Gerador de fusão nuclear a frio é aprovado por cientistas

Por , em 8.11.2011

O físico italiano e inventor, Andrea Rossi, conduziu uma demonstração pública da sua máquina de “fusão a frio”, a E-Cat, na Universidade de Bologna, mostrando que uma pequena quantidade de energia introduzida provoca uma reação não explicada entre átomos de hidrogênio e níquel, que libera uma quantidade grande de energia, superior a dez vezes a quantidade colocada.

A primeira experiência de fusão a frio foi divulgada duas décadas atrás, mas o processo foi sempre visto com ceticismo. É aparentemente impossível dois tipos de átomos, geralmente um elemento mais leve e um metal pesado, se fundirem, liberando calor puro que pode ser convertido em eletricidade. O processo é atraente por duas razões: diferente da fissão nuclear, não há radiação liberada; e ao contrário dos processos de fusão que acontecem no sol, a forma fria não exige temperaturas extremas.

Mas os pesquisadores que supostamente demonstraram a fusão a frio no passado não foram capazes de explicar o mecanismo fundamental que fabrica a reação. Por isso, a comunidade científica tem virado as costas para esse tipo de pesquisa. A maioria dos físicos – assim como o Departamento Americano de Energia (DoE), jornais acadêmicos e Escritório de Patentes Americano – consideram falsas as máquinas de fusão a frio, já que as leis da física anulam a possibilidade de fusão nuclear a temperatura ambiente.

Rossi e o físico Sergio demonstraram com sucesso o funcionamento da E-Cat em abril, para um grupo de físicos suecos. Os devotos da fusão a frio acreditam que há pouco entendimento do processo físico que acontece nessas máquinas, que produzem energia segura, limpa e renovável.

Os físicos convidados para a demonstração em abril deram sinal verde para o E-Cat. Ela produziu calor demais para ser apenas da reação química. Eles escreveram que “a única explicação é que há algum processo nuclear que aumenta a produção de energia”.

Nos meses seguintes, Rossi construiu uma versão maior do dispositivo, que combina módulos de fusão menores. Na demonstração em outubro, após colocar 400 watts em cada módulo, cada um gerou uma produção continua de 10 quilowatts (470 KW juntos) por quase quatro horas.

Rossi não publicou nenhum trabalho explicando os detalhes do funcionamento interno do E-Cat, pois ele não possui patente. Mas outros pesquisadores têm teorias sobre o funcionamento do processo. Peter Hagelstein, um professor de engenharia elétrica e ciências da computação, e um dos maiores defensores da fusão a frio, pensa que o processo talvez envolva energia vibracional no entrelaçado do metal, levando a mudanças nucleares que terminam em fusão.

“Não há informação confiável suficiente sobre o E-Cat para uma opinião racional, ainda”, afirma Hagelstein. “Mas, devido aos experimentos, eu acredito que Rossi deveria ser levado a sério até que seja comprovado ou refutado”.

Rossi criou uma companhia, Leonardo Corp., que irá produzir e – ele espera – vender E-Cats. Até lá, Hagelstein e outros pesquisadores da fusão a frio desejam que a conservadora comunidade científica dê uma olhada melhor em máquinas como a E-Cat. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (6 votos, média: 3,17 de 5)

45 comentários

  • Mauricio Lopes:

    creio que o que possa ajudar no processo de fusão seja a condição de zero absoluto ( – 273,15 °C ) onde se isola a interferência causada pelo calor a qualquer atomo ficando mais fácil cadencialos

  • Jorginho:

    Só falta dizer que isso não é possível, como disse Einstein, relativo à Bomba atômica, qd uma “pequena reação” desencadearia outra muito maior.

    Entretanto, vou esperar maiores conclusões para chegar aos finalmente. Até agora é só especulação… E depois, poderão dizer que o calor gerado era devido ter esquecido desligar a garrafa de cafeína! …Como seu deu com a velocidade superior a luz.

