ITER, o experimento científico mais caro da história

Por , em 1.07.2013

Diante de uma possível crise energética que aguarda a humanidade no século atual, cientistas, militares, políticos e investidores do mundo todo apostam suas fichas em uma fonte de energia aparentemente promissora: fusão nuclear.

Nos últimos 60 anos, muitas máquinas foram construídas em uma tentativa de dominar a fusão e, embora nenhum dos experimentos tenha resultado no domínio definitivo da tecnologia, cada tentativa pavimentou o caminho para a iniciativa mais ousada até agora, o ITER (sigla em inglês para “Reator Internacional Experimental Termonuclear”), que será construído em Cadarache (França).

Com 73 metros de altura (sendo 13 abaixo da superfície) e 23 mil toneladas de peso previstos, o ITER é maior que o Arco do Triunfo e três vezes mais pesado que a Torre Eiffel. Suas peças serão fabricadas em diversos países, e algumas devem pesar cerca de 360 toneladas cada. No total, o projeto deverá custar entre 13 bilhões e 16 bilhões de euros (aproximadamente R$ 37,6 bi – RS 46,2 bi), cerca de duas vezes mais caro que o LHC (o Grande Colisor de Hádrons, que ajudou cientistas a encontrar o bóson de Higgs).

Alternativas

Existe uma boa variedade de fontes de energia, mas cada uma tem, naturalmente, complicações: o petróleo eventualmente vai acabar; o carvão, embora exista em abundância, pode provocar uma catástrofe ambiental, dependendo da escala em que for usado; a energia nuclear convencional traz um considerável risco de segurança, e é difícil de descartar seus resíduos; fontes naturais, como vento e energia solar, são inconstantes demais para suprir uma grande demanda energética, embora seu aproveitamento seja cada vez maior, conforme as tecnologias evoluem.

A fusão nuclear, como as outras, não é uma alternativa perfeita, principalmente por causa de incertezas científicas a seu respeito. Contudo, é uma aposta difícil de evitar.

A fusão controlada de átomos (diferente da fissão nuclear, processo que ocorre em uma bomba nuclear) sempre foi considerada uma possível fonte de energia, pois criaria condições como as do sol. A fusão nuclear requer muita energia para acontecer, e geralmente liberta muito mais energia que consome – a tecnologia poderia significar energia abundante e barata, e é mais ecológica que as demais alternativas.
[PopSci]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

12 comentários

  • datoru01 .:

    Parece que esqueceram de mencionar um meio alternativo:
    a energia geotérmica. Que é renovável e não poluente.

  • Edson Mota de Souza:

    Se der certo este experimento, será resolvido um dos maiores problemas ambientais que existe hoje, fontes de energia limpa, durável e barata. Será um gigantesco avanço tecnológico.

  • Robson Lincon Rocha:

    Se as teorias se confirmarem, teremos energia durante toda uma era…

  • Kariyel Kiyoshi Jr.:

    Tá, falou superficialmente sobre a máquina mostrou todinha do esquema dela e a matéria ficou somente nisso e o restante como ela funciona e tudo mais?

    E?

  • Guilherme Borges Cunha:

    Ou seja, essa máquina é tipo aquela que o Dr. Octopus constrói no filme Homem-Aranha 2?

    • Kariyel Kiyoshi Jr.:

      Exatamente

  • Gabriel Lucena:

    Industrias Stark?

  • André de Santa:

    É um salto para o futuro, um sonho para muitos cientistas. Tomara que, se houver êxito no experimento, os capitalistas não arranjem uma maneira de explorar a população e produzir lucros imensos com a geração de energia pela fusão. Que represente uma revolução energética, com energia limpa à disposição de todos.

  • Evandro Oliveira:

    no Brasil, custaria mais de 100 bilhões

    • Miguel Vieira:

      No brasil existe um centro de pesquisa parecido, só que em menor escala… E aparentemente não custou tudo isto.

  • Cesar Grossmann:

    Só para comparação, a usina de Três Gargantas, na China, custou cerca de 57 bilhões de reais (US$26 bilhões) e deve se pagar em 10 anos de operação. Se der certo esta experiência, vai mais do que valer a pena. E se não der, vai ser uma lição cara, mas importante.

  • Jose Cassimiro Braga Cassimiro:

    será que não é dinheiro jogado fora e se não de certo.

Deixe seu comentário!