Como sua gordura marrom queima energia

Por , em 10.07.2014

A gordura branca serve para armazenar o excesso de calorias até que elas sejam necessárias pelo corpo. Ou seja: ela nos deixa gordos.

Já a gordura marrom é o contrário: ela queima a gordura comum, transformando-a em calor. Portanto, pode nos ajudar a emagrecer.

Desde que foi descoberto que humanos adultos possuem altas quantidades de gordura marrom, pesquisadores tentam compreender melhor as suas propriedades de queima de gordura com o objetivo de desenvolver novas terapias para combater a obesidade e a diabetes.

Entendendo o processo

Cientistas demonstraram que o fator de transcrição IRF4 (fator regulador de insulina 4) desempenha um papel fundamental no processo termogênico da gordura marrom, que regula nosso gasto de energia e tolerância ao frio.

Ativada por temperaturas frias e por certos hormônios e drogas, incluindo epinefrina, a gordura marrom gera calor através das ações de um grupo de genes chamados coletivamente de “programa termogênico da expressão do gene”, o mais conhecido dos quais codifica a proteína termogenina (UCP1).

A UCP1 dissipa energia na mitocôndria das células de gordura marrom, e a geração de calor é um subproduto.

Já uma molécula chamada PGC-1 alfa, descoberta há 15 anos no laboratório do coautor do estudo Bruce Spiegelman, é um cofator de transcrição, o que significa que indiretamente conduz a transcrição de genes como UCP1, porque lhe falta a capacidade de se ligar ao DNA por si própria.

Isto sugeriu que deve haver um fator de transcrição ou proteína de ligação ao DNA que media os efeitos da PGC-1 alfa.

No entanto, apesar de anos de trabalho e vários candidatos promissores, nenhum parceiro tinha sido descoberto que pudesse aumentar a termogênese. IRF4 é esse parceiro.

O novo estudo

De acordo com o novo estudo do Beth Israel Deaconess Medical Center (EUA), IRF4 é um elemento chave no desenvolvimento e manuseio de gorduras, sendo que a expressão de IRF4 é induzida pelo jejum em gordura.

  • Os animais que não possuem IRF4 no tecido adiposo são obesos, resistentes à insulina e intolerantes ao frio.

Os cientistas teorizavam que, além de servir como um regulador chave da lipólise, IRF4 também podia desempenhar um papel termogênico direto na gordura marrom.

Experimentos com ratos confirmaram essa hipótese, demonstrando que IRF4 é induzido pelo frio e pode promover o aumento da expressão do gene termogênico, gasto de energia e tolerância ao frio.

Por outro lado, a perda de IRF4 em gordura marrom resulta em expressão termogênica reduzida, gasto energético, obesidade e intolerância ao frio.

Finalmente, os pesquisadores mostraram que o IRF4 interage fisicamente com PGC-1 alfa para promover a expressão de UCP1 e termogênese.

Com esta nova descoberta do papel chave de transcrição do IRF4, talvez possamos identificar novos alvos de drogas que afetam diretamente essa via, o que pode ser mais específico do que simplesmente dar epinefrina ou drogas parecidas que fazem subir a frequência cardíaca e a pressão arterial.

“A descoberta de que a gordura marrom tem um papel ativo no metabolismo sugeriu que, se pudéssemos manipular o número ou a atividade dessas células de gordura, podemos forçar nossos corpos a queimar calorias extras”, explica Evan Rosen, principal autor do estudo, da Universidade de Harvard. “Agora que identificamos um fator importante da condução deste processo, podemos procurar novas abordagens de explorá-lo para o benefício terapêutico”. [Science20]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

Deixe seu comentário!