    A ciência é como Thomé: “Só acredito vendo, cheirando e passando a mão!”

  • Roberto:

    Melhor que isso só se fosse verdade.

  • Samoel Bianeck:

    Segundo se sabe, o gerador de fusão nuclear a frio seria a grande soluçäo energetica para o mundo.
    Agora temos esta maravilha em mäos! Resta saber quando o poder das grandes CIAS e dos cartéis das energias retrogradas hoje utilizadas, permitiräo que ela chegue as mäos dos usuários.

  • Rebelo Fernandes:

    Talvez haja uma explicação para a produção de energia que paço a discutir:
    O Níquel56(28e- + 28p + 28n) aparece estável em 5 diferentes isótopos:
    Níquel58(28e- + 28p + 30n)
    Níquel60(28e- + 28p + 32n)
    Níquel62(28e- + 28p + 34n)
    Níquel64(28e- + 28p + 36n)
    A experiência passa por fazer reagir o Ni com Hidrogéneo.
    1º passo:
    Níquel56(28e- + 28p + 28n)+ 2H(2e- + 2p)
    Se os protões do hidrogéneo decaírem para neutrões, libertarão 2 positrões:
    Níquel56(28e- + 28p + 28n)+ 2H(+2n +2e- +2e+)
    Os dois neutrões serão absorvidos pelo núcleo do Ni e os positrões anular-se-ão com os electrões, (aniquilação de pares)libertando energia formando-se:
    Níquel56(28e- + 28p + 28n)+ 2H(+2n +2e- +2e+)= Níquel58(28e- + 28p + 30n)+ 4meC^2
    me – massa do electrão.
    4meC^2 = 4×9,11E-31*299792458^2 = 3,275j = 2,044E06 eV
    Se a cadeia for completa:
    Níquel56(28e- + 28p + 28n)+ 8H(8n +8e- +8e+)= Níquel58(28e- + 28p + 34n)+ 16meC^2
    16meC^2 = 1,31e-12 j = 8,177E06 eV
    Será?
    Eu penso que sim, embora não saiba se acontece toda a cadeia ou parte dela.

    • Ezio Jose:

      Temos as pilha recarregáveis. Atentar minuciosamente para suas composições já se tem uma idéia.

  • Rafael:

    Achei um pouco complicado a discurção do autor do progeto com as opiniões dos outros pesquisadores.
    Produsir calor através do frio é isso?
    Já ví produsir gelo com fogo, quanto mais quente mais se forma gelo. Vocês sabem como?
    É as antigas geladeiras a querosene, por fora o fogo aquece o gas que faz entrar em movimento e entra sobre preção dentro do congelador produsindo o frio.

    • saymyname:

      produzir, projeto e pressão, pelo amor de deus. Aparece cada comentário…

  • leonidas:

    Só quero deixar registrado que todas as tecnologias existentes e o estudos de novas tecnologias traram em um futuro não muito longe tudo que se ver em certos filmes de ficção e que não podemos ignorar os estudos de pesqauisadores e cientistas isilados sem a devida atenção e avaliação, pois pode ser o começo de uma nova realidade tanto no campo da energia como de muitas outras que precisamos boa sorte atodos que trabalham para um desenvolvimento sutentavel.

    • Ezio José:

      Um exemplo real que reforça sua idéia de “que todas as tecnologias existentes e o estudo de novas tecnologias “TRARAM” em um futuro não muito longe”, é observarmos (quem puder disponibilizar um) os gibis que foram editados pelos anos 1928 em que aparecia um personagem com um foguete amarrado nas costa viando pelo universo, visitando a lua e outros planetas. Hoje isto é quase tudo uma realidade. O primeiro avião comercial a jato foi o “De Havilland Comet” e surgiu em 1952 na França.

