Médicos deveriam poder mentir sobre defeitos de nascimento para evitar abortos?

Por , em 11.03.2012

O Senado de Arizona, estado americano, aprovou uma lei que, essencialmente, permitiria que os médicos mentissem para as mulheres sobre defeitos de nascimento em nome da prevenção do aborto.

O projeto de lei, referido como “nascimento injusto” por alguns, se diz projetado para proteger os profissionais médicos de pais litigiosos de crianças deficientes que culpam o médico quando todos sabem que os defeitos congênitos não são causados por eles (e que, para muitas religiões, são causados Deus, que está castigando as mulheres por abortos).

Os opositores apontam que essas ações são raras (os abortos) e não precisam ser combatidas com legislação. E é interessante notar que, em teoria, a lei tornaria legal para os médicos interessados mentir para os pais, retendo informação sobre defeitos congênitos e antecipando nascimentos se eles acreditarem que isso pode levar os pais a optar por interromper a gravidez.

Para algumas pessoas, essa lei passa a ideia de que algumas entidades, como igrejas, pais, maridos, políticos e médicos se acham melhores em medir o que as mulheres devem fazer com suas partes do corpo do que elas próprias.

O aborto é ilegal em alguns países, como no Brasil. Isso gera uma controvérsia enorme sobre os direitos das pessoas versus o término de uma vida. E sobre essa nova lei? O que você acha? Os médicos deveriam poder mentir para evitar um aborto?[Jezebel]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

42 comentários

  • ns8094001:

    o arizona e um dos estados com populaçao inculta,nao se deveria misturar religiao com ciencia ! conheço um casal que soube que a filha ia nascer cega devido a uma doença que a mae teve durante a gravidez,e decidiram ter ter a criança,e depois tiveram mais filhos ,para assegurar que tratariam da irma,um dia que ja ca nao estariam,que medico tem o direito de ocultar ou mentir !!! vai o mesmo se responsabilizar que esse ser humano tenha uma vida digna !? vai esse ser humano ter uma vida miseravel num asilo do estado! compete aos pais ter acesso a informaçao e decidirem,pois sao eles que vao arcar com as consequencias,e so eles podem ou conseguem tentar assegurar uma vida digna a esse ser humano,admira-me como ainda existem situaçoes destas numa sociedade supostamente evoluida e de pessoas esclarecidas.

  • gloria:

    Estão confundindo as situações, uma coisa é abortar uma criança saudavel só porque a vagabunda ñ quer ter o trabalho de gerar criar e cuidar de um ser q ela e um inresponsável fabricou numa hora de horgia. outra coisa é um profissional da saude omitir o verdadeiro estado da gestação de um feto doente ou defeituoso, principalmente a mãe tem q saber, se ele ñ contar, o medico e o hospital seriam obigados a darem tratamentos e suportes financeiros a criança e a familia p\ sempre por lhes negarem a verdade.É de responsabilidade do médico o bem estar da mãe, pai e criança, p\ isso faz-se o pre natal p\ q \ esse novo ser venha c\ saude , então p\ q faze-lo?

  • Mari:

    É ignorancia ou hipocrisia? O texto fala sobre o aborto nos casos de crianças com problemas,acredito que nao sera uma criança de 7 ~9 meses que será abortada. Nao quero parecer cruel falando assim,mas deve ser uma realidade para a gravida que seu filho nasça com serios problemas,e que alias muitas nao tem condiçoes de cuidar e vivem por ai sofrendo. Minha vizinha teve um bebe sem cerebro,o bebe morreu. Isso nao e sofrimento?
    Voces deveriam se por no lugar dessas pessoas antes de opinar,se estão exigindo uma lei pra nao dizer,acho errado ocultar da mae.

  • Gera:

    Gente só vou dar um exemplo:

    Se vc soubesse q seu filho iria
    nascer sem cerebro, vc faria um
    aborto?

