Nasa que usar micróbios para criar uma base em Marte

Por , em 15.10.2012

Os primeiros habitantes de mundos distantes vão precisar de combustível, alimento e abrigo para sobreviver, mas o envio de material da Terra ficaria muito caro. Cada grama de material a mais em uma nave espacial representa um consumo adicional de combustível, o que encarece a missão.

A opção lógica seria conseguir todo o material que precisa a partir de recursos locais. Mas em um planeta como Marte não há alimentos nem combustível, e para conseguir algum material de construção seria difícil; lá só tem areia.

Entram em cena os micróbios geneticamente modificados – bactérias e algas que são alterados geneticamente para produzir alguma substância que nos interessa, ou degradar alguma que não nos interessa, geralmente.

Podemos, por exemplo, utilizar bactérias para produzir açúcar. Embora o ambiente de Marte, rico em dióxido de carbono e nitrogênio, seja fatal para a grande maioria dos micróbios, uma antiga cianobactéria chamada Anabaena consegue sobreviver nestes ambientes, produzindo açúcares a partir desses gases. Só que ela produz pouco açúcar: basicamente “para consumo próprio”.

Mas, com um pouquinho de engenharia genética, ela poderia produzir mais do que vai consumir, e esse excesso poderia alimentar uma colônia de outras bactérias. Esta outra colônia poderia produzir qualquer coisa a partir do açúcar, como óleo, plástico ou combustível para os astronautas.

Essa ideia já é interessante por si só, mas tem mais: cientistas também descobriram que tijolo e cimento podem ser obtidos a partir da urina dos astronautas, novamente com uma ajudinha das bactérias. A Sporosarcina pasteurii é uma bactéria que degrada a ureia, principal componente da urina, e excreta amônia. O excesso de amônia torna o ambiente alcalino o suficiente para se formar cimento a partir de carbonato de cálcio, que pode ser usado para criar tijolos e argamassa.

Biologia sintética

A biologia sintética, que é um cruzamento de engenharia com biologia, está acumulando uma “caixa de ferramentas biológica”: trechos de genes, os “biobricks” (“biotijolos”) com funções específicas. Colocando um biobrick em uma bactéria ou alga, acrescenta-se a ela uma nova função ou capacidade, ou então altera-se o funcionamento de alguma função que ela já exerce.

Por exemplo, isolando o código genético da S. pasteurii responsável pela degradação da ureia, os cientistas conseguiram um “biobrick” que, ao ser inserido no genoma da E. coli, dá àquela bactéria a mesma capacidade de degradar ureia. De forma semelhante, para fazer com que a Anabaena produza mais açúcar do que consome, foi usado um trecho de DNA da E. coli, um “biobrick” que já faz parte da caixa de ferramentas biológica.

Ou seja, provavelmente, os primeiros colonos de Marte levarão na sua bagagem uma caixa de ferramentas biológicas.[Gizmodo, New Scientist]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

6 comentários

  • Andre Luis:

    Pelo jeito, vontade não falta para estes cientístas povoar Marte! Esses caras devem sonhar constantemente com uma cidade humana lá, e depois as nações fazendo guerras lá, apenas por disputas territoriais rsrsrs Eu espero que haja intenções boas por parte deles, de cunho apenas científico e de beneficios a todos, sem depredar outro planeta.

  • Murilo Mazzolo:

    Mas até chegarem lá, produzirem as bactérias, e esperar até que as bactérias forneçam os materiais necessários para as construções e tudo mais, e até que terminem as construções… acho que levaria muitos anos, se não, décadas!!!!

  • FacebookUser2:

    Interessante.

  • Duda Weyll:

    Sou entusiasta do transumanismo, pois é evidente que nossos corpos não possuem adaptação às condições do espaço e as localidades semelhantes à Terra são bastante escassas. A dificuldade maior é a ética religiosa, mas acho que o uso de engenharia genética para alimentar astronautas possivelmente nos fará rever conceitos.

    Enfim, em vez de pensar em lugares habitáveis, poderíamos pensar em quanto podemos nos alterar pra habitar o maior número de lugares possíveis conservando nossa essência.

    • tommy lommy:

      Concordo e acredito que cedo ou tarde isso fatalmente irá ocorrer. Só não sei o que você quis dizer com “essência”… …suspeito que essa palavra não possua significado em nós.

  • Glauco Ramalho:

    Inócuo. Marte não vai ser mais o mesmo depois de Outubro/2013. Fiquem de olho no Hulk vermelho q vocês vão entender…

Deixe seu comentário!