Nada de água: vida alienígena é mais provável em planetas desérticos

Por , em 6.09.2011

Quem disse que alienígenas gostariam de viver em um planeta parecido com a Terra? Um novo estudo mostra o contrário. Ao invés de aquosos, os planetas mais habitáveis podem ser desérticos, como o mundo retratado no filme clássico de ficção científica “Duna”.

E essa não é a única conclusão surpreendente. O estudo também sugere que o ardente Vênus – onde a temperatura média da superfície é de 460 graus Celsius – poderia ter sido um deserto habitável até relativamente pouco tempo atrás, há 1 bilhão de anos.

Normalmente, as buscas pela vida em outros lugares do universo têm sido guiadas pelo fato de que na Terra, em quase todos os lugares em que há água, existe vida. Por isso, os “planetas água”, com muita água líquida na superfície, são sempre alvos importantes.

Esses mundos aquáticos poderiam ser terrestres, em grande parte cobertos por oceanos, como a Terra, ou realmente “planetas oceanos”, completamente cobertos por uma camada de água com centenas de quilômetros de profundidade – como Ganímedes, a lua congelada de Júpiter.

Mas, para ser habitável, água definitivamente não é o suficiente. Para que a vida possa ser possível, os planetas água devem orbitar sua estrela em uma região chamada “zona Cachinhos Dourados”, em que não há nem muito calor, nem muito frio.

Afinal, se os planetas estão muito longe do sol, eles congelam. E se estão muito próximos, o vapor se acumula na atmosfera, prendendo o calor que vaporiza ainda mais água, levando a um efeito estufa que ferve todos os oceanos do planeta – foi isso que aparentemente aconteceu com Vênus.

Eventualmente, esses planetas ficam tão quentes que forçam o vapor d’água na atmosfera o suficiente para que ele se dividida em hidrogênio e oxigênio pela luz ultravioleta. O hidrogênio, em seguida, escapa para o espaço, e o oxigênio possivelmente reage com a superfície em fundição e é incorporado ao manto. Assim, a atmosfera do planeta perde toda a sua água ao longo do tempo.

Em vez de planetas aquáticos com água em abundância ao longo da superfície, os pesquisadores investigaram como poderiam ser os planetas desérticos. Eles podem não ter oceanos e serem vastos e secos desertos, mas talvez tenham alguns oásis que possibilitem a vida.

O planeta Arrakis, descrito pelo filme “Duna”, é um exemplo excepcionalmente bem desenvolvido de um planeta nesses moldes que poderia ser habitável. Arrakis é uma versão maior, mais quente e mais habitável do que Marte, com uma atmosfera de oxigênio respirável e regiões polares frescas e úmidas o suficiente para produzir pequenas gotas de orvalho pela manhã.

Cientistas argumentam que a escassez de água em um planeta pode realmente ajudá-lo a ter uma maior zona habitável, e pode haver várias razões para isso. Um planeta seco tem menos água para se tornar um globo de neve e gelo, que reflete a luz solar de volta para o espaço. Ele pode, a princípio, absorver mais calor para resistir ao congelamento global.

Além disso, a escassez de água na atmosfera de um planeta seco torna-o menos quente do que um planeta aquático, ajudando a evitar um efeito estufa descontrolado. Com a menor quantidade existente de água na atmosfera, também há menos radiação ultravioleta para dividir o vapor em hidrogênio e oxigênio.

Pesquisadores fizeram experimentos com modelos tridimensionais da Terra, representando o clima em diferentes condições. Eles descobriram que uma zona habitável de um planeta seco foi três vezes maior do que um planeta aquático – o que demonstra que nosso ponto azul no universo pode não ser o único modelo de planeta habitável.

No mesmo experimento, pesquisadores descobriram que o congelamento completo de um planeta aquático ocorre quando a quantidade de luz solar cai para abaixo de 72 a 90% do que a Terra recebe, dependendo de como seu eixo de rotação é inclinado para o sol.

Já os planetas secos resistem melhor ao congelamento global. Para que eles sejam completamente congelados, a luz do sol deve estar abaixo de 58 a 77%. Isso significa que planetas secos podem estar localizados mais longe de suas estrelas e ainda sim permanecerem potencialmente habitáveis.

O cientista planetário Jim Kasting, da Universidade Estadual da Pensilvânia, EUA, que não fez parte do estudo, afirma que essa é uma pesquisa inteligente, mas que não vai realmente ajudar a encontrar novos planetas habitáveis, sejam eles de terra ou de água.

Planetas aquáticos como o nosso vão continuar sendo procurados. Planetas como Arrakis, de “Duna”, podem ser dificilmente observados por nossos telescópios. “Eu não acredito que isso vai mudar nossas estratégias para procurar a vida à distância”, afirmou Kasting.