    Sem querer ser o dono da razão,
    mas o médico mentir para a mãe
    para ela não saber e não fazer
    um aborto, vira um crime!!!

    Respeito todas as crenças e
    opiniões a respeito do tema,
    mas um mínimo de racionalidade
    sobre o assunto deve-se ter!!!

    Para mim é mais um exemplo de lei
    q serve de retrocesso para o ser
    humano, assim como outras q
    deveriam ser estudadas por pessoas mais
    competentes e menos religiosas!!!

    É com leis como esta q voltaremos
    a era medieval!!!

    E este é o sonho de todas as
    religiões e todos os Paises
    q existem no mundo, pois voltariamos
    a um tempo que foi a era de ouro deles
    na qual tinham controle total sobre o
    ser humano e poderiam voltar a usar
    de toda a atrocidade q quisessem…

    Afinal hoje em dia se dá mais valor
    a lei que a verdade!!!
    E este é o meio que eles têm de te
    controlar, pois:

    Se é lei… deve ser cumprida!
    Se é lei… deve ser obedecida!!!
    Se é lei… deve ser aplicada!!!!!

    Atenção gente cuidado já estamos
    entrando na idade média, só q com
    computadores!!!!!!!!!

  • Herms:

    O penúltimo parágrafo foi totalmente apologético do assassinato de fetos. O Hypescience não consegue manter a imparcialidade de seus tradutores?

  • Nik:

    Não entendo muito sobre comportamento humano, mas parece que os religiosos acham que se o aborto for legalizado irá virar só mais uma opção “comum” do dia-a-dia (o que eu dúvido MUITO).

    É isso mesmo? Só queria entender o lado deles.

    • Nika Pinika:

      Já trabalhei com um evangélico mais rigoroso que argumentava que a legalização do aborto era desejo da nova ordem mundial, para diminuir a população do mundo (oi?).
      Como “nova ordem mundial” não me diz muita coisa, eu só balbuciava um “ah, tá…”

    • Nik:

      Bom, levando em consideração que tem caras por aí que se orgulham de dizer que botaram mais de 10, 20 ou até 50 filhos no mundo, não me parece má idéia.

      E mais, melhor legalizar o aborto agora antes que o Brasil fique na mesma situação que a China, onde grávidas são levadas à força para hospitais todos os dias para terem seus filhos abortados (mesmo que saudaveis) graças a política de 1 filho só.

    • Halloy:

      Que nunca se debería mentir a una futura madre sobre el estado físico de su bebe, porque la decisión final tiene que ser suya, no de los médicos, teniendo en cuenta que todas las mujeres y/u hombres no son capacitados para afrontar situaciones excepcionales, es igual si tienes una enfermedad grave incurable, el principal interesado y la persona que le va a tener a su cargo tiene el derecho a estar informado con todos detalles de lo que pasa y que puede o va a pasar. Para las mentiras, tenemos más que bastante con los políticos y los abogados, digo yo.

  • John jones:

    caramba desse jeito a coisa vai ficar preta!!!

  • Claudia F.:

    Aborto não deve ser proibido, no entante é necessário que se faça uma conscientização das mulheres com relação a métodos contraceptivos, aborto é a última instancia, é a última tentativa, o último recurso, antes de se pensar em legalizar o aborto em algum lugar é ncessário uma educação da população um esclarecimento do que é o aborto e seus prós e contras!!!
    E o médico jamais pode mentir para uma mãe, é um absurdo, quem decido se vai criar a criança é a mãe e o pai e não o médico!!!

    • Nika Pinika:

      Concordo com tudo o que você falou.
      Sou favorável à legalização do aborto, mas ele deveria ser o último recurso, quando já se considerou todas as outras possibilidades. Acho que ninguém deveria pensar que um trauma desse tamanho deva ser o primeiro caminho ou o mais fácil. É aí que entram os métodos contraceptivos, o planejamento familiar, educação sexual e sistema nacional de adoção.