  • Paulo de OProfetaX o canal do Futuro:

    Concordo com o que o Glauco e o Jonatas, não conheço muito sobre o meio cientifico mas politicamente acredito nesta posição dos EUA com relação a Patentes e a descobertas cientificas, pesquisas etc. eles são os vilões estão prontos para embargar qualquer esboço cientifico e então de repente apareçe alguém deles com a descoberta ai sim aprovada como sempre foi assim com o avião e é assim até com eles mesmos. Os estudos cientificos que são para usos pacificos eles reprovam e entregam nas mãos dos seus comparsas (Militares) para uso militar. Foi assim com o projeto das chuvas hoje vemos o Haarp. Esses illuminatis…

  • Carlos Veiga:

    Se o Ferrari da fusão a frio pega, temos alta competição na produção de energias limpas!!

  • José Calasans:

    Na minha opinião,o Rossi deveria patentear a descoberta e convidar a comunidade científica e os meios de comunicação para observarem uma demonstração pública de tal feito,Ai sim não ficaria nenhuma dúvida sobre o assunto.Aproveitando o que o Glauco e o Jonatas mencionaram sobre o Nikolas Tesla,realmente foram atos de covardia motivado pela inveja em relação a Tesla,a covardia do edson foi tal que ele chegou a eletrocutar uma vaca para demonstrar que a corrente alternada criada por Tesla era perigosa,pois o tal elemento ruim,defendia o uso da corrente contínua para uso geral,o que é inviável,isso sem falar no incêndio provocado no laboratório de Tesla de forma criminosa,só que quebraram a cara pois Tesla tinha uma memória espetacular e quase não produzia manuscrito,ficava tudo na sua memória, energia gratuita para o povo não fio adiante pois o westnghouse não gostou da idéia eletricidade grátis é ruim hem…. de todas as invenções de Tesla a que eu tenho mais curiosidade de saber como funciona é o raio da morte.

    • Cesar:

      Foi isto que ele fez. O que ele devia ter feito e não fez foi explicar em um trabalho científico como é que funciona o e-Cat. E é por isto que eu estou de barbas de molho.

  • websuffer:

    Maravilha! MAIS uma vez o poder econômico fala mais alto e trava o desenvolvimento de novas tecnologias limpas.

  • Jonatas:

    Um “brasuca” inventou o avião e provou pro mundo voando, sem se arremessar de catapulta como certos irmãos que copiaram a idéia do brasileiro, mas não a sua genialidade. Não tem americano que admita isso;
    Assim como não admitiram Italianos inventando novos meios de energia. Vão é boicotar o projeto e depois de anos publicarem como idéia deles, só esperem pra ver.

    • Glauco:

      Será q alguém menciona no meio relojoeiro que foi o mesmo Santos Dumont quem inventou o relógio de pulso?

    • Leonardo:

      Em 1810, Abraham-Louis Breguet (1747-1823), talvez o maior relojoeiro da história, inventou um relógio de pulso por encomenda de Caroline Bonaparte, Rainha de Nápoles. E Santos Dumont nasceu em 1873. Vide o próprio site da Montres Breguet:
      http://www.breguet.com/en/Inventions-and-innovations

      E também Wikipedia:
      http://en.wikipedia.org/wiki/Abraham-Louis_Breguet

    • Igor:

      Claro e ele ia bem admitir a realidade?

    • Cesar:

      O relógio que Santos Dumont usava era feito por Cartier. Por encomenda de Santos Dumont. Então, não foi Santos Dumont que inventou o relógio de pulso.

      E sobre o avião, existem outros inventores anteriores aos irmãos Wright e Santos Dumont.

    • aguiarubra:

      P.: “…Vão é boicotar o projeto e depois de anos publicarem como idéia deles, só esperem pra ver…”

      Comentário: isso me fez lembrar do filme “Armagedon” (1998), onde o personagem Harry Stamper (Bruce Willis) descobre que roubaram os projetos de sua perfuratriz e, não sabendo como fazê-lo funcionar, chamaram-no para “consertar”…rsrsrs…

      Pode ser apenas ficção científica, mas reflete uma prática corrente nos meios tecno-científicos, não é mesmo?