Mas pesquisadores do estudo discordam, e dizem que a água está se mostrando tão onipresente que não pode ser considerada como um atestado de habitabilidade de um planeta.

Os cientistas salientam que não estão à procura de planetas que sejam habitáveis de forma permanente, apenas aqueles que podem ser habitáveis por tempo suficiente para a vida. Até porque nenhum planeta é habitável permanentemente.

A própria Terra pode um dia tornar-se um mundo deserto. Com o envelhecimento do nosso sol, a radiação possivelmente irá acabar com a água líquida do planeta, a dividindo em hidrogênio e oxigênio. No entanto, cientistas calculam que a Terra ainda pode permanecer habitável por bilhões de anos antes que o sol comece a morrer.

Uma questão interessante sobre habitabilidade sem dúvida é Vênus, o planeta mais quente do sistema solar. Supondo que Vênus teve oceanos de água líquida, os cálculos dos pesquisadores sugerem que é possível que Vênus tenha passado por um período em que era um planeta seco, mas habitável.

Pesquisas futuras poderão investigar mais precisamente como planetas possivelmente habitáveis no passado, como Vênus, podem ter sido. [Space]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

29 comentários

  • Davi Nonnenmacher:

    Aos que acham impossível a existência de vida extraterrestre:

    Há alguns séculos, a humanidade não tinha todo este conhecimento de astronomia e ciência que temos atualmente. Um exemplo disto é de quando Cristóvão Colombo teve a ideia de dar a volta ao redor do planeta para chegar nas regiões índias, não se sabiam que existiam outras terras. E há ainda quem dizia que a terra era plana, e, caso ele se afastasse muito do continente cairia para fora do então “planeta”, e, consequentemente morreria. Até hoje há pessoas que acreditam que a terra é plana.

    Mas, aonde eu quero chegar com isso, é que a civilização onde habitava Cristóvão Colombo não fazia nem ideia que existia outro continente, quando mais seres diferentes nele. Por exemplo, quando o povo que habitava o continente americano avistou pela primeira vez o povo então europeu, acho que era um ser divino, e o adorou. Também pudera, o que iriam pensar de um espelho? Isto é um objeto divino, algo do gênero. Ainda mais quando viram um cavalo, como os continentes eram separados pelo oceano, nunca os povos americanos iriam ver um cavalo.

    Agora pense comigo: A pergunta de “existe vida além da terra?” existia nesta época. Se a humanidade moderna não tinha nem o conhecimento de que existiam formas variadas de vida em outro continente do seu próprio planeta, como iriam imaginar um ser extraterrestre?

    Você que pensa que extraterrestres são impossíveis de existir no universo, saiba que a humanidade não sabe muita coisa de nosso próprio planeta. Há muitas formas de vida desconhecidas ainda, ainda não se tem tecnologia para ir ao centro da terra (se nem ao centro da terra conseguimos ir, o que falar em outro planeta, à muitos anos-luz?).

    Os cientistas encarregados de descobrir vida alienígena procuram formas de vida SEMELHANTES à da terra. Procuram um planeta que esteja na zona aproximada de sua estrela, como está a terra do sol, que tenha água, gases, e tudo mais semelhantes à da terra. Mas, a vida não necessita necessariamente de água, oxigênio, e estar na distância aproximada da terra ao sol.

    Sabe-se que organismos evoluem conforme o ambiente. A primeira forma de vida na terra conseguiu se reproduzir uma vez no planeta, dando início à seleção natural. Agora, é possível existir vida em um planeta muito frio ou quente (em comparação com a terra), desde que surja uma primeira forma de vida que se reproduza com sucesso.

    Tudo é testado na prática. Teorias só levam à mais teorias. Devemos primeiro possuir tecnologia suficiente para poder visitar estes planetas possivelmente habitáveis, para então tirarmos conclusões de que há vida ou não.

    Contudo, quando possuirmos tecnologia, não é preciso ser muito inteligente para deduzir que se “mudaremos” para um planeta semelhante ao da terra, ou utilizaremos da engenharia genética para um planeta inabitável para humanos, assim como o povo europeu invadiu a américa.

    A vida pode ainda não existir somente em planetas, em satélites naturais como a lua é possível existir vida, a vida (à meu ver) é possível em todo o espaço que há um campo gravitacional grande, como planetas e satélites naturais, e até mesmo estrelas, talvez seja até possível em pleno vácuo, mas, acredito que não. Usando um pouco mais de criatividade, poderemos chegar a conclusão de que é raro que surja um ser que se reproduza, então, a vida pode ser transportada por meteoritos para uma zona que se consiga a reprodução, para o ciclo da vida, o ciclo de tudo.

    Tudo no universo têm uma função. Uma estrela não existe “para bonito”, um meteoro não atinge um planeta por acaso, atinge para que fragmentos do planeta com microorganismos como o tardígrado consigam ser levados no espaço.

