Brasil poderia salvar a Mata Atlântica investindo apenas 0,01% do seu PIB anual

Por , em 31.08.2014

De acordo com um novo estudo de colaboração internacional, o Brasil precisa de menos US$ 200 milhões por ano para conservar sua valiosa Mata Atlântica, o que representa apenas 0,01% do seu PIB anual.

A Mata Atlântica é um dos pontos de biodiversidade mais importantes e ameaçados do mundo, contendo cerca de 10.000 espécies de plantas únicas e mais espécies de aves do que toda a Europa.

Situada ao longo da costa atlântica do Brasil, já cobriu uma área de aproximadamente 1,5 milhão de quilômetros quadrados. Hoje, é o lar de mais de 130 milhões de pessoas e abrange apenas 160.000 quilômetros quadrados, por causa do desmatamento.

Em vez de continuarmos destruindo essa natureza incrível, uma equipe internacional de cientistas calculou que o Brasil poderia gastar cerca de US$ 198 milhões (R$ 442 milhões) por ano para pagar proprietários privados para o reflorestamento de terras.

Juntamente com projetos de conservação existentes, isso seria o suficiente para preservar a maioria das espécies e muitos dos benefícios que vêm do ecossistema da floresta, tais como controle de pragas e a polinização.

O estudo

Pesquisadores calcularam quanto custaria para restaurar a quantidade mínima de habitat necessário para conservar a biodiversidade e manter as funções do ecossistema da Mata Atlântica.

Para isso, eles tiveram que primeiro gravar quantas espécies vivem atualmente em áreas intocadas e degradadas da floresta.

Ao longo de um período de nove anos, uma equipe de mais de 100 cientistas – incluindo a Dra. Renata Pardini, a Dra. Marianna Dixo e o professor Jean Paul Metzger da Universidade de São Paulo – coletou dados sobre aves, mamíferos e anfíbios em 79 regiões diferentes da floresta, e meticulosamente registrou informações sobre 25.000 indivíduos, constituídos de 140 espécies de aves, 43 espécies de mamíferos e 29 espécies de anfíbios.

Para avaliar os custos gerais de uma manutenção mínima da cobertura florestal, os cientistas combinaram estimativas atuais com custos médios pagos aos proprietários particulares de terras existentes.

Os resultados revelaram que:

  • Pelo menos 30% do habitat nativo precisa ser preservado para manter os atuais níveis de biodiversidade;
  • Isso custaria US$ 198 milhões por ano durante os três primeiros anos para reflorestar terra suficiente;
  • Isto é o equivalente a 0,0092% do PIB anual do Brasil, um número que se reduziria a 0,0026% quando os custos de restauração ativos não fossem mais necessários.

Futuro

Já existem alguns programas no Brasil que pagam proprietários de terras privadas para conservação da floresta, preservação de espécies e manutenção de ecossistemas saudáveis, mas essas são iniciativas locais que têm pouco impacto na melhoria das condições da floresta como um todo.

Uma das principais autoras do estudo, Cristina Banks-Leite, do Departamento de Ciências Biológicas do Imperial College London (Reino Unido), disse: “Nosso estudo mostra que seria relativamente barato garantir o futuro da floresta e proteger suas plantas, pássaros e outros animais. Precisamos começar a implementar esse tipo de regime agora [pagamento aos donos de terras para conservação], antes que seja tarde demais”. [Phys]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

1 comentário

  • Cesar Grossmann:

    Basicamente, se cada brasileiro desse US$1,00 por ano, a conta estava fechada.

Deixe seu comentário!