  • R^ml:

    No Brasil, já temos uma forma mais eficiente de acabar com delinquentes e moradores de rua que não foram extirpados antes do nascimento. Ou se deixa as crianças ao esmo da própria crueldade e que se matem a si mesmas, ou se deixa que indivíduos de classe média alta ateiem fogo naqueles que chegarem a velhice.

  • Eset Dark Android:

    Antes eu ficava em cima do muro com relação ao aborto mas, depois de ver um vídeo de um aborto num trabalho da escola no ano passado eu passei a ser contra, é muita crueldade, sei que aquela criança poderia ter uma vida miserável e que isso também é cruel mas, métodos para evitar a gravidez é que não falta, na minha opinião isso é questão de responsabilidade, em lugares muito pobres onde as pessoas não são tão instruídas o governo poderia se esforçar em educa-las sexualmente, distribuir pílulas, preservativos, a criança não tem culpa.

    • jose ajosilaudof eliciano mendes:

      com certeza que a criança é uma vitima de tudo isso pois é um ser indefeso, que sofre as consequencias, dos erros praticados por outros.

    • André:

      E certamente, nos casos de estupro a mãe tem o dever de carregar um concepto que a lembra o que o estupro significou pra ela? Nossa sociedade é machista e queremos opinar em uma questão que não diz respeito aos nossos corpos (homens) e sobre o sentimento de ser mãe. O direito de decidir deve ser da mulher, com ampliação da educação para os métodos contraceptivos. Não adianta defender o aborto no caso de estupro e ser contra em outros casos, porque seja qual for a circunstância que deu origem à gravidez, trata-se de falar se a mulher tem o direito de decidir sobre o embrião. A igreja é contra? Eduque suas fiéis de que isto é errado, mas não podemos, em um Esatdo laico, legslar de acordo com preceitos religiosos.

  • Clara Telis:

    ”Para algumas pessoas, essa lei passa a ideia de que algumas entidades, como igrejas, pais, maridos, políticos e médicos se acham melhores em medir o que as mulheres devem fazer com suas partes do corpo do que elas próprias.” Eu faço parte desse grupo , acho que a mulher é quem mais sofre nessa história ,fora a criança que mais tarde também perceberá isso de uma maneira ou outra . Eu acho melhor abortar um feto do que fazer uma criança feliz. O feto não tem alma ,não vai sentir dor e se sentir não vai ter noção por que a está sentindo, mas uma criança não. Sou totalmente contra essa lei, as mulheres que parem e os outros que tem que tomar conta da vida delas ? Tem mulheres que aceitam um filho deficiente ,outras infelizmente não ,é terrível eu sei ,mas é a realidade ,então quer dizer que é mais exemplar uma mulher que crie uma criança sem amor algum ,crie apenas por obrigação do que uma que aborta por que sabe que não terá condições fraternas ,não terá amor pra dar pra essa criança?

    • Clara Telis:

      Uma criança INfeliz ,eu errei ali no meu comentário

    • Nika Pinika:

      É, Clara, concordo com você. É como se a mentira fosse algo bom e só o ato de parir bastasse.
      Criança deficiente, só os pais que desejaram esse filho podem mensurar o tamanho da angústia de não saber se seu filho sobreviverá ou se vai ter “lugar” no mundo, caso sobreviva.
      Então, acho que não cabe a mais ninguém, além dos pais, a tarefa de decidir se querem ou não dar continuidade àquela gestação. Não se pode negar isso, ainda mais ocultando algo tão sério.
      Filho é para a vida toda. E ele não será cuidado, sustentado e criado pelo “profissional” que mentiu. O médico pode estar colocando uma criança nas mãos de pessoa(s) que não estará(ão) preparada(s) para assumir essa grande responsabilidade. É preciso ter isto muito claro, pois o sofrimento do indivíduo deficiente pode ser imenso se ele vier ao mundo sob essas condições.