    Raciocine e reflita, e verás, com um pouco de criatividade, que tudo no universo foi colocado por Deus para que você, ser racional, raciocine como veio à existir.

  • sergio_panceri:

    corrigindo, temos meio bilhão de anos antes que o sol “nos derreta”

    alguns bilhões de anos é o tempo que levará até que ele se torne uma gigante vermelha

    abçs.

    • Pedro Henrique:

      Gostaria de estudar mais sobre a habitabilidade da Terra em função do ciclo de vida do sol. Posso saber a fonte da sua informação?

  • aecg:

    O título é muito forçado em falar mais provável, mas o artigo é interessante. O principal problema na afirmação do título é que pelo que sabemos a vida na Terra começou e evoluiu nos oceanos (depois foi para o continente)o que certamente seria muito mais difícil de ocorrer em um mundo seco com pequenos oásis. O oxigênio atmosférico foi produzido por cianobactérias dos oceanos e a Terra quando vivenciou um mundo seco e quente durante o período Permiano (de um grande continente) sofreu tendo um dos piores episódios de extinção em massa. Dúvido que um mundo seco seja mais favorável a vida, pelo menos não a vida que conhecemos (de bactérias a seres humanos).
    Outro ponto. Vênus poderia ainda ser um mundo habitável (ele esta dentro da zona habitável). O seu maior problema talvez tenha sido a falta de água (indiscutivelmente inferior ao da Terra, no que indica os seus isótopos na atmosfera)e o excesso de CO2 atmosférico. Em um momento com o aumento da luminosidade do Sol os seus oceanos foram insuficientes para absorver o CO2 atmosferico transformando-os em carbonato. O que se seguiu foi a avaporação total dos oceanos e o aumento do efeito estufa seguido pelo que o texto relata. Mas outros fatores contribuiram entre o qual o seu periodo de rotação, ausencia de campo magnético e de movimento das placas tectônicas.

    • Zézão:

      Porque você nao abre um site, com seu vasto conhecimento, ai colocará o título que quiser em suas publicações.

    • sergio_panceri:

      e no caso de titã? satelite qual a temperatura impede que contenha agua liquida, no entanto, suspeitam que pode abrigar vida em seus lagos de etano e metano…. acho que a esta altura já seria mais sensato considerar algo como, atmosfera estável, ingredientes quimicos, e quaisquer tipos de energia para impulsionar e desencadear tais reações

  • casey:

    eu acho entereçante é muito bom.

  • eduardo:

    As pessoas duvidam e/ou acham essa notícia falsa pq só imaginam a vida como a conhecemos aki na Terra…. Mas, segundo tudo o q já vimos sobre desenvolvimento da vida microscópica, muitas formas de vida como as bactérias e vírus são tão resistentes que conseguem sobreviver nas mais extremas condições climáticas…
    E, creio eu, acho q é exatamente a isso q a matéria se refere… não uma habitação com seres semelhantes aos humanos e outros animais… mas sim de formas de vida microscópicas….

    • Pedro Solitário:

      A vida pode existir em base doutros elementos mais abundantes no seu planeta.

      O carbono e o silicio são os elementos mais abundantes.

      A vida por isso desenvolveu no nosso planeta na base do carbono por ser um elemento mais rápido para reagir com outros elementos, enquanto só um grupo de seres desenvolveram-se na base silicio(elemento muito lento nas reações quimicas vitais à sobrevivencia da vida) que é o grupo dos virus e como o silicio é lento, sobrevivem apenas dentro(ou acoplado) da celula vegetal ou animal.

  • willian:

    Os estadounidenses não saí de Marte, porquê? o que será que eles procuram tanto em um planeta seco? Rochas? mas é claro que não, gastar bilhões para entender as rochas e crateras de outro planeta mas é claro que não…não..não..não

    • Zézão:

      …petróleo!

    • willian:

      Concordo, mas existem diversos motivos para que os robôs não saiam de Marte, petróleo é apenas um. O que leva uma nação colocar robôs para vasculhar um planeta?
      Enviam os robôs só porque é possível enviá-los, acredito que não, pois também enviariam para a Lua.

      Podemos ser convictos em afirmar que naquele planeta algo de extrema importância acontece.

    • Pedro Solitário:

      Só se Marte tivesse vida fossilizada é que poderia existir petróleo e não se encontra sequer moléculas organicas em Marte (só se encontrou restos de sopa primordial da vida (segundo alguns)).

      Eu excluo totalmente Marte de ter ou tivesse vida.

  • Romário Huebra:

    Acho qe os caras qe fizeram essa pesqisa fumaram um pouco de maconha, onde já se viu qe planetas mais secos são mais habtaveis, se for vdd eu vou logo comprar um lote em Marte.
    provavelmente venus quando era mais umido e o sol naum era tão grande ele deve ter habitado vida, hj ele tá seqinho, nem rastro de vida, naum concordo com essa hipotese!!!

