O cérebro humano mais extraordinário já visto

Por , em 17.09.2013

Sim, a foto acima é de um cérebro humano adulto. A diferença é que ele é totalmente liso, sem os sulcos e as dobras tão característicos do órgão mais complexo da nossa espécie.

Podemos apenas imaginar como era a vida para essa pessoa. Ele ou ela era um residente do que hoje é o North Texas State Hospital, um centro de saúde mental americano, e lá morreu em 1970. Isso é tudo que sabemos.

Enquanto o frasco que contém seu cérebro está rotulado com um número de referência, o microfilme contendo os registros médicos do paciente foi perdido.

Algumas pessoas, incluindo o fotógrafo Adam Voorhes, tentaram rastrear mais informações sobre este e outros cerca de 100 cérebros humanos detidos em uma coleção na Universidade do Texas, Austin (EUA), sem sucesso.

O rótulo no frasco deste cérebro bizarro indica que o paciente tinha agiria – uma falta de giros e sulcos formados pelo córtex cerebral normalmente enrugado. Esta condição rara, também conhecida como lissencefalia, muitas vezes leva à morte antes dos 10 anos. Também pode causar espasmos musculares, convulsões e, uma vez que reduz drasticamente a área da superfície desta parte fundamental do cérebro, uma série de dificuldades de aprendizagem.

[box]Lisencefalia significa literalmente “cérebro liso”, e é um distúrbio raro causado por defeito de migração neuronal durante a 12ª e 24ª semanas de gestação, resultando em uma falta de desenvolvimento de dobras cerebrais (giros) e sulcos. As causas de lisencefalia podem incluir infecções virais do útero ou do feto durante o primeiro trimestre, ou fornecimento insuficiente de sangue ao cérebro fetal no início da gravidez. Há também uma série de causas genéticas, como a mutação do gene reelin no cromossomo 7, bem como outros genes no cromossomo X e no cromossomo 17.[/box]

David Dexter, do Imperial College Londres (Reino Unido), diz que nunca viu nada parecido com isso antes. “Nós já recebemos indivíduos com certos sulcos faltando, mas nada como este cérebro”, comentou. Segundo Dexter, não é uma surpresa que a pessoa tenha sobrevivido até a idade adulta, uma vez que o cérebro é tão adaptável, embora ele acredite que tenha havido alguns efeitos deletérios.

No início deste ano, a Universidade do Texas recebeu um aparelho de ressonância magnética para documentar a estrutura dos cérebros nessa incrível coleção. Embora isso possa nos ensinar mais sobre o próprio cérebro, a identidade da pessoa que tinha esse órgão tão extraordinário e os detalhes de sua vida parecem estar perdidos para sempre. [NewScientist, NewsMedical]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (6 votos, média: 5,00 de 5)

10 comentários

  • Naldo Soares:

    Nossa tive a honra de ser respondido por Cesar Grossmann um cara que realmente admiro.Mas eu gostaria de agilizar a descendência com modificação e não esperar milhões de anos para que algo acontece ao acaso e seja selecionada pela seleção natural.

    • Cesar Grossmann:

      Naldo, o grande problema é que os sistemas biológicos são extremamente complexos e interrelacionados. Antes de fazer uma alteração genética, seria interessante saber quais os efeitos que esta alteração vai causar em sistemas que aparentemente não são relacionados aos efeitos do gene. Além dos outros sistemas. A natureza tem um jeito cruel de fazer isso, ela simplesmente altera o gene, e se deu errado, paciência, mais um aborto espontâneo ou alguém que morre na infância ou que passa a vida inteira como um problema congênito sério.

      Eu não teria coragem de provocar isto em alguém.

  • PHAS:

    E o “cérebro humano mais extraordinário já visto” é… DEFEITUOSO.

    E dá-lhe “design inteligente”…

    • Mayara Martins:

      Significado de Extraordinário

      adj. Que não se adequa ao costume geral ou ordinário; algo excepcional: sessão extraordinária.

  • Herberti Pedroso:

    O sobrenome do fotografo era Voorhes? Eu heim!!!

  • Pablo Santos:

    Com certeza era burro como um passarinho.

  • Naldo Soares:

    Natasha Romanzoti será que não daria para colocar uns giros e sulcos a mais em um cérebro humano como existe nos cérebros dos golfinhos?? e quais seriam as consequências disso??

    • Pablo Santos:

      O detalhe não é a presença de giros e sulcos, mas sim o aumento da região cortical que esses sulcos possibilitam.
      Talvez esse aumento poderia ser feito através de engenharia genética, mas é um tipo de experimento altamente antiético, visto que teríamos que fazer vários testes com humanos, e com certeza, com vários erros.

    • Naldo Soares:

      Olá Pablo Santos, achei legal seu comentário, e queria te perguntar se você não acha que também é altamente cruel o tipo de experimento que a descendência com modificação e a seleção natural faz com a gente?

    • Cesar Grossmann:

      Não é cruel, é totalmente indiferente. A Natureza não faz experimentos, e é totalmente indiferente ao nosso sofrimento.

      O que é cruel é a manipulação do cérebro (ou qualquer outra parte do corpo) de outra pessoa, simplesmente para satisfazer uma curiosidade, sem o consentimento da outra pessoa. Por que a pobre criança que vai nascer com o cérebro com mais circunvoluções não vai ter se voluntariado para isso.

      Mas também não nos voluntariamos para os defeitos genéticos que temos, mas aí há uma diferença fundamental – defeitos genéticos acontecem. Experimentos científicos são feitos propositalmente. Você pode andar na rua e um raio cair em você e te matar, ou alguém pode apontar uma arma para a tua cabeça e puxar o gatilho. Por que no primeiro caso ninguém responde por homicídio, e no segundo, sim? Troca o primeiro exemplo por outro, um animal selvagem como um javali te ataca e te mata, por que ele não é levado às barras do tribunal?

      Há diferenças entre fenômenos naturais e atos humanos. Em um dos casos se aplicam conceitos de moral e ética, e no outro não.

Deixe seu comentário!