Não beba ainda! Benefícios de 1.000 garrafas de vinho tinto podem vir num remédio

Por , em 4.02.2012

Você já deve ter ouvido falar dos benefícios do vinho inúmeras vezes. Um deles foi descoberto quando cientistas alegaram que o vinho tinto continha resveratrol – um composto que pode aumentar a saúde e talvez até mesmo prolongar a vida.

Porém, estudos sugerem que, para ver os benefícios desse composto, é preciso consumir grandes quantidades dele, muito mais do que é encontrado em uma garrafa de vinho.

Agora, uma nova pesquisa indica que é possível obter uma dose grande de resveratrol a partir de comprimidos existentes – uma classe de drogas que está sendo testada para uso em tratamentos de mal de Alzheimer e mal de Parkinson.

Os resultados sugerem que essas drogas, conhecidas como inibidores fosfodiesterase tipo 4 (PDE4), podem fornecer uma maneira prática de colher os benefícios do vinho tinto sem consumir baldes da bebida (o que certamente seria ruim).

“O estudo revela uma função para essa classe de medicamentos que não tinha sido explorada ainda”, disse o pesquisador Dr. Jay H. Chung. No entanto, o estudo foi realizado em ratos, e os resultados terão que ser replicados para saber se são válidos para humanos.

Os cientistas queriam descobrir exatamente como o resveratrol, um composto do vinho tinto, agia dentro das células.

Eles descobriram que o resveratrol inibe uma proteína conhecida como fosfodiesterase tipo 4 (PDE4). Isso significa que ele é um inibidor da PDE4. Sabendo que drogas chamadas inibidores de PDE4 estavam sendo testadas para o tratamento de Alzheimer, os pesquisadores deram uma delas, rolipram, para os ratos.

Eles descobriram que a droga produzia todos os benefícios de saúde do resveratrol, incluindo prevenção da obesidade e melhor controle sobre os níveis de açúcar no sangue.

Em estudos com pessoas, o resveratrol mostrou efeitos antidiabetes. Mas era preciso ingerir cerca de 1.000 garrafas de vinho tinto por dia a fim de ter bons benefícios de saúde.

Inibidores de PDE4 poderiam ser uma solução realista para as pessoas obterem os mesmos benefícios. Além disso, eles podem ser menos tóxicos do que o resveratrol em si, porque o composto interage com muitas proteínas dentro das células.

O próximo passo da pesquisa é analisar os efeitos do rolipram em pessoas obesas com resistência à insulina.

Outro inibidor de PDE4, chamado roflumilaste, já está aprovado como tratamento para pessoas com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Os efeitos colaterais desta droga incluem náusea, diarreia e tontura, que é um enorme passo na compreensão do que o resveratrol faz, a nível biológico.[LiveScience]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

16 comentários

  • Zeca:

    Bom, eu não troco 1 garrafa de vinho por remédio, que dirá 1000..

  • pedro:

    o problema e que os ganhos em dinheiro de alguns,esta a frente da saude de todos,e a economia dos grandes grupos mata mais pessoas que a maioria das guerras e de forma quase silenciosa .

  • ANILSON TADEU MARTINS:

    Eu só digo uma coisa existem pessoas que abusam só porque alguém um dia falou que o vinho faz bem para a saúde ! Pode até ser mas isso para pessoas de bom senso !

  • Flor de Lis:

    Essa pilulazinha pode até ser benéfica, mas não substitui uma garrafa de um bom vinho.

    • Mauro:

      Sim, um bom vinho é uma delícia!

    • Flor de Lis:

      Ô se é, Mauro… associado a uma boa música e uma boa companhia então, é melhor ainda.

  • Elizabeth:

    Outro dia publicaram uma matéria dizendo que o sujeito que descobriu os benefícios do vinho era um charlatão e que nada disso tem efeito.
    Hoje aparece essa, dizendo do comprimido de resveratrol.
    Então… se o tal resveratrol não funciona, como alegaram antes, por que tentar vender-nos comprimidos do que não funciona?

  • Mauro:

    Na sexta-feira todo mundo se reunindo para um happy hour:

    -Garçom, trás aquele comprimidinho la super saudável!

    Ai todos os acompanhantes:

    -Opa! Hoje queremos arrebentar, trás logo uma cartela de comprimidos que nossos queridos farmacêuticos produzem por piedade da humanidade.

    • Flor de Lis:

      2 horas depois um dos amigos passa mal. Um segundo amigo pergunta:

      – O que há com vc???

      Responde um terceiro:

      – Intoxicação medicamentosa!

      rsrsrs

  • Mark III:

    Bom !!!, todo mundo quer estar certo, mas a maioria dos alimentos que o ser humano gosta, são as que fazem mal ao corpo, então, digo eu, que é uma forma de suicídio, como beber, fumar e comer, tudo em excesso faz mal, mas ninguém se contenta com um copo, quer é a caixa toda, o que se comenta aqui é que esse remédio ajuda a nível celular, e não se está proibindo de tomar uma ou outra garrafa de vinho, pois acho que uma ou duas em mil não fará nenhuma diferença na quantidade do remédio !!!!

  • Alter ego: Degustador:

    As pessoas bebem vinho por prazer e não para obter seus benefícios.

  • epivametal:

    hahaha Ná boa prefiro então entorna o cardo tomando 1000 garrafas de vinho do que tomar uma pirula sem vergonha e ficar na abstinencia hhahhahahahhahahauhauhuhahahauhuhauhahohohahahuahha

  • x Antonio Vandré P F Gomes:

    Evito qualque coisa que possa prejudicar meu maior patrimônio, meu cérebro.

    O açaí é bem mais saudável que vinho, energético e saboroso.

    • epivametal:

      ha véio fala serio, meu cerebro é meu patrimonio bla bla bla bla bla bla eai voce senta no sofa e assiste a novela da grobo né..

    • Mauro:

      Novela da Grobo e “Fala que eu te escuto” do Macedão

  • Edson:

    Essas novas drogas podem até fazer o que dizem que fazem, mas nao vou deixar de tomar uma garrafa de um bom vinho.

Deixe seu comentário!