Neutrinos podem nos ajudar a entender o sol

Por , em 5.12.2011

O mundo já tomou conhecimento dos experimentos no laboratório italiano de Gran Sasso, que estuda a fundo o funcionamento dos neutrinos. São partículas subatômicas efêmeras, e o sol lança bilhões delas sobre a Terra a cada instante. Os cientistas se convencem cada vez mais que a compreensão dos neutrinos pode dar muitas informações sobre o funcionamento do sol e de outras estrelas.

No último mês, ficou notória a pesquisa do laboratório de Gran Sasso que afirma ter colocado os neutrinos para viajar em uma velocidade superior à da luz, algo que ainda não é aceito por toda a comunidade científica internacional. Este novo experimento, feito no mesmo local, teve como foco a interação entre nós e os neutrinos provenientes do sol.

Os neutrinos, que não têm carga elétrica e raramente interagem com a matéria, são gerados a partir de mecanismos radioativos que, na superfície de nosso astro luminoso, acontecem de forma natural. A cada segundo, 65 bilhões de neutrinos por centímetro quadrado incidem sobre a Terra.

Recentemente, um potente e sensível detector de neutrinos, que usa mais de 2.200 sensores, descobriu que
essas partículas têm massa, algo que era negado há até pouco tempo. Os cientistas notaram que o neutrino proveniente do sol é gerado, em grande parte, pelo decaimento de átomos de berílio-7, um elemento instável que se encontra em rochas minerais na Terra.

Conforme investigação dos pesquisadores, essa liberação constante de bilhões de neutrinos representa 10% da massa que se esvai constantemente do sol. E a massa dos neutrinos ainda varia conforme mais uma variável: os seus “sabores”.

Existem neutrinos de elétrons, de múon e de tau, sendo essas três partículas de carga negativa. Neutrinos de elétron só interagem em ocorrências onde haja outros neutrinos de elétrons, e o mesmo vale para os outros dois tipos.

Os cientistas descobriram que um neutrino pode oscilar de um sabor a outro durante sua viagem ao sol, embora ainda sejam necessários estudos mais profundos para que isso se confirme. Mas isso é apenas a ponta do iceberg. No futuro, os cientistas esperam detectar exatamente que tipo de partículas o sol emite para nós, com seus respectivos motivos. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

2 comentários

  • Campos:

    Os neutrinos pelo que parece, além de vir do sol, vem de todas as partes do universo, especialmente da periferia onde são gerados os raios cósmicos. Eles devem serem gerados de todas as reações que existe no universo. Os neutrinos enchem nosso universo e ajudam a poeira cósmica a alterar a luz vinda de longe, tornando-a mais vermelha e dando a ilusão da energia escura.

  • Jonatas:

    Lembro dum livro de ficção científicaem que o ocupandes usam um “telescópio de neutrinos” para estudar o espaço. Nesse livrinho de bolso a humanidade havia se deparado com os “Gorches” uma poderosa e malvada nação extraterrestres cuja tecnologia era capaz de provocar supernovas nas estrelas. Mas me lembrei da descrição do funcionamento do telescópio de neutrinos, semelhante ao princípio descrito na reportagem, se baseava nas mudanças de propriedade das partículas.

Deixe seu comentário!