  • Roberto:

    Alguém consegui colocar um ovo em pé.

  • Cesar:

    Na verdade não é só os “cientistas” (o Andrea Rossi tem outro por dentro?), ninguém sabe como funciona, e simplesmente por que o A. Rossi não abriu o E-Cat. Fica complicado comprovar um fenômeno completamente novo se nenhum cientista pode examinar o mesmo, reproduzir seu funcionamento, ou fazer outros experimentos. Temos que acreditar no sr. A. Rossi, que no momento está mais interessado em arranjar compradores para seu engenho do que em avançar a ciência.

    Muito suspeito, se querem saber. E o A. Rossi já esteve envolvido em falcatruas antes.

    • Cristiano:

      o Rossi não abriu o equipamento com medo de alguém copiá-lo, já que ele não tem nenhuma garantia dos seus direitos, nenhum país aceita a patente de máquinas de fusão a frio.
      Quanto ao funcionamento, ele mesmo disse que não ter certeza do processo que ocorre, nem mesmo se se trata de fusão a frio, mas, como demonstrado, o aparelho funciona.
      De qualquer forma, ainda que o caso seja de uma simples reação química, este invento é muito promissor.

    • Cesar:

      O E-Cat continua sendo uma caixa preta. E a ciência não é feita de caixas-pretas.

      Mas você levantou um ponto interessante… O A. Rossi alega que é fusão a frio e ao mesmo tempo diz que não entende exatamente o que acontece. Um pouco contraditório, não? Talvez eu tenha esquecido de algo ou entendido mal alguma coisa…

    • Cristiano M. G.:

      Ele não afirma categoricamente que trata-se de fusão nuclear, apenas levanta a hipótese que talvez seja fusão nuclear, uma vez que não se conhece nenhum processo químico semelhante que gere tanta energia.
      Em resumo: ele não sabe detidamente o processo físico-químico envolvido, ele apenas sabe que funciona.
      O fato de não entendermos algo, não quer dizer que ele não exista.
      Muitas descobertas foram feitas de formas acidentais, e só posteriormente foi-se entender o mecanismo envolvido por trás do invento.
      Não estou defendendo aqui o referido cientista, pode ser que ele seja charlatão. O problema é que ao criticá-lo muitos partem de definições pré-concebidas, alegando: não vou nem verificar isto, porque isto é impossível. Tal atitude não é ciência.
      Há pouco tempo, acreditava-se que existiam universos-ilha, que não existiriam outros planetas além do sistema solar, e que os vírus e bactérias provinham de geração espontânea…

    • Cesar:

      Cristiano, a atitude do Rossi é suspeita. E ele já esteve envolvido em fraude antes. Pode ser que ele estava de inocente na fraude anterior, pode ser que não.

      De qualquer forma, quem defende ele, defende por que quer que seja verdade, não por que tenha alguma prova que seja verdade. Onde está a descrição do processo que gera a energia? Não tem.

  • alan:

    Tomara que esse tipo de fusão, possa resolver o problema dos combustíveis fosseis.

  • Cientista:

    Fico triste em ouvir falando mal dos cientistas, que são egoístas, ignorantes ou gananciosos. Portanto, cá explicarei o que ocorre:

    É muito comum em ciência, que hajam erros de medida ou de interpretação, de fato, principalmente me física moderna, um mesmo experimento deve ser repetido inúmeras vezes em ambientes controlados e variados para que a média atingida possa ser “limpa” de ruídos, ruídos estes que podem ser desde um terremoto até o miado do gato que de vez em quando vem pegar sol no instituto. Portanto, é esperado que após uma medida ser feita, sejam feitas limpezas no sinal(através de inúmeras repetições) e uma teorização do fenômeno ocorrido, afinal, apenas quem fez o experimento sabe o que se passou por sua cabeça quando efetuou o mesmo. Essa teoria deve ser no mínimo condizente com as leis físicas atuais, mesmo a mecânica quântica em nenhum momento contradiz a newtoniana, apenas adiciona novos postulados que são influentes em um caso específico.