    • Fist of God:

      Analisando: “O feto não tem alma” vc tem absoluta certeza dissp porque….? De onde vc tirou isso? Quanto à dor, se vc assistir a videos de abortos por sucção (não sei o termo técnico) verá que SIM, eles sentem dor. “as mulheres que parem e os outros que tem que tomar conta da vida delas” a vida em questão, qestá em risco, não é a delas mas do bebê (feto é só um eufenismo pra diminuir o mau-estar ao falar em assassinato. Ah, desculpe, vc deve preferir aborto). E por fim, se a mulher não aceito o filho deficiente, pode abandonar numa calçada qualquer depois de sair da maternidade. Como diria Paulo Maluf: “abandona mas não mata!” É claro, vão se dizer muuuuito preocupados com o sofrimento desses inocentes, e por isso vão matá-los… muito caridosos… a vida não vale mais nada mesmo!

    • Thiago:

      Em relação ao feto ter ou não alma, é uma crença individual.

      Por conta disso, a escolha de abortar ou não um feto defeituoso cabe aos PAIS do bebê.

      A realidade é que boa parte dos portadores de deficiência (especialente intelectual) não consegue ter uma vida independente e produtiva, se tornando um peso para a família, e no futuro para o Estado.

      O ideal é que os pais que gerarem uma criança defeituosa tenham a opção de abortá-la caso queiram.

    • André:

      E convenhamos que os documentários que se fazem contra o aborto são extremamente tendenciosos, porque querem defender seu próprio ponto de vista. Se o aborto for legalizado,será um procedimento médico como outro qualquer, não um pequeno açougue como estes vídeos tentam mostrar. No site do Minstério da Saúde, voc~e pode encontrar material falando sobre Aborto Humanizado e pode ver experiências de outros países no qual o aborto é legalizado. E quando eu digo que sou a favor do direito de abortar, não estou dizendo que sou a favor do aborto, há uma sutil diferença.

    • Mari:

      Exatamente isso,as pessoas que fazem isso parecer carnificina mas aposto que se fossem com eles nao pensariam duas vezes.

  • Bom Senso:

    Não sou a favor do aborto, mais esconder alguma doença ou defeito tira o direito da mãe começar um tratamento ou tentar alguma coisa para ajudar o filho, o médico não tem como adivinhar quem vai querer interromper a gravidez ou quem vai querer ter seu bebê mesmo assim.

  • Fist of God:

    “o que as mulheres devem fazer com suas partes do corpo” Tomando por base a ideia feminista de que a mulher é a única árbitra sobre seu direito de fazer o que quiser com o próprio corpo, o aborto deveria ser liberado apenas nos casos em que o bebê fosse do sexo masculino ou o direito do bebê do sexo feminino decidir sobre seu próprio corpo estaria sendo negado. Podem chamar de “Paradoxo Feminista”.
    Lembrando, é claro, que “fazer com suas partes do corpo” as mulheres podem fazer o que bem entenderem: amputar um braço? Vai fundo! Arrancar seu próprio olho freguesa? É pra já! Pop! Agora, o bebê que está dentro do ventre não faz parte do corpo da “mãe”, portanto não, ela não pode fazer o que quiser com ele e ponto final.

    • R^ml:

      De fato, do ponto de vista fisiológico, o feto é um corpo estranho para a mulher. O sistema imunológico da gestante precisa ser momentaneamente “desligado” para que a mãe não rejeite o bebê.