    • Pensador®:

      Eles não conhecem nem se quer o núcleo do nosso planeta.

    • Andy:

      E o que tem a ver? São áreas diferentes meu caro.

    • Pensador®:

      São áreas diferentes, mas mostra a limitação do ser humano tecnologicamente, pelo menos por enquanto.

    • Pensador®:

      Estes cientistas não sabem de nada, e ficam publicando achismo!

    • Pensador®:

      Só falta eles dizerem: “A vida alienígena é mais provável em planetas tipo Mercúrio”.

  • ALX:

    Bom, o filme do Vin Dieseil ECLIPSE MORTAL ja retratou isso faz tempo, so que ninguem prestou atenção

  • Uma pessoa:

    Vocês acham que é falsa porque só pensam na vida como ela é na Terra,existe vida lá fora sim,mas ela é diferente daqui porque se adaptaram,assim como Venus não é bom pra vivermos a Terra pode não ser boa para especies extraterrestres,é que vocês sao muito ignorantes para percerber que tudo que falam que é mito é real,bom, que eu saiba toda lenda tem um fundo de verdade então fadas,sereias existem ,mas elas sabem como os seres humanos são uma raça despresivel e que quer matar tudo que é diferente,elas se escondem,para poderem entender melhor assistam Alienigenas do Passado no History Channel,canal pago.

  • Roberto:

    Esta matéria tem tudo para ser falsa. Talvez fosse mais honroso aceitar que são muito raros planetas com água abundante como o (planeta) Terra. Quanto ao Vênus, o calor da Sol (da estrela Sol) muito próxima, faz o planeta torrar. Imaginem o Terra 40 milhões de km mais próximo da Sol, como Vênus. Como estaríamos alguns dias depois…? Quentinhos que só. E tudo em volta incendiando e evaporando.
    Sem água, nada de vida. Vejam o Lua e o Marte. Secos e estéreis.

  • Edbor:

    Considerando que o tempo e relativo e principalmente relativo a nos poderemos atingir o espaco longiquo desde que nao tenhamos pressa, isto nos moldes da ciencia atual, ja que dobrar o espaco ainda e impossivel, teremos que ter paciencia para investigar muuitos planestas, secos, molhados ou gasosos. A unica pressa e nao acabar com o NOSSO planeta a tempo de investigar outros.

  • PC:

    A terra é um ótimo lugar para verificarmos a dificuldade da vida em planetas com água! O pior é que tem gente ganhando dinheiro com um estudo destes.

  • Leon:

    Porque água?
    Realmente eu não entendo o porque de considerar ela como sendo o único meio/condição de vida. Ela pode até ser fundamental aqui na terra para as formas de vida que nos conhecemos, mais porque não considerar outras formas de vida que podem ter como base fundamental outros líquidos, ou outras substancias liquidas ou não.

    Eu acho que a vida na Terra é como é, por causa das condições da terra logo em outros planetas com condições diferentes a vida lá poderá ser diferente. Não estou supondo que todos os planetas podem ter vida, mais estou vendo que poderiam parar de procurar a Terra e começar a procurar vida.

    É claro que eu acho que devemos saber o que procuramos para poder encontrar, logo se só conhecemos a vida da forma que ela é na Terra, devemos procurar essas condições em outros lugares, mais porque não expandi um porco e não analisar outras possíveis condições, onde que a vida da Terra não sobreviveria, mais que pode haver outros tipos de vida.

    • Renato:

      Leon, gostei do seu comentário. Penso de forma semelhante quanto à possibilidade de formas de vida com química diferente da nossa.
      Mas quando li sua sugestão de “expandir um porco”, acredito que um erro de digitação, dei sonoras gargalhadas, pois soou muito engraçado.

  • Pensador®:

    Se não conseguirmos manipular o espaço-tempo, acho que nunca sairemos da periferia desta galáxia. Nem se um dia a humanidade conseguir viajar 80% da velocidade da luz, mesmo assim não será suficiente. Seria difícil chegar até as estrelas mais próximas.

    • Renato:

      Pensador, se algum dia chegarmos à periferia desta galáxia, provavelmente já teremos dominado a tecnologia de manipular o espaço-tempo. Afinal, são cem mil anos-luz de diâmetro.

  • Andre Aparecido:

    Finalmente estão reavaliando esta questão porque acho que a vida não e tão restrita assim ela pode ser originar em lugares impensaveis… concordo com o colega se pensamos que dos anos 80 viviamos na era analogia e em menos de 30 anos estamos na era digital daqui menos de 20 anos estaremos desfrutando de tecnologia avançada suficiente para compreender e viajar pelo espaço “O Homem sempre tera perguntas e por mais inrrespondivel que pareça não a pergunta sem resposta”….

Deixe seu comentário!