Música diminui a dor

Por , em 15.01.2012

Escutar música realmente pode tornar mais fácil uma situação difícil e dolorosa, como um procedimento médico – especialmente se você estiver ansioso quanto a isso.

Em um novo estudo, 134 pessoas ouviram música enquanto recebiam um choque doloroso na ponta do dedo. Pediram aos participantes para acompanhar as melodias, e identificar tons estranhos para que a mente tirasse o foco da dor.

E parece que deu certo. A dor das pessoas diminuiu conforme elas foram sendo mais e mais absorvidas pelo som. Aqueles que estavam mais ansiosos tiveram os melhores resultados quando ouviam música.

“Nossos resultados sugerem que atividades de empenho, como ouvir música, talvez sejam as mais efetivas para reduzir a dor em pessoas ansiosas”, conclui o líder da pesquisa, David H. Bradshaw.

O estudo não analisou diferentes estilos musicais. Bradshaw afirma que o tipo de música não é tão importante quanto o interesse da pessoa no resultado.

Os pesquisadores calcularam as respostas à dor através da atividade elétrica do cérebro, dilatação das pupilas e outros métodos. Esses são considerados melhores do que entrevistas posteriores.

Médicos já conhecem o poder da música há muito tempo, usada geralmente como forma de distrair pacientes ansiosos. O dentista Roger Fillingim afirma que o estudo mostra que o efeito talvez seja ainda maior em quem é exageradamente ansioso.

“O medo era que qualquer coisa que fizéssemos seria frustrado pela ansiedade, mas o estudo sugere que certos tipos de distração realmente conseguem diminuir a ansiedade e a dor”, comenta.

Raffi Tachdjian já viu crianças não sentirem dor através do seu trabalho na Children’s Music Fund, um grupo sem fins lucrativos que oferece instrumentos musicais e terapia musical para crianças, adolescentes e adultos jovens com condições crônicas e doenças permanentes.

“A música ajuda a mostrar para essas crianças que elas podem superar isso”, afirma. Além de ser uma simples distração, ela também pode ter efeitos como os da acupuntura, interrompendo os caminhos da dor. “Digamos que o ‘andar um’ é seu dedo, e o cérebro a cobertura. A música ajuda a bloquear o elevador”. Dessa maneira, os sinais da dor não conseguem viajar até o cérebro.

Para aqueles que querem um ajuda extra na próxima visita ao dentista, Bradshaw dá uma sugestão: “Ouvir música ou jogar vídeo game com fones de ouvido é efetivo, já que o som esconde o barulho dos instrumentos do dentista”. [WebMD]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

7 comentários

  • jodeja:

    Concordo com a Flor de Lis, música é tudo de bom, principalmente para os ecléticos.

  • Fernando Magnus:

    Por isso que sou viciado em música, por perceber suas inumeras funções além de um agrupado de sons!

  • Liro:

    Os papaixonados que o digam…

    • Flor de Lis:

      Pois é. Ao som de algo romântico tudo fica cor de rosa.

  • Angélica M.:

    Acho que a música não diminiu a dor no sentido literal, ela apenas nos distrai e assim não nos focamos na dor que algo pode gerar.

    • Fernando:

      Exactly! Well done!

  • Flor de Lis:

    Realmente acredito que a música exerça boa influência sobre as pessoas. Pra mim que tenho a música como uma de minhas paixões sempre é confortável ouvir algo bom. Como sou eclética as músicas me suscitam sensações diferentes, desde a calma à vontade de dançar.

Deixe seu comentário!