estudo tem, mas da forma como esta apresentada, parece-me mais uma informação que desorienta as pessoas, querendo reforçar a falsa idéia de que a escola melhora o caráter e a saúde da sociedade.

    É bom que saibam quem ainda não sabe, que a organização mundial da saúde(OMS) informou em setembro de 2007, que o suicídio, já é a terceira causa de morte entre jovens e adultos no MUNDO INTEIRO, na faixa dos 15 aos 34 anos. É uma curva ascendente, maior que o crescimento populacional.

    Um bandido “sem estudo” não consegue matar milhares de pessoas, mas um JUIZ OU UM POLITICO CORRUPTO MATA centenas ou milhares de pessoas, com seus diplomas de mestrado e doutorado.

    A vida esta cada dia pior, isso não é pessimismo, é realismo.

    Cuidado não se deixem influenciar com esses doutores de titica. O artigo é muito ruim. Aproveita-se do sensacionalismo em cima da depressão, que é um mal que esta atingindo o mundo inteiro. É minha opinião que em futuro próximo, a OMS anunciará que a saúde mental estará entre os maiores problemas sociais que existam.

    O problema principal na minha opinião reside em outras fontes. A extrema competição, faz com que procurar um trabalho seja semelhante às arenas romanas. A diferença é que lá você morria na espada ou na ponta de uma lança. Hoje você morre de depressão ou na maca num corredor de hospital. Sem falar de quem se aposentou com 4 salários e está recebendo pouco mais que um…

    Essa fulana esta falando das dificuldades, causadas pela alta competição social que é desumana, CLARO QUE AGRAVA A VIDA DAS PESSOAS, EMPURRANDO-AS PARA AS BEBIDAS, DROGAS E DEJAJUSTES EMOCIONAIS DIVERSOS, ONDE A DEPRESSÃO É UM DOS ESTÁGIOS FINAIS. A pessoa com depressão, “quando é depressão” não tem vontade de continuar vivendo. A depressão é um quadro complexo, de muitas causas possíveis, e que os maiores estudiosos do assunto não sabem dizer se a causa maior é psicológica, genética ou ambiental.

    “A ansiedade é um bem ou um mal?
    Pior que possui-la em alto grau, é pensar que ela seja um bem ou qualidade, mesmo que seja em pequena quantidade.

    Se você pede a qualquer pessoa dizer o que é ansiedade, rapidamente respondem o que pensam saber como verdade.

    É porque pensam que sabem, que continuam sem saber, o que é ansiedade E OUTRAS COISAS TAMBÉM.

    É porque pensam que sabem, que pensam ser boa solução, tentar conter seus efeitos, sem o uso da razão.

    Seria útil dar essa informação, que é a ansiedade? Penso que não.

    Mais útil não seria saber para que serveria as informações que já estão à mão?

    Vivemos no tempo da acessibilidade. Se Ter muitas informações fosse útil e imprescindível para bem viver, os professores sem generalizar, não estariam por aí a chorar, reclamando e por vezes até apanhando.

    Para quem não queira mais pensar o que realmente deva ser pensado, procure rapidamente um culpado, para que bem se caracterize seu comportamento defensivo, dizendo-se quase sempre sabido, inocente ou com alguma razão, e sempre alguém culpar, por sua falta de aptidão.”

    … é um trecho do livro que estou escrevendo sobre pedagogia, saúde e filosofia. Devo preveni-los que nada do que escrevi é verdade. É apenas o que eu quis e pude escrever. Não sou responsável pelo que as pessoas entendem ou querem acreditar. Se voce acreditar em algo do que escrevi, a culpa é sua, mérito teu.(Ignácio – Grupo de Apoio Viver )

    Há um livro chamdo A LINGUAGEM DOS SENTIMENTOS Autor: David Viscott , que será muito útil a muitas pessoas, que se interessem por conhecimentos que melhorem o relacionamento familiar, social e profissional, colaborando para o bom desenvolvimento dos filhos com boa educação, que os habilite à maior autonomia e autorealização. A tradução não é das melhores, mas é fácil e agradável no todo. O livro tem uma sequencia que desagua no entendimento da depressão, segundo o entendimento do autor, que é muito próximo do que penso. A maior parte do livro tem base na pedagogia e psicologia humanista de Calr Rogers, que é a que pratico.

    NOTA: Copiei abaixo, um trecho do original para ver se foi um erro de tradução, mas parece não ter sido, mesmo com meu péssimo inglês, da a impressão que o texto é basicamente o mesmo.
    Moral da história: Com mais estudo, diplomas, Harvard, doutorado, mestrado e etc, CLARO QUE AS CHANCES SÃO MELHORES, mas, ligar isso à DEPRESSÃO?

    É COMO SE DIZ: EM TERRA DE CEGO QUEM TEM UM OLHO É REI!!!

    Science News

    … from universities, journals, and other research organizations

    How a Parent’s Education Can Affect the Mental Health of Their Offspring

    ScienceDaily (Jan. 26, 2012) — Could depression in adulthood be tied to a parent’s level of education?
    A new study led by Amélie Quesnel-Vallée, a medical sociologist from McGill University, suggests this is the case.

  • Yasmin:

    Concordo plenamente com o artigo.

    Como sempre, não dá para generalizar, mas …
    Pais com escolaridade alta (Faculdade e Pos-Graduacao) são mais sensatos , passam mais seguranca emocional e conseguem orientar melhor os filhos para a vida.

    Meus pais, por exemplo, nao tem ensino fundamental, por isso, tudo para eles é difícil, é complicado, se acham vítimas da situação e ao invés de sentirem orgulho da única filha que é formada e tem emprego fixo, sentem inveja!

    Daí ficam sempre tentando desvalorizar a minha opinião e o que eu faço, não ficam do meu lado, acham que eu é que estou errada e os outros estão certos, só para se sentirem superiores à mim.
    É literalmente bullying psicológico q tive de passar.

    Consequencia disso é crises de existência, angústia e se sentir sozinha no mundo.

    Confesso que, perdi muitos anos preciosos da minha vida, já que antes nunca iria imaginar que os meus pais faziam aquilo por pura inveja. E como são orgulhosos, não querem retornar à escola. Preferem manter as aparências.

    Em contrapartida, os pais da minha colega, por exemplo.
    A mãe é professora com licenciatura e o pai é advogado. Sempre incentivaram e trabalharam com a auto-estima da minha colega, tanto q hoje ela está trabalhando num órgão público como chefe.

    Por isso, este artigo foi muito esclarecedor e confirmou o que eu já desconfiava.

    Muito obrigada Hypescience!

    • Filipe Freitas:

      Isso é pura verdade. Tanto meu pai como minha mãe são perdedores, e não me incentivam em nada. Minha mãe finge que incentiva, pra cumprir papel, mas na verdade não está nem aí. Só me intriga que ela se tornou assim depois de que eu entrei na adolescência, pois antes me incentivava a sempre ser o melhor da aula.

  • John jones:

    isso e muito interessante,pois mostra que se quisermos que as próximas gerações sejam pessoas de grande valor, temos que um bom nível de escolaridade

    • leão velho:

      Não tem nada de verdade nessas afirmações, que são tendenciosas ,criadas pela pseudo elite, e note os exemplos: no interior onde se leva vida simples você encontra poucas pessoas com problemas mentais e existenciais,no entanto nos grandes centros urbanos a incidência é maior, e ocorre por diversos fatores a saber:hereditário,pressões familiares,sociais, religiosas,má alimentação, acidente no parto ,uso de drogas e álcool.

Deixe seu comentário!