    E sobre a questão da ganância, vos digo que a grande maioria dos cientistas possui grande liberdade de pesquisa e de direito sobre sua obra intelectual, de forma que, fusão a frio ou qualquer outra tecnologia nova, traria montanhas de dinheiro de forma que meia dúzia de corporações seria a última coisa que seria temida. Pelo contrário, corporações que investem em Energia, por exemplo, ofereceriam montantes de dinheiro, prestígio e outros recursos em troca de exclusividade da tecnologia de fusão à frio.

    Por último gostaria de dizer que todos aqueles teóricos que se recusaram em esboçar a teorização das medidas de fusão a frio foram bastante honrados, se assim não fosse, eles o fariam e ficariam com os créditos dos verdadeiros descobridores que acabariam no máximo em um pre-print no arXiv sobre anomalias metrológicas.

    Por fim, devo lembrar que teorização física requer extensa matemática e muitas vezes depende de ferramentas intelectuais que nem ao menos existem ainda. Afinal, a Ciência deve trabalhar em cima de dados quantitativos e precisos, e não de forma “Pirahã” onde as quantidades são “um pouco pra lá” ou “um bocado pra cá”.

  • Alexandre:

    Nossa que legal, se eles conseguirem produzir energia eletrica para a população, irá resolver muitos problemas, pois é uma energia renovável, limpa e a produção é grande, espero que esse grupo consiga o que pretende 🙂

  • Vidente:

    E eu aqui chupando manga!

    • Ezio José:

      De repente cai uma maçã da mangueira em tua cuca. Não será um Fenômeno porque Newton já catou no gol.

  • Glauco:

    Mas o q importa se ninguém entende como funciona? O importante é funcionar!

    E como sempre os americanos fazem de tudo prá botar o pé na janta. O Departamento de Energia Americano só se preocupa com os trilhões de dólares que eles conseguem das usinas termelétricas e nucleares. As revistas científicas são formadas por clubinhos de velhos que não permitem inovação contrária aos seus pensamentos, vide o q ocorre com o McCanney. O Departamento de Patentes só se interessa em passar o conhecimento dos cientistas para o governo e para o exército e tirar da mão do povo, rotulando-o como proibido ou ineficiente.

    Espero que essa empresa vá prá frente. Esse equipamento poderia ser comprado, por exemplo, por um grupo de famílias e dividido entre as casas, tirando a rede elétrica da jogada. Seria ótimo.

    • Anderea:

      logo isso explode e nimguem sabe porque….

    • Sarcopo:

      Não deixa de ter razão, mas apenas pela não garantia de risco zero.
      O perigo, quanto a mim, resulta das consequências ainda não contabilizadas do recurso contínuo a métodos (fissão ou fusão) que alteram irreparavelmente a composição da Terra. Até que quantidades, e durante quanto tempo, o seu uso poderá ser considerado seguro, ou, pelo menos, menos prejudicial do que o recurso ao petróleo?

    • Glauco:

      Se não ocorre fusão nuclear, pq se preocupar com explosões??

    • Marte:

      Glauco,

      provavelmente você já ouviu falar – e talvez conheça bastante – sobre Nikola Tesla. Ele, no início do século XX, lá pelo ano de 1900, criou um dispositivo que fornecia energia elétrica praticamente de graça, a grandes distâncias, sem fios e sem grandes aparatos. E onde está esse dispositivo? Por que a distribuição gratuita de energia elétrica não foi avante? Provavelmente alguém que ganha com a energia fornecida, abafou a invenção.

