Novo implante ajuda pacientes com paralisia a mexer parcialmente as pernas

Por , em 10.04.2014

A tecnologia não faz milagres, mas chega muito perto disso. Pelo menos deve ser essa a sensação dos quatro pacientes que sofrem de paralisia e conseguiram mexer parcialmente suas pernas novamente, graças a um dispositivo inovador desenvolvido por cientistas e pesquisadores da Universidade de Louisville, nos Estados Unidos.

Os quatro pacientes que participaram da pesquisa foram classificados como portadores de lesões na medula espinhal e incapazes de mover suas extremidades inferiores – antes da implantação desse dispositivo, que trata-se de um novo estimulador epidural.

Como funciona?

O estimulador fornece uma corrente elétrica contínua à coluna vertebral dos participantes, imitando os sinais que o cérebro normalmente transmite para iniciar um movimento. Essa corrente elétrica é aplicada em diferentes frequências e intensidades para locais específicos sobre a medula espinal lombossacral, correspondente aos feixes neurais densos que em grande parte controlam o movimento dos quadris, joelhos, tornozelos e dedos dos pés.

Com os participantes, uma vez que o sinal foi acionado, a medula espinhal “reconectou” sua rede neural para controlar e direcionar os movimentos musculares.

Veja no vídeo abaixo como o paciente consegue movimentar suas pernas voluntariamente quando o estimulador está ligado:

A pesquisa se baseia em um estudo de 2011 que avaliou os efeitos da estimulação epidural no primeiro participante, o estadunidense Rob Summers, que ficou paralisado depois de ser atropelado por um carro, e conseguiu recuperar uma série de funções motoras depois da intervenção médica. 

Segundo os cientistas, o que é revolucionário é que o segundo, terceiro e quarto participantes foram capazes de executar movimentos voluntários imediatamente após a implantação e ativação do estimulador. Esses resultados e o tempo de recuperação foram muito além de quaisquer expectativas que os cientistas poderiam ter.

“Dois dos quatro indivíduos foram diagnosticados com lesão motora e sensorial completas e sem qualquer chance de recuperação”, disse Claudia Angeli, a principal autora do estudo. “Por causa da estimulação epidural, eles agora podem voluntariamente mover seus quadris, tornozelos e dedos dos pés. Isso é inovador para o campo inteiro e oferece uma nova perspectiva de que a medula espinhal, mesmo depois de uma lesão grave, tem um grande potencial para a recuperação funcional”.

Quando o acoplamento do dispositivo foi feito e acompanhado por uma terapia de reabilitação, o impacto da estimulação epidural foi ainda maior. Ao longo do estudo, os pesquisadores observaram que os participantes foram capazes de ativar os movimentos com menos estimulação, o que demonstra a capacidade da rede de medula de aprender e melhorar as funções nervosas.

“Nós descobrimos fundamentalmente uma nova estratégia de intervenção que pode afetar drasticamente a recuperação do movimento voluntário em indivíduos com paralisia completa, mesmo anos após a lesão”, disse Susan Harkema, professora da Universidade de Louisville e diretora de pesquisa em reabilitação no Instituto Frazier e da Fundação Reeve. “A crença de que nenhuma recuperação é possível e que a paralisia completa é permanente foi contestada”, completa.

Além de recuperar o movimento voluntário, os participantes da pesquisa têm demonstrado uma infinidade de melhorias na saúde de uma forma geral, incluindo aumento da massa muscular e da regulamentação na pressão arterial, assim como redução da fadiga e melhorias dramáticas para o seu sentimento de bem-estar. E mais: os quatro homens que participaram dos testes também foram capazes de suportar seu próprio peso de forma independente, conforme relatado pela equipe.

“Esta pesquisa traz à tona um número surpreendente de possibilidades de como podemos desenvolver intervenções que vão ajudar as pessoas a recuperarem os movimentos que perderam”, disse Reggie Edgerton, professor de biologia integrativa e fisiologia, neurobiologia e neurocirurgia na Universidade da Califórnia (EUA), coautor da pesquisa.

“No momento, além de cuidados médicos padrão, não há tratamentos eficazes para lesão medular crônica. No entanto, as implicações deste estudo para todo o campo são bastante profundas, e agora podemos imaginar um dia em que a estimulação epidural possa ser parte de um coquetel de terapias usadas para tratar paralisia”, conclui.

Financiamento

Lembra do Christopher Reeve? Ele ficou mundialmente famoso depois de interpretar as adaptações do Super-Homem para o cinema, na década de 70. Em 1995, contudo, o galã literalmente caiu de um cavalo, e o acidente o deixou tetraplégico. Nove anos depois, em 2004, ele estava recebendo atendimento por conta de uma ferida comum a pessoas nessas condições, por ficarem longos períodos de tempo em uma mesma posição. O problema foi que a ferida dele estava gravemente infectada, Reeve acabou sofrendo um infarto durante o atendimento e morreu pouco tempo depois, aos 52 anos.

Mas, enquanto estava vivo e lidando com as dificuldade de ser deficiente físico, o eterno Super-homem se tornou referência para pessoas nessas condições, não só como exemplo, mas também através da instituição The Christopher & Dana Reeve Foundation, que incentiva e financia pesquisas sobre doenças que afetam o sistema nervoso central e o cérebro, como esta que você conheceu aqui hoje.

Entre os investidores, também estão a Fundação Kessler, da Universidade de Louisville, o Jewish Hospital e Fundação de Santa Maria, o Instituto Frazier de Reabilitação, entre outros apoiadores que permitiram que essa ideia saísse do papel e se tornasse realidade.[Medicalxpress, io9]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

2 comentários

  • Rudolf:

    Oi Gabriela, seria possível corrigir o título, por favor? É “pernas” ao invés de “penas”.

  • George De Marco:

    Gabriela, muito bom o artigo, porém o título está errado: “penas”? Certamente a palavra ali seria “pernas”, correto?
    Abçs!

Deixe seu comentário!