  • alx:

    NÃOOO! PARA MIM, MÃE QUE ABORTA SEU FILHO OU O JOGA NO LIXO, SEJA POR QUAL FOR O PROBLEMA, NÃO MERECE SER CHAMADA DE MÃE E SIM DE ASSASSINA, NEM ANIMAL FAZ ISSO! JA VI MUITOS CASOS QUE O FILHO TEM PROBLEMAS E DEVE TER CUIDADOS DA MÃE A VIDA TODA E NEM POR ISSO ELA O ABANDONA, ISSO SIM É MÃE

    • Dryka Mazetto:

      noa casos dos animais, se o filhota nasce com problema ou morre, ou morto, geralmente as mães os comem…cachorros, gatos e outros carnívoros…e vc pensa no sofrimento dessa mãe humana carregando um feto que só consegue se desenvolver por haver nutrição vindo dela através da placenta, mas que ao sair de dentro dela não tem chance nenhuma de sobreviver, como no caso de anencéfalos??se nascendo normal, corre-se o risco do bebe morrer e isso traz danos psicológicos à mãe, imagina sabendo todo dia que não adianta criar vínculo emocional, acariciar a barriga, falar com o bb pq ele não tem condições de reagir e vai simplesmente pra um caixão logo depois de nascer??é muita falta de se colocar no lugar do outro e ter simplesmente a visão, fez tem que parir, seja o que for,como for, pondo em risco a própria vida?ou então jogar a criança na primeira lixeira e dane-se??pense um pouco e verá quanto sofrimento a mais esse tipo de opinião e políticas trazem a tantas mulheres, famílias e crianças…

  • Luanna Lyma:

    EU SOU CONTRA O ABORTO. É SUPER FÁCIL EVITAR UM FILHO. SUPER FÁCIL. ASSASSINAR ALGUÉM NÃO É CRIME? POR QUE NOSSAS VIDAS VALE MAIS DO QUE A DE UM FETO? AH NÃO, NÃO VALE MAIS!

    • Marcos CtrlZ:

      Vale mais sim, pois vc não está dentro de outro ser humano. Esse feto está e portanto é totalmente responsabilidade da mulher q o carrega. Ela decide.

    • R^ml:

      Se decide matar = infanticidio. E que seja encarado como tal.

  • Angel M.:

    Melhor que mentir e causar um choque nos pais do bebê é conscientizar a família que vai ter a criança!

  • Andhros:

    ► Médicos deveriam poder ­mentir?
    NUNCA, isto não é profissional e, muito menos, ético. Esta prática nega a pessoa a consciência de suas decisões e, consequentemente, o controle de sua própria vida. Fere um direito primordial do ser humano.

    ► Sobre defeitos de nascimento?
    SOBRE NADA, nenhum assunto ou detalhe é passível de mentira, toda informação factual é de direito da pessoa. Afinal, se uma pessoa é tão débil a ponto de não ter condições de se responsabilizar por sua própria saúde, na mesma proporção, não poderá ser responsabilizada pelos próprios atos.

    ► Para evitar abortos?
    MOTIVO NENHUM justifica distorcer ou omitir fatos sobre a saúde de uma pessoa adulta e em condição mental adequada. É direito da pessoa saber. O médico pode reservar a si mesmo suas especulações. No máximo, se for do desejo da pessoa ou ela achar que não pode lidar com os detalhes da situação, ela pode pedir ao médico para não explicar.

    Tudo isso se resume a tratar seres humanos adultos como crianças. Má comparação? Não mesmo! As crianças são incapazes de tomar decisões inteiramente conscientes sobre a sua vida pois não atingiram maturidade. Por não saber interpretar e processar as informações e para não sofrer a dura pena de ter que aprender tudo pelo erro, um adulto, mais experiente, é responsável por tomar as decisões importantes.

    Mas uma pessoa adulta tem direito de tomar estas decisões a seu respeito. Ou o estado vai passar a controlar a vida de todo mundo.

    Além disso, mentira ter amparo da lei? Que tipo de moral é essa? Acho que o Arizona desenterrou essa das profundezas paleozoicas do Grand Canyon!

  • Amanda:

    É melhor proibir o aborto e contar pra mãe da deficiência do feto. Pelo menos ela vai poder decidir se dá pra adoção ou se consegue cuidar da criança.

