Meteorito russo explodiu com a força de 30 bombas nucleares

Por , em 20.02.2013

No último dia 15, um meteorito explodiu no céu sobre a cidade russa de Chelyabinsk, ferindo cerca de mil pessoas. Segundo especialistas, a explosão teria liberado uma energia equivalente a 500 kilotons de TNT, cerca de 30 vezes maior que a da bomba de Hiroshima. A distância em relação ao solo (de 15 a 20 km) evitou danos ainda maiores.

Usando como base as ondas de som de baixa frequência emitidas pelo meteorito, o físico Peter Brown, da Universidade de Western Ontario (Canadá), calculou que o objeto teria cerca de 17 metros de largura e de 7 mil a 10 mil toneladas de massa antes de atingir a atmosfera terrestre. Estima-se que eventos como esse ocorram a cada algumas dezenas ou uma centena de anos, ao menos de acordo com os conhecimentos atuais sobre objetos espaciais que se encontram próximos à Terra.

Ponto de impacto do meteorito

“Muitos meios de comunicação relataram que uma explosão no ar quebrou vidros e danificou estruturas no centro de Chelaybinsk”, contam Nicolas Bobrinski e Detlef Koschny, da Agência Espacial Europeia. “Normalmente, começam a ocorrer danos a partir de uma pressão cinco vezes maior do que a normal a nível do mar. Danos em vidraças são esperados a partir de uma pressão de 10 a 20 vezes maior do que a ‘normal'”.

“Estamos esperando confirmações de autoridades russas sobre pedaços do meteorito encontrados na região. Não encontramos relatos da mídia de que uma pessoa ou estrutura teria sido atingida por estilhaços do objeto”.[European Space Agency] [Gizmodo]

Hiroshima pós-bomba nuclear

Hiroshima pós-bomba nuclear

Hiroshima pós-bomba nuclear

Hiroshima pós-bomba nuclear

Hiroshima pós-bomba nuclear

Hiroshima pós-bomba nuclear

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

9 comentários

  • Cleber Mota:

    Não quero nem imaginar o que teria acontecido se o meteorito tivesse colidido com solo de Chelaybinsk…

  • Rone Firmino:

    Mesmo com o aumento de cameras de segurança e celulares nos ultimos, digamos 10 anos onde aumentou a chance de se flagrar objetos como o que caiu na Russia.. Nunca em anos recentes houve tantos avistamentos. Russia. Eua. E ontem no Brasil… Sso mesmo! Não um mas dois objetos.. Por mais que especialistas afirmem que não tem nada haver com o objeto que passou a 27 km, é muita coincidencia. Alguns meteoros tem seus satélites, que obviamente são menores e muito mais dificeis de detectar.. Será que não se desprenderam pequenas partes deste meteoro? Ou mesmo de outro que passou em Janeiro?

  • Alberto Campos:

    Jonatas / 20.02.2013
    Não entendi nada da informação: Asteróide 2012DA14

  • WalterZ:

    Pois é.
    As vezes eu acho que Hollywood e assemelhados prestam um desserviço para a população, quando fazem filmes de catástrofes que são absolutamente irreais.
    As explosões de carros após colisões são um exemplo disso. Carro NÃO EXPLOLE ao colidir. Para ocorrer uma explosão é necessário que a gasolina vaze, forme uma nuvem de vapor e encontre uma fonte de ignição. Isso é extremamente dificil de se conseguir em um acidente de carro. Um incêndio, embora também raro, é mais plausivel.

    Da mesma forma as quedas de metoros Hollyhoodianas são completamente diferentes da realidade. Como pôde ser visto, na Russia, um meteoro entrando na atmosfera em nada se parece a “uma pedra soltando uma fumacinha”, mas é uma massa disforme com brilho intenso que ofusca a visão.

    Outra coisa que ficou claro é que um asteroide com tamanho potencial de destruição consegue passar completamente despercebido até “brilhar” na atmosfera. Na verdade isso é bem razoável.
    Quem ja fez observaçoes astronômicas sabe que ninguem aponta o telescópio para o lado do Sol procurando objetos como asteróide, simplesmente porque a claridade do sol e a face sombreada do asteróide voltada na direção da Terra torna o objeto invisivel.
    O mesmo vale para a direção da Lua Cheia.
    Assim, tem uma enorme caminho para os asteroides chegarem escondidos até a Terra.
    Alguns podem argumentar que se um asteróide vier pelo lado do Sol, será capturado pelo Sol. Verdade mas nem sempre.
    Dependendo da trejetória do asteroide ou um cometa ele pode vir “por trás” do Sol, passar por ele sem “cair” da mesma forma que o asteróide 2012 DA14 passou a uma distância de 27 mil km da Terra sem “cair” e rumar em direção a Terra…
    A unica proteção que temos hoje é…. a probabilidade!

    Um abraço

    • Barbara Bruzzo:

      Seus comentários são ótimos. Ainda bem, porém, que para Hollywood o resto do mundo não existe, menos ainda a América Latina. De forma que carros explodindo, invasões alienígenas, asteróides colidindo, geleiras avançando, etc e tal, só ocorrem nos EUA!!!!!!!!!!!!!!

    • Nuno Domingues:

      Carro NÃO EXPLODE ao colidir. Tem certeza??? Acho que o ator Paul Walker não vai concordar contigo. E conheço alguns casos similares, em BMW e Audi, todos em alta velocidade.
      http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2013/12/paul-walker-de-velozes-e-furiosos-morre-em-acidente-de-carro-diz-site.html

      “A distância em relação ao solo (de 15 a 20 km) evitou danos ainda maiores.”
      Não exatamente embora a altitude tenha realmente evitado o pior.
      Na realidade as bombas A e H são detonadas justamente em grande altitude pra causarem os maiores danos possíveis!
      http://blog.nuclearsecrecy.com/2012/08/08/the-height-of-the-bomb/

  • Jonatas:

    A quem quiser ver, primeira imagens em radar do Asteróide 2012DA14

    • ygor augusto:

      Space Invaders

    • Bitu:

      Sério? Pixels? hahaha, poxa, eu adoro assuntos Astronomicos, etc… porém isso não demonstra nada né Jonatas.

Deixe seu comentário!