Metano em Marte pode ser resultado de redemoinhos eletrificados

Por , em 13.09.2012

O metano encontrado em Marte sempre foi um mistério para os cientistas, por que ele é um gás que dura pouco tempo na atmosfera marciana e, para haver nuvens de metano como as que já foram detectadas desde 1999, a substância teria que estar sendo criada por algum processo. A fonte deste metano, seja geológica, seja biológica, não havia sido encontrada.

Agora, uma equipe de cientistas mexicanos, trabalhando sob a direção do professor Arturo Robledo-Martinez, da Universidad Autónoma Metropolitana, de Azcapotzalco, México, propõe, em um trabalho publicado no Geophysical Research Letters, que o metano é produzido pelos redemoinhos de poeira e tempestades de poeira do planeta.

Os redemoinhos, ou “dust devils“, são produzidos quando uma bolsa de ar quente junto a superfície consegue atravessar uma camada de ar frio. À medida que o ar quente sobe, ele gira pela conservação do movimento angular. Mais ar quente acorre à região do redemoinho, alimentando-o, o que faz com que os redemoinhos durem bastante tempo.

A eletrificação do redemoinho é resultado do atrito entre as partículas, um fenômeno conhecido como triboeletricidade. O campo elétrico resultante pode chegar a 10.000 volts por metro, mas é bastante variável.

Segundo simulações em laboratório, descargas elétricas sobre amostras de gelo em uma atmosfera semelhante à marciana produziram metano. Este processo criou três vezes mais metanos que um outro experimento, a fotólise usando laser ultra violeta.

As descargas seriam produzidas pela eletrificação dos redemoinhos e tempestades de poeira, e ionizariam o CO2 da atmosfera, além de moléculas de água, e a combinação dos elementos resultantes produziria metano.

Ainda não estão descartadas outras origens para o metano, mas como os redemoinhos se formam rapidamente em Marte, eles também poderiam produzir metano rapidamente, gerando nuvens de metano.

Entretanto, a hipótese dos redemoinhos gerando metano tem a seu favor o fato de que o metano tem sido detectado nas estações quentes, que produzem bastante redemoinhos, em regiões onde há bastante gelo subterrâneo.

Agora é ficar de olho nos redemoinhos marcianos para ver se realmente nuvens de metano surgem dos locais onde eles passaram.[PhysOrg]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

6 comentários

  • Murilo Mazzolo:

    ah… achei que eram Vacas Marcianas arrotando!!! kkkkkkkkk zuera!!

    Se a criação de Metano a partir de redemoinhos eletrificados de areia e tempestades… seria possível criarem, de alguma forma, o mesmo processo em Marte, mas ao invés de liberar Metano, liberar Oxigênio e Nitrogênio pra deixar a Atmosfera Marciana mais Semelhante á Terrestre?? Quem sabe isso no Futuro… Ouço comentários de que os EUA testa máquinas que controlam(ou criam…) tempestades, furacão etc.
    Então… seria possível??

  • Gilmar Oliveira Ferreira:

    Vixi, tava na esperança de que existiam colonias microbiana fazendo isso, agora acabou meu sonho de ver marte ter evoluido algum tipo de vida lá. : (

    • Cesar Grossmann:

      Não perca as esperanças, Gilmar. O que os cientistas apresentaram foi um mecanismo alternativo que pode produzir metano sem precisar de microorganismos. Agora, se é realmente este o mecanismo que produz o metano em Marte é outra conversa. Existem bons motivos para acreditar que sim, mas isto não é prova que seja assim.

  • Glauco Ramalho:

    A explicação do McCanney é bem melhor: A eletricidade causa o redemoinho, e não o inverso. Nesse experimento de laboratório eles não fizeram partículas colidirem até produzirem eletricidade: eles produziram correntes elétricas diretamente assim como ocorre na atmosfera marciana, e então associaram isso ao atrito das partículas e à subsequente produção de metano. Fizeram o caminho inverso, mas pelo menos estão na pista elétrica…

    • Cesar Grossmann:

      Na verdade, não. Em laboratório eles mostraram que descargas elétricas produzem metano. E já sabem que redemoinhos produzem eletricidade por efeito triboelétrico, por que este fenômeno já foi registrado aqui na Terra. Simples assim…

      Aliás, o McCanney é só conversa. Não sei como é que uma hipótese que não foi acompanhada de experimentação pode ser melhor do que o resultado da medição direta (experimentação)…

    • Glauco Ramalho:

      Você tá focando no ponto errado de novo. Claro que em laboratório descargas elétricas produzem metano. Produzem muita coisa aliás. A questão aqui é a causa-consequência: os furacões marcianos e terrestres são consequência de descargas elétricas, não o contrário.

      Nunca foi feito um único experimento em nenhum laboratório em nenhuma parte do Universo em que moléculas fossem colididas umas com as outras até produzirem raios e logo em seguida vórtices triboelétricos e você sabe disso.

      O que eles fizeram foi criar a descarga elétrica com diferencial de potencial elétrico e atrávés dela o metano.

Deixe seu comentário!