    • Dryka Mazetto:

      se vc tivesse grávida de um feto sem cérebro, vc iria rezar pra que o aborto no Brasil fosse legalizado…pensa vc carregando um bb durante 9 meses e que em vez de enxoval, berço, a única coisa que vai comprar é um caixãozinho??deve ser ótimo, todo ano vc deveria comemorar essa data tão marcante e festiva né??e se não damos conta de achar lares pra tantas crianças fisica e mentalmente saudáveis, vc ainda acha que uma criança severamente defeituosa iria prontamente pra casa de pais adotivos amorosos…acordaaaaaaaa Alice, nosso planeta não é o país das maravilhas…nada é perfeito!!!

  • Nika Pinika:

    “Para algumas pessoas, essa lei passa a ideia de que algumas entidades, como igrejas, pais, maridos, políticos e médicos se acham melhores em medir o que as mulheres devem fazer com suas partes do corpo do que elas próprias.”

    Exatamente!

  • Maria Manuela:

    AQui á uns anos atrás a minha opinião sobre o aborto era, que cada mulher ou casal deveria decidir o que fazer…
    Depois li o livro de Allan Kardec,um livro espiritual, penso que a maioria das pessoas o conhece, em que é dito o seguinte, cada aborto que é feito é uma missão abortada.
    Aquela alma ía renascer em determinado corpo com uma missão a cumprir, o exemplo de Andrea Bocelli em que foi dito á mãe que iria nascer com muitos problemas, mas mesmo assim ela resolveu tê-lo e ainda bem, perdíamos aquela voz maravilhosa…

  • Roberto:

    A influencia pernóstica da igreja acabou por tornar a mentira uma instituição que vence o tempo.

  • Gray:

    Esta decisão não cabe ao médico nem ao Estado, mas à família. É dever do médico fornecer todas as informações, para que a família tome a decisão que achar melhor, baseada em seus próprios preceitos.

  • alessandro:

    ninguém faz aborto por esporte, faz por absoluta necessidade. Deixem a mulher escolher o que deseja fazer e se não querem que ela escolha o aborto ofereçam a ela outras opções – que aqueles que querem forçar o nascimento da criança – assumam a obrigação de cria-la. Dar ao medico o direito de mentir ao paciente (qualquer paciente) é errado, e dever dele informar e orientar – nunca decidir pelo paciente – isso é brincar de Deus

  • junior:

    sei que pareço cruel, porém, eu penso que permitir que uma criança tenha uma vida de sofrimento e dor é tão ou mais ruim do que o aborto

  • Carmen M:

    Concordo consigo; O nosso egoísmo de pro-vida somente se limita ao início de uma vida mas não à continuidade desta. O que quero dizer com isto?
    As pessoas que afirmam que um conjunto de células é capaz de sentir apesar de não ter o seu sistema nervoso desenvolvido – isto tem lógica? – não pensam no que é crescer num ORFANATO, passar por famílias abusivas ou nem sequer ter a oportunidade disto, ficar preso num orfanato onde se é abusado (sexualmente, fisicamente, psicologicamente).

    Muito bem, quere que o bebé da mulher que quer abortar viva? Então tome a acção em suas mãos e seja o que diz ser : pro-vida. Adopte esse bebé, tome todas despesas em suas mãos e cresça-o.
    Exacto.
    Mais uma vez não se pensa no sofrimento dos bebés que nascem indesejados – esfomeados porque os pais não têm dinheiro para os alimentar; sem ter acesso a livros, ao computador como todos temos, a higiéne como instalações sanitárias.
    Mas claro, tudo está bem desde que o bebé NASÇA, eh?
    Mais vale o sofrimento que essa criança pode passar do que a sua não existência… né? Tudo bem desde que ela apareça neste mundo, hm?

    Se têm a idea que as mulheres decidem abortar como decidem fazer a manicure, então que tal se informarem sobre os riscos de vida e a dor física que uma mulher passa para abortar? Já para não falar que a maioria sofre emocionalmente com isto. Não há mulher que DESFRUTE de abortos.

    Olhem à sua volta.

Deixe seu comentário!