    • Glauco:

      Vc está corretíssimo, e o Nikolas Tesla é um assunto de grande interesse meu. Ele era um engenheiro elétrico – sérvio se não me engano – que foi trabalhar com Thomas Edison nos Estados Unidos em pesquisas de distribuição elétrica. Ele era algo como um estagiário do Edison. Desenvolveu o rádio – mas foi roubado -, a rede alternada e o motor elétrico, fora vários estudos relacionados à eletricidade e eletromagnetismo.

      Com sua tecnologia de transmissão elétrica via cabos prontos – a corrente alternada -, vendeu-a para a White Westinghouse por um bom preço – nessa época ele já concorria com a corrente contínua do Edison -, e como parte do contrato, iria utilizar a quantidade de energia elétrica da rede que lhe conviesse, contanto que devolvesse a mesma quantidade para o sistema.

      Montou sua Torre de Tesla – provavelmente de conhecimento adquirido nas bibliotecas do Vaticano onde o pai era diretor -, e começou a alimentar o sistema da White Westinghouse com a energia que ele retirava gratuítamente das correntes elétricas verticais presentes na atmosfera. Como isso seria uma afronta – já que a WW precisava queimar toneladas de carvão para conseguir muito menos energia que ele conseguia gratuítamente -, o próprio Thomas Edison se encarregou de juntar capangas mílicos para derrubar sua torre. Ele ainda tentou levar essa tecnologia para a Europa, mas o Thomas Edison foi atrás dele e derrubou sua torre novamente.

      Hoje em dia não dependeríamos de carvão, petróleo, hidreléticas ou de usinas nucleares para produzir toda a energia que precisamos daqui para o resto da eternidade. Teríamos viagens planetárias só com o conhecimento adquirido com essa tecnologia. Mas, como sempre acontece, as mãos que comandam o mundo conseguiram nos tirar mais essa maravilha…

    • Jonatas:

      Roubos de idéias é pratica antiga, a tecnologia dos motores das apollos diz-se que os americanos roubaram da Alemanha, o alkman e o avião todo mundo já sabe, eram pra ser reconhecidos dos brasileiros, e agora novas revelações nos comentários dos senhores. É, o jogo de interesses atrapalhando o progresso da humanidade.

    • Glauco:

      O q me arrepiou foi um estudo publicado a poucos dias atrás por matemáticos de Lausanne, na Suíça, mostrando que apenas 147 multinacionais controlam outras 1318 empresas. Essas 1318 empresas controlam outras 43.060 multinacionais, que são responsáveis por 60% de todas as vendas realizadas no planeta, e todo esse poder criou um nível de infiltração dentro da política dos países impossível de ser dissolvida.

      E o pior: essas 147 empresas são em sua maioria bancos europeus, e esses bancos são empresas familiares fundadas a séculos com o ouro roubado durante as colonias nas américas. Fica bem claro como eles controlam nossos destinos a séculos…

    • fulano de tal:

      Tesla, ao ligar o seu aparelho, criou a maior descarga eletrica ja vista, com um arco voltaico de dezenas de metros de diametro. Houve uma descarga que circundou o globo terrestre umas 4 vezes, que teria queimado qualquer aparelho eletronico caso existisse. Por fim, a usina que alimentava a “experiencia” acabou pegando fogo….

      Obraigaram o Tesla a interromper as experiencias e derrubaram a torre que ele utilizava.

  • Jonatas:

    Muito simples, o americanos refitam pela falta de patentes e documentação, já que o funcionamento tem sinal verde. Na verdade, o que desejam é a documentação que revele os segredos do E-Cat pra roubarem o recurso dessa tecnologia para eles, essa é sua especialidade.

    • Jonatas:

      *”refutam”, teclado rim…

    • Jonatas:

      *com problema no “u” e no “i”, *ruim

  • vicente:

    eu pensei que fosse mentira dos italianos kkkkk

Deixe seu comentário!